Sustentabilidade em Museus – Ambiental, Cultural, Económico e Social

Manuel C. Furtado Mendes, (PhD, em Museologia)
junho de 2020

Introdução

Na minha tese de doutoramento, intitulada “O uso de Energias Renováveis em edifícios de Museus”, atribuí às instituições museais uma responsabilidade no âmbito da Sustentabilidade Ambiental.

Posicionei-me teoricamente no campo da Museologia Social e da Sociomuseologia, que colocam o ser humano integrado no meio ambiente considerado este como património. Segundo esta abordagem museológica, a preservação e a sustentabilidade ambiental são responsabilidades que podemos imputar aos museus.

Por outro lado, defendi que o entendimento do Ambiente e do próprio Planeta Terra como Património a preservar, relaciona-se com a necessidade de criar uma consciência coletiva da existência de uma história da Terra ou “memória da Terra” (Póvoas e Lopes, 2001) e da necessidade de a preservar.

Esta Memória da Terra leva-nos a considerar o nosso Planeta como um “Museu global” (Scheiner, 2000, s/p) em que o património comum a preservar é o próprio Planeta.

Este Museu global, vinculado ao conceito de memória da terra ou da biosfera, inclui as relações entre “massa e energia, no tempo, em complexidade e influenciando todos os processos de vida no planeta” (Scheiner, 2000, s/p).

Neste Museu global, o Ser Humano confronta-se com a sua real dimensão de Ser biológico e como parte integrante desses processos. Neste contexto, as quatro dimensões da sustentabilidade – ambiental, cultural, económica e social – fazem todo o sentido no campo Museológico.

Os Museus enquanto instituições que têm uma função de preservação – independentemente de se tratar de Museus que lidam com coleções materiais, coleções imateriais, ou de Museus que lidam com o social e a comunidade – devem servir de exemplo no que respeita à forma de contribuir para a sustentabilidade global.

As dimensões da Sustentabilidade

A Sustentabilidade tal como é aceite hoje, centra-se em 4 dimensões: a dimensão espaço-tempo e duas dimensões conexas: a ética e a epistemológica.

Desenvolvimento sustentável e museus

No trabalho que tenho desenvolvido recentemente, tenho estado a sistematizar um conjunto de indicadores de medida da sustentabilidade em museus, que possam ser aplicados a qualquer museu, com as devidas adaptações.

Adotei como referência o documento intitulado “Marco Conceptual Comum sobre a Sustentabilidade” (2019) produzido pelo programa Ibermuseus que, em minha opinião, reflete sobre a particular realidade museológica do espaço Iberoamericano.

De acordo com o Marco Conceptual Comum sobre a sustentabilidade, os Museus e Processos Museais sustentáveis são aqueles que se comprometem com a sustentabilidade nas dimensões ambiental, cultural, social e económica, promovendo uma gestão que responda às necessidades do seu envolvimento e que valorizem o património museológico para as gerações presentes e futuras.

Os Museus e Processos Museais sustentáveis preocupam-se com a sua função social, de caráter transformador, com objetivos e metodologias para o desenvolvimento integral de ações que incidam positivamente nas dimensões cultural, social, ambiental e económica. São pro-ativos e estabelecem laços com o seu envolvimento, a fim de inter-relacionar as quatro dimensões, mantêm uma reflexão sobre elas e propiciam a participação dos cidadãos, com especial atenção ao contexto histórico.

A sustentabilidade é concebida como um processo de melhoria contínua, considerando as características e diferentes situações de origem dos museus.

O quadro conceptual do Ibermuseus define as 4 dimensões da sustentabilidade em museus (pp. 38 a 43):

  1. Dimensão ambiental: é a incorporação da sustentabilidade em todas as atividades, hábitos, processos e espaços museais, contribuindo para a proteção e conservação dos ecossistemas, dos recursos hídricos e da biodiversidade;
  2. Dimensão cultural: diz respeito à diversidade de valores e às particularidades das comunidades e dos povos, e o acompanhamento de seus processos de mudança;
  3. Dimensão económica: procura o desenvolvimento de meios e processos de funcionamento e modelos de gestão sustentáveis; busca de recursos financeiros (fluxos de investimentos públicos ou privados) necessários ao cumprimento de sua missão; contribuição para o desenvolvimento da economia local e equilíbrio económico-financeiro;
  4. Dimensão social: visa a contribuição na melhoria da qualidade de vida da população, promovendo o acesso à cultura, a preservação da memória e a coesão social; procura a equidade e a diminuição das diferenças sociais de maneira universal, democrática e participativa.

