Voluntários culturais podem ajudar museus em tempos de crise

2a rodada de conhecimento 0383Diretoria da Feambra, reunida no dia da divulgação da Pesquisa | Foto: Divulgação

Levantamento inédito da Feambra mostra que há um amplo espaço para o desenvolvimento das associações de amigos de museus

Ao longo dos últimos sete meses, nove voluntários selecionados pela Feambra, a Federação de Amigos de Museus do Brasil, contataram as 3.500 instituições que constam no Cadastro Nacional de Museus, do Ibram, órgão ligado ao Ministério da Cultura. Deste total, 1.697 se dispuseram a receber um questionário da Federação.

Dos que responderam, 14% declararam ter uma associação de amigos de museus. As respostas ficaram mais concentradas na região Sudeste, com 44%, e Sul, com 36%. Um dos principais dados desse levantamento, divulgado na sede da Feambra em São Paulo, é o número considerável de museus, 85%, que declararam interesse em montar uma associação de amigos com a ajuda da federação.

Associações de Amigos de Museus são organizações sem fins lucrativos, compostas por pessoas que têm por finalidade apoiar e colaborar com as atividades dos museus. As associações de de amigos de museus são por essência compostas por voluntários, os integrantes podem ser da comunidade onde está localizado o museu, curadores, parceiros, conservadores honorários, amantes da arte, ou patrocinadores.

“Em tempos de crise, toda ajuda é bem-vinda, mas é preciso ficar claro que a Federação incentiva os voluntários para colaborar com os museus e não trabalhar para os museus” afirma Camila Leoni, diretora-executiva da Feambra. “Por outro lado, é fundamental que os museus mostrem sua intenção em receber voluntários e, com isto, se aproximem da população”, acrescenta Camila.

Com esse levantamento será possível, pela primeira vez, acompanhar a evolução dessas associações, bem como a atuação do voluntariado no campo cultural brasileiro. Esse é outro ponto que merece destaque: o interesse crescente do público jovem em atuar nessa área, mostrando que eles também querem se envolver com essas questões. Atualmente esses voluntários são, em sua maioria, profissionais com carreiras sólidas, autônomos ou aposentados.

Fonte: Feambra