Museu da Língua Portuguesa cria protocolo de atendimento ao público para uniformizar os procedimentos

O documento foi criado para lidar com a reabertura do museu, em 2021, que passou por reformas após um incêndio em 2015; nova versão do protocolo está sendo finalizada para atender o atual contexto

O 12º Encontro Paulista de Museus – EPM 2022 adotou o formato híbrido e oferece diversas atividades online, que serão divulgadas nas redes sociais do Sistema Estadual de Museus de São Paulo (SISEM-SP).

A sessão “Experiências Museológicas” contará com a participação de instituições e grupos de pesquisa que apresentarão suas atividades e destrezas com potencial para integrar as práticas museológicas. Convidamos então o Museu da Língua Portuguesa, gerido pela Organização Social de Cultura IDBrasil Cultura, Educação e Esporte.

Vamos saber mais?

Iniciativa da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, concebido e realizado em parceria com a Fundação Roberto Marinho, o Museu da Língua Portuguesa (MLP) foi inaugurado em 2006. Está situado na Estação da Luz e tem como missão: “preservar, pesquisar, comunicar e articular o repertório patrimonial da língua portuguesa como elemento estruturador das identidades culturais e indicador constitutivo do respeito à diferença”.

Por tratar de um matrimônio imaterial, o Museu utiliza suportes interativos e ferramentas tecnológicas para apresentar o seu acervo. Em 2017 a gestão iniciou o Plano Museológico que foi de suma importância para redefinir diretrizes, após o incêndio que comprometeu parte do prédio em 2015.

O plano foi elaborado em etapas e teve a participação de diferentes equipes de trabalho. Com suporte de uma consultoria especializada também foram realizados o diagnóstico institucional, o conceito gerador, perfil institucional, linhas de ação e programas museológicos. Ainda nesse período criou-se um Protocolo de Atendimento dos Públicos a fim de garantir experiências positivas e proteção das pessoas que circulam pelo endereço.

A ideia do protocolo surgiu como resposta a um momento muito particular: o museu seria reaberto após anos em reforma e num contexto de pandemia. Além disso, era preciso considerar a complexidade e diversidade do público do MLP, formado por muitos imigrantes e pessoas em situação de vulnerabilidade.

Foto de Juliana Pons

Dessa forma a administração entendeu que era preciso uniformizar alguns processos e assim criou um grupo de trabalho transversal e colaborativo entre várias áreas de atuação do museu. “A partir da concepção dessa equipe desenvolvemos escutas internas e externas, com colaboradores e instituições que atediam públicos parecidos”, conta Evelyn Lauro, articuladora social do endereço.

No primeiro momento os próprios funcionários do MLP responderam o que poderia ser uma situação problema quando o museu fosse reaberto. Já na segunda etapa, colaboradores externos contaram como lidaram ou lidariam com as ocorrências apontadas, possibilitando a construção do protocolo.

Por ter sido concebido em um período muito específico, Evelyn conta que o museu prepara um novo protocolo de atendimento. “Trabalhamos com hipóteses, a partir da lógica de um museu fechado. Então a realidade nem sempre é condizente com o imaginado. Por isso, após a abertura iniciamos um novo processo de escuta para outra edição do documento”.  

Para mais informações, acesse: museudalinguaportuguesa.org.br