As dificuldades do conceito de Sustentabilidade

Se a sustentabilidade como objetivo é consensual, tal não acontece com a definição do conceito devido à expansão da sua utilização em diferentes áreas políticas e sociais.

Alguns autores afirmam que há falta de clareza na definição de sustentabilidade e do objeto a ser sustentado; outros apontam uma certa dificuldade na aplicabilidade do conceito que funciona em termos teóricos mas não em termos práticos; outros ainda criticam a superficialidade dos usos e de interpretação do conceito, associado a uma “moda”.

Proposta de Indicadores de Medida da Sustentabilidade em Museus

Se estabelecermos que estas são as áreas em que cada museu pode operar para alcançar a sustentabilidade global, ficamos aptos a estabelecer os indicadores de medida.

Esta proposta de indicadores não é um modelo fechado. É apenas um exemplo que cada museu pode adaptar consoante as suas necessidades de autoavaliação.

Para a avaliação da Dimensão Ambiental em Museus proponho os seguintes indicadores:

  • Total de energia consumida pelo museu nos últimos 12 meses produzida a partir de fontes de energias renováveis;
  • Total do consumo de água nos últimos 12 meses;
  • Rácio dos resíduos recicláveis e os resíduos não recicláveis nos últimos 12 meses;
  • Total de combustíveis fósseis consumidos nos últimos 12 meses (gasolina, viagens de avião para transporte de objetos da coleção, por exemplo);
  • Percentagem de recursos naturais utilizados no armazenamento da coleção e na exposição;
  • Percentagem de itens reutilizados (nas exposições, por exemplo) em vez de descartados.

Para a avaliação da Dimensão Cultural em Museus os indicadores propostos são:

  • Taxa de crescimento da coleção nos últimos 12 meses;
  • Percentagem da coleção avaliada com necessidades de conservação nos últimos 12 meses;
  • Número de manifestações culturais preservadas na área de influência do Museu;
  • Número de jovens associados à continuidade das manifestações culturais sociais;
  • Percentagem da coleção em exposição;
  • Percentagem da coleção em reserva e acondicionada apropriadamente.

Para a avaliação da Dimensão Económica em Museus defini os seguintes indicadores:

  • Rácio do financiamento público relativamente a outras fontes de financiamento;
  • Número de horas de trabalho voluntário nos últimos 12 meses;
  • Rácio entre o crescimento da coleção e o crescimento do rendimento nos últimos 12 meses;
  • Rácio das parcerias no total das atividades desenvolvidas pelo museu;
  • Percentagem de fornecedores do museu que têm como objetivo reduzir o seu impacto ambiental.

E finalmente, os Indicadores para a Dimensão Social em Museu são:

  • Número de pessoas com acesso às coleções no espaço do museu nos últimos 12 meses;
  • Número total de visitantes às coleções online nos últimos 12 meses;
  • Número total de voluntários registados na instituição nos últimos 12 meses;
  • Percentagem de pessoas envolvidas nas tomadas de decisão (por idade, género, e grupo cultural)
  • Rácio de pessoal nos primeiros 10 anos da carreira e os que estão nos últimos 10 anos da carreira;
  • Rácio de pessoal do museu que fez formação sobre sustentabilidade da organização;
  • Número de vezes durante o último ano em que foi convidado um perito externo ou membro da comunidade para trazer contributos relativos ao planeamento e atividade do museu;
  • Número total de objetos da coleção e a percentagem disponível online;
  • Número de artigos publicados pelo pessoal do museu com pesquisa sobre as coleções;
  • Número de autorizações para o uso de imagens da coleção em textos publicados;
  • Número de visitas escolares no último ano;
  • Número de participantes em atividades públicas como conferências, palestras, filmes, visitas;
  • Número de exposições ou eventos nos últimos 12 meses, concebidos para ensinar a comunidade sobre sustentabilidade.

