SISEM-SP abre inscrições para oficinas online sobre acessibilidade em museus

Atividades fazem parte do ciclo de 2022 do Programa Sonhar o Mundo – Direitos Humanos nos Museus, que tem como tema “Deficiência e Acessibilidade em Museus”

Destinadas a profissionais de instituições museológicas paulistas, as oficinas tem vagas limitadas. As inscrições devem ser feitas via formulário online até dia 11 de agosto

Serão realizados dez encontros, com início neste mês e término em março de 2023

O Sistema Estadual de Museus de São Paulo (SISEM-SP) está com inscrições abertas para as oficinas “Acessibilidade em Ambientes Culturais”, parte do ciclo de 2022 do Programa Sonhar o Mundo – Direitos Humanos nos Museus. Para participar do evento, que é online e gratuito, os interessados devem preencher o formulário até o dia 11 de agosto. As vagas são limitadas.

Divididas em cinco módulos de dois encontros, totalizando em dez dias de aprendizado, as oficinas terão início em 25 de agosto deste ano e término previsto para 24 de março de 2023. A programação oferece diferentes dimensões da acessibilidade, com o objetivo de fomentar a cultura do acesso e a inclusão no campo dos museus. Vale ressaltar que os encontros são destinados a profissionais de todas as áreas e setores de museus sediados no estado de São Paulo.

O evento foi organizado por Anahí Guedes de Melo, antropóloga e coordenadora do Comitê Deficiência e Acessibilidade da Associação Brasileira de Antropologia (ABA) e membro do GT Estudios Críticos en Discapacidad do Conselho Latino-americano de Ciências Sociais (CLACSO), e por Olivia von der Weid, antropóloga e professora do departamento de antropologia da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Abordagem

As oficinas têm como objetivo apresentar as diferentes dimensões da acessibilidade para deficientes a partir de sua dimensão conceitual e normativa, além de abordar práticas de acessibilidade atitudinal e estética capazes de auxiliar a superação de barreiras e de promover uma cultura de inclusão de pessoas com deficiência dentro do campo cultural.

Assim, foi levada em consideração uma perspectiva que considera a acessibilidade para além do ponto de vista material ou técnico, propondo o entendimento da acessibilidade como uma relação entre corpos múltiplos, capazes de apresentar diferentes modos de experiência e fruição – possibilitando, inclusive, a criação de exposições diferenciadas.

Programação

O primeiro módulo (25 e 26 de agosto), “Acessibilidade como técnica”, tem como objetivo apresentar a história do movimento social das pessoas com deficiência e o histórico de exclusão de pessoas com deficiência dos espaços museológicos, trazendo à tona o conceito de barreiras e de acessibilidade e os marcos legais existentes no Brasil.

No segundo módulo (6 e 7 de outubro), “Acessibilidade atitudinal”, serão debatidas as interseccionalidades da deficiência, discutindo o capacitismo e a ideia da deficiência como corpo político. Além disso, será apresentada uma contracartilha de acessibilidade.

“Acessibilidade como experiência” é o tema do terceiro módulo (24 e 25 de novembro), que traz a questão do cuidado e da interdependência pela perspectiva feminista e pela perspectiva relacional e situacional do encontro entre pessoas com e sem deficiência.

Já o quarto módulo (9 e 10 de fevereiro de 2023), “Acessibilidade como criação”, levanta o seguinte questionamento: O que pode um corpo? A pergunta suscita debates sobre as múltiplas sensorialidades da deficiência e a multiplicidade dos corpos, trazendo à tona a perspectiva transformativa e as poéticas do acesso.

Por fim, o quinto módulo (23 e 24 de março de 2023) encerra o ciclo de oficinas com o tema “Aleijar as museologias”. Nesse momento, será levantada a representatividade das pessoas com deficiência dentro das coleções e dos acervos museológicos, levantando os discursos proeminentes nesses espaços culturais e propondo uma musealização da deficiência.

Sonhar o Mundo

Sonhar o Mundo é, atualmente, um dos principais programas do SISEM-SP voltado à discussão e estruturação de diretrizes de atuação dos museus em respeito e defesa dos Direitos Humanos e faz parte de uma parceria entre o SISEM-SP e a ACAM Portinari.

O programa nasceu a partir da campanha #sonharomundo, criada pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo (SEC), por meio da Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico e do Sistema Estadual de Museus, com a articulação do Memorial da Resistência, Museu Afro Brasil, Museu da Diversidade Sexual, Museu da Imigração, Museu Índia Vanuíre, Memorial da Inclusão e da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

Com o programa, o SISEM-SP garante a continuidade de um ciclo de ações voltadas à inserção dos museus em debates contemporâneos, reforçando seu potencial agregador e propositivo para a promoção de transformações sociais.

Sobre o SISEM-SP

O Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP) é setor da Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico (UPPM) da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo (SEC), tem como objetivo a elaboração e execução de políticas para os museus paulistas. Articula e produz informações sobre os museus paulistas, com a missão de promover a qualificação e o fortalecimento institucional em favor da pesquisa, preservação e difusão dos acervos museológicos paulistas.

Sobre a ACAM Portinari

Fundada em 27 de novembro de 1996, a ACAM Portinari (Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari) administra quatro equipamentos culturais do Governo do Estado de São Paulo por meio de contratos de gestão: Museu Casa de Portinari, em Brodowski, Museu Felícia Leirner e Auditório Claudio Santoro, em Campos do Jordão, Museu H. P. Índia Vanuíre, em Tupã, e Museu das Culturas Indígenas, em São Paulo. Tem como principal objetivo o desenvolvimento da área cultural, particularmente a museológica, através da colaboração técnico-operacional e financeira.

Assessoria de impressa SISEM-SP
Agência Galo
contato@agenciagalo.com