Último mês da mostra “Migrações à mesa”, no Museu da Imigração

Setembro é o último mês para se conferir a exposição “Migrações à mesa”, no Museu da Imigração do Estado de São Paulo. Os cadernos de receitas registram uma porção da história afetiva de cada família. Foi a partir do entendimento do valor cultural desses objetos que o museu decidiu usar as receitas tradicionais de famílias migrantes como tema para sua nova exposição temporária. A mostra, em cartaz desde novembro do ano passado, foi desenvolvida juntamente com a colaboração do público.

Passados de geração para geração, os cadernos de receitas funcionam como uma valiosa fonte histórica, rica em conteúdos que dificilmente estariam disponíveis em documentos oficiais. Por meio deles, é possível acessar o passado das famílias, descobrindo seus hábitos alimentares, tradições, utensílios da época e muitas outras informações deixadas em anotações de rodapé.

Para coletar o material para a exposição, o projeto foi montado a partir de um processo colaborativo, onde o público foi incentivado a contribuir. Para isso, o MI lançou, entre os meses de janeiro e março de 2016, uma campanha estimulando as pessoas a enviarem informações e fotos de cadernos familiares que pertenceram a imigrantes ou migrantes. Oriundos de diferentes períodos, os cadernos foram estudados pela curadoria do MI, que avaliou as anotações, manchas e detalhes que somam fragmentos úteis para reconstruir a história das famílias.

Dentre os mais diversos cadernos de receitas recebidos, foram selecionados dez mais representativos para compor um dos módulos da nova temporária. As famílias participantes foram convidadas também para narrar a história do objeto e ajudaram a pensar questões relacionadas ao discurso retratado na exposição.

A intenção do trabalho, com isso, foi mapear, pesquisar e proporcionar a comunicação de acervos, receitas e práticas de grupos imigrantes e migrantes. Para os demais módulos que fazem parte da exposição, a instituição selecionou peças do próprio acervo que possuem vínculo com a proposta curatorial. A ideia é desenvolver um diálogo da coleção presente no museu com os objetos trazidos pelas famílias e, assim, proporcionar ao visitante a experiência de conhecer, por meio da culinária, a história de tantas pessoas que chegaram a São Paulo.

Fonte: Museu da Imigração