ProAC e financiamentos coletivos fomentam o setor de museus

O Sistema Estadual de Museus de São Paulo (SISEM-SP), instância da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, atua em cinco linhas de ação principais, entre elas, o Fomento. Uma importante iniciativa nesse sentido é o apoio do ProAC – Programa de Ação Cultural para o lançamento de editais voltados à área de museus.

No ano passado, o ProAC Expresso 2020  teve dois editais específicos para o setor: nº 13/2020 de Modernização de museus, arquivos e acervos paulistas e nº 14/2020 de Registro inédito e licenciamento de conteúdo para visitação on-line a museus, arquivos e acervos (#CulturaEmCasa), com valor total de R$ 2,9 milhões.

O edital de Modernização de museus, arquivos e acervos paulistas teve 19 propostas selecionadas, sendo dez de instituições do interior e litoral do Estado, número superior ao exigido no edital. O valor total de recursos foi de R$ 1,9 milhão e teto de R$ 100 mil por projeto selecionado. Para o edital nº 14/2020, foram selecionadas 14 propostas, sendo contemplados 11 projetos do interior e litoral do estado. O valor total de recursos foi de R$ 1 milhão e valor máximo de R$ 25 mil por projeto.

Com a instalação da crise em virtude da pandemia de Covid-19 foi criada a Lei Aldir Blanc (LAB) e uma de suas frentes foi a seleção de projetos dos editais ProAC Expresso LAB. Foram criadas 25 linhas, que atenderam a todas as áreas do segmento de cultura e criativo.

Para o setor museológico, foi destinada a linha “Prêmio por Histórico de Museus de São Paulo”, que contemplou 22 projetos, com a disponibilização de R$ 40 mil para cada selecionado. Destes, 13 são do interior e litoral paulista.

Durante todo o processo de realização dos concursos ProAC Expresso 2020 e ProAC Expresso Lab, o SISEM-SP deu continuidade ao seu trabalho de fomentar o setor e incentivar as inscrições de museus e profissionais para os editais específicos da área e também para outros não direcionados, cujo perfil permitia a proposta de projetos, como o nº 09/2020 Produção de exposições inéditas de artes visuais no estado de São Paulo e o nº 10/2020 Registro inédito e licenciamento de exposições inéditas de artes visuais para visitação on-line (#CulturaEmCasa).

Além da publicação em seu website de diversas matérias explicativas sobre vários pontos dos editais e da respectiva divulgação dessas informações em suas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), o SISEM-SP realizou lives em seu canal no Youtube para tirar dúvidas sobre os editais do ProAC e da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc.

Mutirão museológico

Para incentivar as inscrições e auxiliar no alinhamento com proponentes, o SISEM-SP se articulou junto ao Consórcio de Desenvolvimento Intermunicipal do Vale do Ribeira e Litoral Sul (Codivar) e a grupo de profissionais egressos do curso de Mestrado em Museologia da Universidade de São Paulo (USP) e realizou um “mutirão museológico”.

Como os municípios não tinham equipes técnicas para elaboração de projetos, principalmente, na área de museus, a ação preencheu uma lacuna ao unir pessoas capacitadas para elaborar projetos e as necessidades dos museus locais. Essa iniciativa, que resultou na aprovação de dois projetos do Vale do Ribeira e um do Vale do Paraíba, abriu caminhos para que outras iniciativas semelhantes sejam reproduzidas em chamamentos futuros. Com isso, além das instituições serem beneficiadas, os profissionais de museus que elaboraram os projetos também serão.

“Um dos papeis do SISEM-SP é o de propor formas de provimento de recursos, financiamento e fomento destinados à área museológica paulista e o Programa de Ação Cultural é uma ferramenta de extrema importância para auxiliar na melhoria e na profissionalização das atividades dos museus”, diz Luiz Mizukami, executivo público do Grupo de Coordenação Técnica do SISEM-SP (GTC SISEM-SP).

Financiamento coletivo

Outra ação de fomento que tem se tornado cada vez mais frequente no setor é de financiamento coletivo (crowdfunding), que é a captação de fundos para iniciativas de interesse coletivo por meio de diversas fontes, que podem ser pessoas físicas ou jurídicas. É uma espécie de vaquinha, porém, bem mais elaborada, que destaca o potencial do projeto a ser financiado e o retorno positivo que sua viabilização pode trazer para a sociedade como um todo.

A Comunidade Cultural Quilombaque, em setembro de 2020, realizou a campanha de financiamento coletivo #FicaQuilombaque, para garantir a permanência de sua sede no espaço construído há 15 anos, no bairro Perus, em São Paulo. No local são realizados diversos trabalhos de promoção à cultura junto à comunidade. O imóvel onde fica sua sede era alugado e foi colocado à venda por R$ 300 mil, valor da meta da campanha que, em três meses, arrecadou o montante de R$ 302.160, 52.

Em novembro do ano passado, o Museu do Futebol iniciou a captação de recursos para o projeto Minha voz faz História, que foi selecionado pelo programa BNDES+, em que a cada Real destinado para a causa, o banco acrescenta o dobro do valor. O objetivo era obter recursos para a produção de um audioguia sobre os 100 anos do futebol feminino no Brasil. O Museu tinha, até o dia 20 de dezembro, para arrecadar R$ 80.600,00 (já contando a participação do BNDES) e conseguiu antes do prazo final.

Para que as memórias e tradições permaneçam vivas, o Museu da Pessoa, a Rádio Yandê e Ailton Krenak estão com uma campanha de arrecadação para realizar uma formação virtual em memória e mídias para que jovens das comunidades originárias registrem as histórias de vida de seus anciãos e anciãs e preservem as narrativas de vida do seu povo. O financiamento coletivo tem como meta arrecadar o valor de R$ 88.600, para auxiliar, clique aqui.

O Museu Ema Klabin também realiza uma campanha de arrecadação para a digitalizar sua coleção. O objetivo é ampliar o acesso ao conjunto de obras de artes visuais da coleção, que abrange mais de 17 séculos de história e a meta é angariar R$ 199.500. Para apoiar, clique aqui.

Oportunidades de financiamento abertas

No início de 2021, a Embaixada do Canadá no Brasil lançou sua chamada anual de propostas para o Fundo do Canadá para Iniciativas Locais (CFLI), programa projetado para apoiar projetos de pequena escala e alto impacto, que se alinham com as áreas temáticas prioritárias de envolvimento da Global Affairs Canada. O programa é direcionado a projetos concebidos e desenhados predominantemente por parceiros locais. Os projetos são selecionados e aprovados pela embaixada canadense no Brasil. A contribuição média do CFLI é de $ 30 mil (aproximadamente, R$ 106 mil). Todas as contribuições são feitas em dólares canadenses e depois convertidas para a moeda local.

Todos os projetos devem ser concluídos entre a data de assinatura do Acordo de Contribuição e 28 de fevereiro de 2022. O prazo para envio das propostas é até as 23h59 de 29 de janeiro de 2021, pelo e-mail: brslacfli@international.gc.ca.