Em 2020, São Paulo sediará mais uma edição do Encontro Paulista de Museus

Evento gratuito contribui para a qualificação e fortalecimento das instituições museológicas paulistas

Após um ano expandindo as discussões do 10EPM pelo interior do Estado, em 2020, o Encontro Paulista de Museus (EPM) voltará a ser realizado em São Paulo – Capital.

Organizado pelo Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP), instância da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo em parceria com a ACAM Portinari, o evento foi realizado de forma ininterrupta durante dez anos. Em 2019, cedeu lugar à sua versão itinerante, ocorrida em seis macrorregiões paulistascom programação composta por conferências, painéis e oficinas com temáticas relacionadas ao Cadastro Estadual de Museus (CEM-SP).

O Encontro é uma oportunidade de fortalecer e qualificar ainda mais as instituições museológicas do estado. Em sua 11ª edição o foco será “Público”, tema ainda não abordado nas edições anteriores.

História

A criação do EPM, em 2008, está intimamente ligada a um período de reestruturação pelo qual passou o SISEM-SP, que na época buscava intensificar a participação dos museus espalhados por todo o Estado em sua dinâmica de trabalho.

Para isso, o EPM foi elaborado para reforçar uma das linhas de trabalho do SISEM-SP, que é a articulação. “A criação de um evento periódico no calendário dos museus que fosse voltado às trocas e encontros, fazia sentido para que se fomentasse também os laços entre os profissionais e gestores de museus. Com essa ação consolidada, tivemos os desdobramentos para realizarmos a versão itinerante. A partir de agora, o EPM acontece sempre nos anos pares, na Capital e o EPMi em anos ímpares, sempre com o intuito de ampliarmos o ciclo de discussões e a troca de saberes, além do fortalecimento dos laços entre os profissionais da área”, comenta Luiz Fernando Mizukami, responsável pela coordenação da programação do 11º EPM.

EPMi

A ideia de criar a versão itinerante do EPM surgiu após a análise dos dados sobre as inscrições realizadas nos EPMs entre 2011 e 2017.  Foi detectado que do total de inscritos, 65% provinha da Região Metropolitana de São Paulo. Para atingir um público de profissionais de museus de forma mais abrangente, em termos geográficos, foi criada a versão itinerante: o EPMi, que em sua primeira edição atraiu 560 pessoas nas seis edições realizadas ao longo de 2019, sendo que dentre os presentes 287 profissionais da área museológica participaram das oficinas conduzidas no ciclo de eventos. O ciclo EPMi, além de dar acesso aos profissionais de museus fora da Capital, possibilitou também fomentar articulações regionais entre instituições culturais, além de garantir uma ampliação do tempo de discussão sobre temas trabalhados em cada EPM. Assim, a idéia é que cada tema seja sempre trabalhado ao longo de um período de dois anos, abrangendo o EPM (nos anos pares, em que o tema será lançado) e o ciclo EPMi (nos anos ímpares, em que o tema será difundido e as discussões aprofundadas).

Com programação gratuita e atividades relacionadas à gestão, governança, infraestrutura e segurança em museus, temas anteriormente trabalhados na 9ª e 10ª edições do EPM, o primeiro evento foi realizado em Ribeirão Preto (EPMi Nordeste), seguido por Campinas (EPMi Campinas), Birigui (EPMi Noroeste), Bauru (EPMi Oeste), Sorocaba (EPMi Sudoeste) e São José dos Campos (EPMi Vale do Paraíba e Litoral).

A parceria com o SESC-SP, que forneceu toda a infraestrutura, foi imprescindível para a viabilização dos EPMis.

Fonte: SISEM-SP