5º Encontro Paulista de Museus reúne mais de 1.200 inscritos

Programação discutiu as políticas públicas para a área de museus, apresentou resultados de ações de sucesso em museus paulistas e também abordou a atuação e o trabalho de museus do Reino Unido

DSC 0213

O Encontro Paulista de Museus (EPM) chega a sua quinta edição com a marca de 1.200 inscritos, valorizada pela mobilização efetiva e grande presença do público nos três dias do evento. Realizado pela Secretaria de Estado da Cultura, por meio do Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP) com a parceria da Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari (ACAM Portinari), o EPM se consolida definitivamente como um espaço de encontro, trocas e levantamento de pautas da comunidade museológica paulista.

Entre os temas abordados estiveram a segurança do patrimônio, projetos de educação em museus, a Conferência Internacional do Icom, 2013, a documentação e a pesquisa de acervos, além dos dois editais do ProAC específicos para o setor dos museus, com valor total de R$ 1,2 milhão, sendo um voltado a projetos de Difusão e outro para Preservação de Acervos.. Também foram pautas do encontro as apresentações institucionais do Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP) e do Conselho de Orientação do SISEM-SP, as reuniões das macrorregiões e os painéis digitais com ações bem-sucedidas de museus do interior, litoral e capital.

“A mobilização efetiva do público em todos os dias definiu para esta edição uma marca de grande participação e articulação, que refletiu na plenária em que se considerou por macrorregiões as manifestações sobre as prioridades do setor museológico e que serão importantes nas etapas das conferências municipais e estaduais de cultura”, afirma a coordenadora da Unidade de Preservação do Patrimônio Museológica (UPPM), Renata Motta.

Com relação à participação dos conferencistas internacionais, o público pôde conhecer, no primeiro dia do encontro, o trabalho desenvolvido pelo Horniman Museum and Gardens, de Londres junto à comunidade britânica, em especial, junto aos jovens. Quem contou a experiência deste museu foi adiretora da instituição, Janet Vitmayer. No dia seguinte, foi a vez de Joanne Orr, diretora do Museums & Galleries Scotland, que participou da discussão sobre os indicadores de resultados, mediado por Claudinéli Moreira Ramos, coordenadora da Unidade de Monitoramento dos Contratos de Gestão da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo. A presença de ambas conferencistas no evento resultade uma parceria do SISEM-SP com o British Council.

Na plenária de encerramento, por sugestão dos participantes do Encontro, foi produzida uma moção em apoio às manifestações sociais do Brasil, que também salientava a reprovação do grupo com relação à destruição do patrimônio histórico e cultural.

Parceria – Durante o 5º EPM, representantes de sete Sistemas Estaduais de Museus do país – Ceará, Paraná, Rio de Janeiro, São Paulo, Sergipe, Santa Catarina e Distrito Federal – participaram de uma reunião em que um dos principais assuntos foi a retomada da Rede dos Sistemas Estaduais de Museus (Rede Simus), em busca de articulação e troca de informações e experiências entre os participantes.

Entre as primeiras ações do grupo, está a consolidação de um calendário de reuniões nos Encontros Estaduais de Museus, que será iniciado já no próximo semestre. Uma das ações do SISEM-SP que pode ser explorada por outros Estados é o modelo de representações regionais, que têm dado valorosos resultados, principalmente no interior do Estado.

Para o diretor do SISEM-SP, Davidson Kaseker, o sucesso do EPM é resultado de um processo de crescimento e amadurecimento próprio da construção da rede de museus e de suas articulações, entre elas os Representantes Regionais. “A criação desse modelo já foi um passo muito importante. O desafio agora é continuar expandindo a sua atuação, tendo em vista que em São Paulo são 190 municípios com instituições museológicas, o que dificulta a mobilização, principalmente pela distância. O Encontro é um momento importante para refletir sobre isso, para que em um passo seguinte possamos fortalecer ainda mais as macrorregiões”, enfatiza Kaseker.