Vida ao mestre – Artista recupera murais de Justino

N4 - Toninho MendesToninho Mendes. Foto: Rogério Marques

Artista recupera murais de Justino – Toninho Mendes vai restaurar 50 obras do Mestre Justino, todas pintadas em prédios públicos e espalhadas pela cidade.

Pouco antes de falecer, em 1994, o Mestre Justino, de Taubaté, já definiu: Toninho Mendes era o escolhido para restaurar suas obras.

Debilitado, aos 62 anos, o renomado artista plástico presenteou o amigo com fotos de suas obras originais, já pensando em uma possível futura recuperação. A arte de Justino era feita sobre a parede, muitas vezes em áreas externas.

O sol e a chuva acabavam danificando o trabalho, e isso o entristecia. “Ele me disse: ‘quero que você cuide das minhas obras’. Quando era vivo, ia visitar algumas obras e ficava chateado porque algumas estavam um pouco deterioradas”, conta Toninho.

Mas sua vontade será atendida. Quase 20 anos depois, as mãos do amigo começam a recuperar os painéis do mestre, que contavam a história do Vale do Paraíba por meio de nanquim, giz de cera, óleo, látex ou pastel, em Taubaté.

“É com certa emoção que faço esse trabalho. Olho para alguns murais e lembro das palavras dele, tudo o que a gente conversava”, diz Toninho, hoje com 65 anos, que aprendeu a ser artista plástico com o mestre. Antes, já pintava, esculpia e recuperava obras — trabalhos que aprendeu com o pai artista.

Restauração. O processo de avaliação das obras já teve início. O trabalho será feito por Toninho a convite da Secretaria de Cultura de Taubaté. Neste primeiro momento, são registrados todos os detalhes que devem ser recuperados.

No total, serão recuperadas, com a mesma técnica usada originalmente, 50 obras do Mestre Justino pintadas em prédios públicos — ele era professor de artes da prefeitura. Elas têm grande dimensão, com aproximadamente 8 metros de largura.
Uma das obras que Justino mais gostava em Taubaté é feita no DEC (Departamento de Educação), a antiga Câmara, segundo Toninho.

“O mural retrata a história de Taubaté, desde os bandeirantes, café, ouro, desenvolvimento industrial, folclore. A obra está bastante danificada na parte mais alta, devido à infiltração de água”, diz.

O Mestre. Sebastião Justino Faria, mais conhecido como Mestre Justino, nasceu em Redenção da Serra, em 1932, onde conheceu Toninho Mendes, que se mudou de Taubaté para aos cinco anos de idade.

Tempos depois, os dois foram para Taubaté. Lá, Justino faleceu em 1994.

O Mestre costumava “abusar” das cores em suas obras, usando diferentes técnicas.
“Ele me ensinou bastante. Ele acreditava que a gente estava de passagem nessa vida e que ele ia conhecer grandes artistas, como (Leonardo) Da Vinci”, lembra Toninho.

Fonte: O Vale