Gostaria de introduzir aqui a questão da relação entre a Sustentabilidade Ambiental e o uso de Energias Renováveis em edifícios de museus

A minha abordagem à sustentabilidade ambiental tem tido um foco principal na utilização das energias renováveis em edifícios de museus ou culturais. E por isso, gostava de chamar a atenção para os tipos de energias renováveis passíveis de serem utilizadas com facilidade em qualquer edifício de museu ou cultural, sendo elas: a Energia eólica, a Energia solar fotovoltaica, a Energia solar  térmica e a Energia geotérmica de superfície (Furtado, 2011):

Energia eólica: que é uma fonte energética proveniente do vento. Para a sua captação apenas necessita de existir um espaço livre onde possam ser colocados alguns Aerogeradores (Equipamento que transforma o vento em energia elétrica);

A velocidade do vento deve fazer-se sentir com regularidade e com uma velocidade mínima;

Energia solar fotovoltaica: em que o sol é utilizado através de painéis ou módulos solares fotovoltaicos para produzir energia elétrica.

É aquela que, com maior facilidade, face ao elevado desenvolvimento técnico dos meios de captação, se pode adaptar a múltiplos tipos de aplicações em qualquer tipo de edifício, usando: sistemas fotovoltaicos fora do edifício em espaço livre; ou, sistemas fotovoltaicos integrados nos elementos construtivos dos edifícios.

Ambas para obtenção de energia elétrica.

E:

Energia solar térmica: em que através da utilização de painéis solares térmicos, o sol é aproveitado para o aquecimento de águas que, podem ser usadas para fins sanitários ou outros.

A tecnologia solar térmica encontra-se bastante desenvolvida, tendo por isso um elevado rendimento, o que permite uma elevada produção autónoma de água aquecida durante uma grande parte do ano.

Energia geotérmica de superfície: que provém das temperaturas estáveis existentes no interior da Terra:

A baixa profundidade permite-nos obter o calor ou o frio necessários para alimentar um sistema de aquecimento e/ou arrefecimento em qualquer espaço ou edifício;

É um sistema que necessita consoante a área a climatizar, de uma quantidade variável de circuitos fechados formados por tubagens individuais que incluem sondas térmicas onde circula um líquido inofensivo e ecológico (água mais anticongelante) ligados a bombas de calor geotérmicas.

Ambas para a produção de águas quente e fria, servindo para os consumos sanitários e aquecimentos ou arrefecimentos de diversos espaços.

Termino aqui esta apresentação muito sucinta de um trabalho sobre sustentabilidade, com destaque para os indicadores de medida da sustentabilidade em museus e para as algumas energias renováveis que, com facilidade podem ser usadas nos museus, contribuindo diretamente e significativamente para a sua sustentabilidade ambiental e económica.


Bibliografia:

AAVV. (2019). Marco Conceptual Común en Sostenibilidad de las Instituciones y Procesos Museísticos Iberoamericanos , Marco Conceitual Comum em Sustentabilidade das Instituições e Processos Museais Ibero-Americanos. Edição Programa Ibermuseus.

Furtado Mendes, M.C. (2011). O uso de energias renováveis em edifícios de museus.  ULHT: Lisboa. Tese de doutoramento em Museologia.

Póvoas, Liliana; Lopes,César. (2001). Construir uma memória da Terra para o futuro. In: XIII Jornadas sobre a Função Social do Museu. Alcoutim e Tavira. Texto policopiado.

Scheiner, Tereza. (2000). Museu: génese, ideia e desenvolvimento. In: Curso fundamentos da Museologia teórica e aplicada. Lisboa: ULHT. Texto policopiado.__


Manuel Cardoso Furtado Mendes é Doutor em Museologia (ULHT), é professor na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Atua nas áreas de Engenharia e Tecnologia com ênfase em Engenharia Civil e Ciências Sociais com ênfase em Outras Ciências Sociais. Dentre outros temas nas áreas científica, tecnológica e artístico-cultural, dedica-se à pesquisa em Sustentabilidade Ambiental e Sociomuseologia.


Clique no botão a baixo para baixar o texto e ler mais tarde:

Download “Sustentabilidade em Museus - Ambiental, Cultural, Económico e Social” Sustentabilidade-em-Museus.pdf – Baixado 12 vezes – 110 KB