PROGRAMA SONHAR O MUNDO: RETROSPECTIVA 2021 – 2022

“Deficiência e Acessibilidade em Museus” como mote das ações de 2022, organizando rodas de conversa, oficinas online e uma programação colaborativa entre 17 instituições museológicas de São Paulo

Os museus são instituições realmente democráticas? Essa pergunta norteou o Programa Sonhar o Mundo para 2022, uma das principais ações realizadas pelo Sistema Estadual de Museus de São Paulo (SISEM-SP). Com a temática “Soluções Sistêmicas para o futuro que queremos: Deficiência e Acessibilidade em Museus”, a iniciativa promoveu roda de conversa, oficinas e atividades colaborativas para refletir sobre o quão preparadas estão as instituições paulistas para que todos possam usufruir do patrimônio cultural em exposição. Vale, aqui, fazer uma retrospectiva delas.

Em 28 de julho foi realizada, via plataforma Zoom, uma roda de conversa para discutir e promover reflexões sobre a forma como os museus de São Paulo funcionam e disponibilizam os seus serviços de acessibilidade. Os participantes debateram aspectos relacionados aos processos internos de trabalho, recepção dos visitantes, entre outros desafios e acertos das instituições. O encontro virtual contou com intérprete de libras, e legendas ao vivo.

Participaram do evento profissionais que são referências na área: Gislana Vale, do Movimento Brasileiro de Mulheres Cegas, Severa Paraguaçu, da Universidade Federal do Rio de Janeiro e Edu O, da Universidade Federal da Bahia. Na ocasião, elas puderam abordar suas experiências sobre acessibilidade em espaços culturais. Também estiveram presentes, no papel de mediadoras, Renata Cittadin, diretora do Grupo Técnico de Coordenação (GTC) do SISEM-SP, Anahí Guedes de Mello e Olívia von der Weid, do Comitê Deficiência e Acessibilidade da ABA.

Anahí e Olívia também foram responsáveis por organizar as oficinas online “Deficiência e Acessibilidade em Museus”, que tiveram início em 25 de agosto e têm previsão de encerramento em 24 de março de 2023. São dez encontros divididos em cinco módulos, nos quais, junto a oficineiros convidados, buscam apresentar as diferentes dimensões da acessibilidade, passando por aspectos conceituais, normativos. O conteúdo aborda práticas de  acessibilidade  atitudinal  e  estética  capazes  de  auxiliar a superação de barreiras e promover uma cultura do acesso e da inclusão de pessoas com deficiência no campo cultural. As oficinas foram organizadas da seguinte forma:

Módulo 1 (25 e 26 de agosto de 2022) – “Acessibilidade como técnica”

Módulo 2 (6 e 7 de outubro de 2022) – “Acessibilidade atitudinal”

Módulo 3 (24 e 25 de novembro de 2022) – “Acessibilidade como experiência”

Módulo 4 (9 e 10 de fevereiro de 2023) – “Acessibilidade como criação”

Módulo 5 (23 e 24 de março de 2023) – “Aleijar as museologias”

Foi organizada também uma programação colaborativa sobre o tema que contou, ao todo, com a participação de 17 museus distribuídos pelo estado de São Paulo. As instituições atuaram cooperativamente, formando uma rede de apoio que criou ferramentas para a elaboração de discussões sobre acessibilidade, contribuindo também para o fortalecimento de vínculos com o público interessado.

Entre 4 e 10 de dezembro, foram realizadas 35 atividades – presenciais e virtuais –, todas gratuitas e abertas à população. Assim, o SISEM-SP segue atuando para garantir a continuidade de um ciclo de ações voltadas à inserção dos museus em debates contemporâneos, reforçando seu potencial agregador e propositivo para a promoção de transformações sociais.

Mudança de ciclos

A definição do tema do ciclo de 2022 do Programa Sonhar o Mundo – “Deficiência e acessibilidade em museus” – teve início durante o encerramento do ciclo de 2021, destinado a debater o tema “Mulheres”. A essa altura, o programa havia definido o tema a partir de uma parceria com o movimento “Mujeres cambiam los museos”, cujo objetivo foi contribuir para as discussões sobre a equidade de gênero nas instituições museológicas.

O ciclo de 2021 culminou na criação de um Guia de Orientação para defesa dos direitos das mulheres, cujo arquivo pode ser acessado gratuitamente no site do SISEM-SP: https://www.sisemsp.org.br/guia-apresenta-orientacoes-para-defesa-dos-direitos-das-mulheres-nos-museus-paulistas/

No ato de encerramento, Maria da Penha, farmacêutica reconhecida pela luta em prol da condenação de seu ex-marido, que a tornou paraplégica após agressões, foi convidada a fazer uma participação gravada, destacando a importância dos museus como espaços de articulação pela defesa dos direitos das mulheres. O vídeo dialoga com a definição do tema do ciclo de 2022 ao abordar também a visibilidade e o protagonismo das pessoas com deficiência.

Desse modo, as ações do programa do ciclo de 2022 seguem contribuindo para a elaboração de indicadores que identifiquem o quão acessíveis são os museus paulistas.      

Programa Sonhar o Mundo

O Programa Sonhar o Mundo – Direitos Humanos nos Museus realizada anualmente tem como objetivos articular e mobilizar os museus para questões relacionadas aos Direitos Humanos.

Partindo do pressuposto de que eles devem atuar como instrumentos de transformação social, o SISEM elege um tema a ser debatido entre os museus e que de forma conjunta encontram soluções para enfrentar esses desafios.

O programa é composto por um conjunto de atividades ofertadas aos museus que são:  ações formativas ao longo de todo o ano, organização de uma programação articular entre todos os museus paulistas na semana do dia 10 de dezembro – que é o Dia Internacional dos Direitos Humanos e a publicação de normas e manuais de orientação sobre o tema escolhido para ser debatido pelos museus no ano.