Museus, profissionais de museus e Covid-19: terceiro relatório do ICOM

Um ano e meio após a pandemia de Covid-19, o setor de museus continua tentando entender suas consequências em longo prazo, ao mesmo tempo em que enfrenta os desafios de uma reabertura restrita.

O primeiro relatório do ICOM, publicado há pouco mais de um ano, apresentou uma situação terrível para museus e profissionais de museus em todo o mundo. Com quase 95% das instituições forçadas a encerrar para salvaguardar o bem-estar dos funcionários e visitantes, o setor tem enfrentado graves repercussões econômicas, sociais e culturais.

A segunda pesquisa global, realizada no início do outono de 2020, apresentou um quadro muito mais confuso para os museus, com diferenças regionais marcantes nas taxas de abertura e impacto econômico. Um dos números mais interessantes, que sempre esteve no centro das discussões sobre o setor e a Covid-19, foi o aumento vertiginoso das atividades digitais. Essa tendência, que aumentou acentuadamente entre as duas primeiras pesquisas, levantou questões sobre a maturidade e a sustentabilidade dessas práticas no futuro.

Por isso, com o objetivo de analisar a evolução desse e de outros eventos-chave do setor museológico, o ICOM lançou uma terceira pesquisa, um ano após a publicação do primeiro questionário. Este terceiro estudo internacional do ICOM, aberto de 15 de abril a 29 de maio de 2021, investigou um cenário que, apesar de continuar em estado de crise, é cada vez mais descrito como “o novo normal”.

Tal como no segundo inquérito, foi mantida a maior parte das seções, o que permitiu ao ICOM avaliar as principais tendências da crise provocada pela pandemia e a sua percepção pelos profissionais de museus. Outras perguntas também foram feitas sobre possíveis cenários futuros e como os museus estão se preparando para um novo começo.

Como esse é o terceiro relatório do ICOM, ficou decidido apresentar as tendências de resposta ao longo do tempo, em vez de comparações regionais, para mostrar como a situação evoluiu ao longo desse ano e meio. Por esse motivo, os números representam resultados globais agregados e devem ser interpretados com cautela, levando em consideração as profundas diferenças entre os museus em diferentes partes do mundo.

Clique aqui para ler o relatório completo.

Fonte: ICOM