Últimos dias para conferir a mostra Desenho Sujo, no Espaço das Artes da ECA/USP

Até 14 de junho, a exposição “Desenho sujo” poderá ser visitada no Espaço das Artes da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP, na Cidade Universitária, em São Paulo.

A mostra traz trabalhos de sete artistas, todos ex-alunos do Departamento de Artes Plásticas da ECA: Ana Prata, Rafael Carneiro, Bruno Palazzo, Christiana Moraes, Daniel Nasser, Flora Rebollo e Laila Terra.

Como explica o organizador da exposição, Wallace Masuko, ela surgiu a partir de sua reflexão sobre algumas obras de Nasser e Carneiro, com quem já havia trabalhado anteriormente. “Eu estava preparando duas publicações com os desenhos deles, então tive muito contato com esses materiais. É um trabalho materialmente sujo, e que também são obras em si, não são desenhos preparatórios para alguma coisa”, diz.

Esse conceito de “desenho sujo” foi a base para a escolha de todos os trabalhos. Masuko, também egresso do Departamento de Artes Plásticas da ECA e, hoje, doutorando no mesmo departamento, buscou outros artistas cuja obra dialoga com esse aspecto de diferentes maneiras. Assim, a ideia de sujeira pode ir desde a escolha e manuseio dos materiais utilizados até os temas abordados pelos artistas.

Outro fator importante é que a curadoria foi feita a partir de um esforço coletivo entre os artistas participantes. Com os trabalhos pré-selecionados, eles se reuniram antes da montagem para decidir em conjunto quais obras seriam escolhidas e como seriam expostas.

Como resultado, no lugar de uma organização cronológica ou separação por autor, os desenhos foram dispostos no Espaço das Artes de maneira que prioriza o diálogo entre eles. Além disso, algumas obras também ocupam o espaço externo da exposição, e há uma sala anexa onde o visitante pode folhear os cadernos de desenhos de alguns dos artistas.

“Não houve um projeto de montagem. Ela foi feita no decorrer de uma semana, as pessoas traziam as coisas e íamos pensando”, conta Masuko. “Era muito importante para mim que esses artistas conversassem, e não exatamente uma conversa oral, mas uma conversa visual.”

Masuko também é responsável pelas artes gráficas, como a que estampa o cartaz feito em colaboração com Marcos Kaiser. Exposta na entrada do prédio, a arte aproveita o vermelho característico da fachada, ressaltando a relação afetiva com o local que a mostra também representa.

Para o organizador, apesar de não abordar diretamente esse assunto, a exposição também está em diálogo com o momento político pelo qual passa o Brasil, em que parece haver uma tentativa de destruição da cultura institucional. “Mas não é uma resposta a isso, a exposição não é reativa. É mais sobre indicar que existem outras possibilidades”, explica. “O desenho sempre foi visto no Ocidente como uma questão projetiva. Você desenha para projetar as coisas. Então, o que eu acho que tem na exposição são muitas saídas, desde a materialidade do trabalho até o imaginário que eles proporcionam.”

SERVIÇO:

Desenho sujo

Até 14 de junho, de segunda a sexta-feira, das 10h às 20h.

Espaço das Artes da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP

Rua da Praça do Relógio, 160, Cidade Universitária, São Paulo/SP).

Entrada Gratuita

Fonte: Jornal da USP