ÚLTIMA SEMANA DE ATIVIDADES DO SEMINÁRIO MUSEUS E RESISTÊNCIA

Começou a última semana do III Seminário Museus e Resistência, idealizado pelo curso de Museologia e pelo Museu de Arqueologia e Etnologia da UFSC (MArquE), realizado inteiramente on-line, em diferentes plataformas, durante o mês de outubro.

Pelo Instagram vídeos curtos abordam discussões importantes sobre museus, pandemia, mídias e saúde cultural. A Dose de Resistência do dia 26 trata o tema Museus e Mídias Sociais e conta com a participação de Leandrinha Du Art, graduanda em Teologia, midiativista, escritora, fotógrafa, colunista e militante pelas causas LGBT e PCD. O vídeo já está disponível no IGTV.

Na terça-feira (dia 27), o Museológicas Podcast (disponível em diversas plataformas de áudio) será com Leandrinha Du Art e Renata Cittadin (Memorial da Inclusão) e terá como tema “Acessibilidade: urgência em espaços culturais”.

No dia 29, às 18h, no Youtube Museologia UFSC, haverá a live com Clebio Ferreira (Comunidade Cultural Quilombaque) e Maurício da Silva de Lima (Museu dos Meninos), com mediação de Inah Irenam Oliveira da Silva (Museologia Kilombola).

Os alunos de Museologia da UFSC ou integrantes de movimentos sociais que se inscreveram previamente participarão da oficina “Memórias NOS/DOS museus: a quem e para que serve os museus?”, no dia 29, das 09h às 10h35. A aula será ministrada por Luiz Fernando Mizukami, mestre em Museologia pela USP, que atua, desde 2007, na Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, por meio do Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP).

No dia 03 de novembro, o Museológicas Podcast terá uma edição especial pós-evento com Mário Chagas (Museu da República) e Tatá Songhele (Liberte o Nosso Sagrado), com a temática Liberte Nosso Sagrado.

O objetivo do Seminário é trazer à tona novas experiências de museus e museologias que promovam o debate democrático e atuem como fontes de inspiração de atuais e futuros profissionais da área. Em decorrência da pandemia de Covid-19 e o fechamento físico de museus e universidades, junto ao surgimento de museus virtuais e novos debates no campo da Museologia, a organização do evento aponta que aparelhos culturais na virtualidade se mostraram importantes espaços de acolhimento, mostrando que a saúde cultural está diretamente ligada à saúde mental.

O Seminário é apoiado pelos parceiros Museologia Kilombola, Museológicas Podcast, IEB-USP, Sistema Estadual de Museus de São Paulo (SISEM-SP), Memorial da Inclusão, Museologia, Museu de Arqueologia e Etnologia, MArquE e UFSC.

Fonte: UFSC