Cadastro Básico: a porta de entrada do Cadastro Estadual de Museus (CEM-SP)

Um terço das instituições museológicas paulistas já aderiu à ferramenta de qualificação do SISEM-SP; saiba como se inscrever

Pensado para atender e qualificar instituições museológicas presentes em todo território paulista, independentemente de seu tamanho ou localização, o Cadastro Estadual de Museus (CEM-SP) é dividido em etapas, cada uma delas pensada para auxiliar na ampliação do nível estrutural dos museus.

Todo processo da ferramenta, criada pelo Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP), instância da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, em parceria com a ACAM Portinari, começa pelo chamado Cadastro Básico.

O Cadastro Básico foi definido por conter especificações consideradas essenciais a qualquer instituição museológica. Ele é composto por 19 parâmetros que questionam, por exemplo, se a instituição tem um quadro permanente de profissionais atuantes, se possui ato de criação legalmente reconhecido, procedimentos de segurança implantados, inventário de acervo atualizado, entre outros critérios. Confira AQUI (https://www.sisemsp.org.br/parametros-de-elegibilidade/) a relação completa.

Caso a instituição atenda a todos os parâmetros do Cadastro Básico, ela pode avançar para os níveis seguintes. “Cada instituição que aderir ao CEM-SP, independentemente de sua classificação, recebe um Relatório Técnico e um Relatório Situacional, com orientações para o aprimoramento institucional”, observa o diretor do Grupo Técnico de Coordenação do SISEM-SP, Davidson Kaseker.

Há ainda a possiblidade de a instituição não atender plenamente aos 19 parâmetros mínimos, mas comprovar que tenha “natureza museológica”. Dessa maneira, ela será cadastrada como “Instituição em Processo de Estruturação Museológica” e receberá as orientações para que se torne, de fato, um museu.

Como se cadastrar

Até o fim do ano passado, um terço dos museus paulistas já havia aderido ao CEM-SP. O preenchimento é feito todo on-line, pelo site https://cem.sisemsp.org.br. Cada uma das etapas e seus diferentes parâmetros foram pensados para ajudar o museu a fazer um diagnóstico completo de sua própria estrutura, identificar carências e desenvolver estratégias de qualificação. Profissionais do SISEM-SP e ACAM Portinari acompanham de perto cada um dos avanços.

Hoje, o CEM-SP orienta grande parte das ações do SISEM-SP, entre elas, o conteúdo do Encontro Paulista de Museus itinerante (EPMi), cuja primeira ação ocorre dias 27 e 28 de fevereiro, no SESC Ribeirão Preto, com debates e oficinas em torno dos eixos que embasam o Cadastro.

Fonte: SISEM-SP