Museu Comunitário do Jardim Vermelhão reúne acervo com documentos, fotos e depoimentos de moradores da região

Em busca de mais investimentos, o espaço promove ações de preservação patrimonial, socioeducativas e de museologia social

A 12ª edição do Encontro Paulista de Museus – EPM 2022 conta a sessão “Experiências Museológicas”, que envolve instituições e grupos de pesquisas convidados a apresentar suas experiências museológicas inspiradoras.

O Museu Comunitário do Jardim Vermelhão, no distrito dos Pimentas em Guarulhos, promove as ações de preservação patrimonial, socioeducativas e de museologia social no espaço, que é gerido pelo Projeto Cultural Pimenteiros e Pimenteiras do Vermelhão.

Vamos saber mais?

O Museu Comunitário do Jardim Vermelhão foi criado em meados de 2021 para dar visibilidade ao distrito dos Pimentas, contribuindo com o seu desenvolvimento, em busca de um futuro digno, no qual os direitos humanos básicos sejam respeitados. Em seu primeiro ano os gestores captaram recursos por meio de edital público para elaboração do plano museológico, mas o projeto ainda exige investimentos.

“No momento não temos a estrutura que precisamos para garantir a sustentabilidade do projeto, do tempo das articuladoras que se dividem em outras atividades. Entendemos que também é importante uma rede, com especialistas, entre outras pessoas de fora”, conta Suzy Santos, museóloga, educadora do projeto e uma das coordenadoras da iniciativa.

Mesmo sem o plano definido, um acervo vem tomando corpo, com fotos, vídeos, documentos e depoimentos das famílias. Em paralelo exposições itinerantes têm levado as histórias do distrito a moradores locais e do entorno. De acordo com a coordenadora esse processo de disseminação das memórias e reconhecimento do passado é que torna o Museu especial.

“O nosso projeto é inspirador no sentido de estimular a autoestima dos moradores, que por vezes desconhecem o histórico de luta para a formação dessa comunidade, e a luta pelo direito humano básico de ter moradia, acesso à água potável, à educação e à saúde de qualidade. É um mecanismo de valorização”, aponta Suzy.

Para a coordenadora a participação no EPM será mais uma oportunidade de trazer o projeto a público. Além disso, ela destaca que o tema dialoga profundamente com os debates e ações promovidos pelo Projeto Cultural Pimenteiros e Pimenteiras do Vermelhão e o Museu.

 “Entendemos que as dimensões do tema desse ano, o bem-viver, território, antirracismo e diversidade estão muito presentes no nosso dia a dia, na busca por desenvolvimento social, econômico, formativo, valorização das tradições afro e indígenas. A comunidade é majoritariamente negra então o racismo sempre está em pauta”, comenta.

Para mais informações acesse as redes sociais do Museu:

Facebook: museucomunitario.jdvermelhao
Instagram: museucomunitario_jdvermelhao