Transfusão: Casa Guilherme de Almeida realiza encontro sobre tradução

O evento gratuito contará com a presença de grandes nomes da tradução, como Terézia Mora, Arvi Sepp, Philippe Humblé e Aurélie Maurin

O Centro de Estudos de Tradução Literária da Casa Guilherme de Almeida – que integra a Rede de Museus-Casas Literários, gerenciada pela Poiesis – realiza a 8ª edição do Transfusão, um dos eventos não-acadêmicos mais relevantes sobre tradução no país. O encontro acontece nos dias 13, 28, 29 e 30 de setembro e aborda a literatura do ponto de vista do deslocamento entre territórios, línguas e culturas, com destaque ao papel da tradução. Convidados brasileiros e europeus discutem o lugar da tradução em contextos de migração, bem como a literatura de exílio, a escrita literária numa segunda língua do autor, e a tradução como espaço de deslocamento. Para se inscrever nas atividades basta acessar o site do museu.

Por ocasião do lançamento brasileiro do romance Todo Dia, primeiro livro da escritora húngara Terézia Mora traduzido para o português, a autora discutirá, durante a mesa redonda Terézia Mora, escrita entre línguas, sobre sua prática literária numa segunda língua – o alemão –, e sobre a tradução e o trânsito entre idiomas. Membro da Academia das Artes de Berlim, a autora recebeu diversos prêmios literários, como o Georg Büchner Preis, em 2018. Traduz para alemão autores húngaros, entre os quais Péter Esterházy, István Örkény e Péter Zilahy, Lajos. Simone Homem de Mello, que é autora, tradutora literária e coordenadora do Centro de Estudos de Tradução Literária do museu, também participará da conversa, que será na quinta-feira (13), das 19h às 21h.

No sábado (29), das 14h às 17h30, será a vez da mesa redonda Tradução e exílio, com Arvi Sepp e Philippe Humblé, ambos professores da Vrije Universiteit Brussel (Bruxelas). Partindo da concepção de tradução literária como prática política e cultural, os palestrantes pretendem demonstrar como a tradução pode ser usada no exílio para dar voz às narrativas silenciadas e dissidentes. Além disso, será abordada a tradução que representa uma reação contra os discursos de propaganda impostos por regimes antidemocráticos e pelo cenário no país de origem de ambos. Por seu trabalho como pesquisador, Sepp recebeu diversas premiações, como o Fritz Halbers Fellowship Award (Leo Baeck Institute, Nova York, EUA) e o Tauber Institute Research Award (Brandeis University, Waltham, EUA). Suas publicações se concentram nas áreas de estudos da tradução, estudos autobiográficos, literatura judaico-alemã e teoria literária. Já Humblé se destaca por seu livro Dictionaries and Language Learners (Haag und Herchen, 2001) e seus artigos sobre a relação entre tradução e interculturalidade, e também tradução de literatura escrita por imigrantes.

Já no domingo (30), das 14h às 16h30, será a vez da palestra Toledo – Tradutores no intercâmbio de culturas, com a tradutora literária Aurélie Maurin. A proposta é uma iniciativa alemã – promovida pela Fundação Robert Bosch e pelo Deutscher Übersetzerfonds –, que, desde janeiro de 2018, incentiva tradutores literários a exercer ativamente o papel de mediação entre culturas e espaços linguísticos diversos. Maurin dirige o programa Toledo e trabalha como curadora e diretora de coleções editoriais. Sua tradução mais recente é L’homme qui croyait encore aux cigognes (2018), de Thomas Rosenlöcher, publicada pela editora Nouvel Attila, em Paris.

A 8ª edição do Transfusão é o resultado da parceria do Centro de Estudos de Tradução Literária da Casa Guilherme de Almeida com a Pós-Graduação em Estudos da Tradução (POET) da Universidade Federal do Ceará (UFC), Toledo e Vrije Universiteit Brussel.

O encontro tem apoio de: Brussels Institute for Applied Linguistics / Vrije Universiteit Brussel, CLIV – Centrum voor Literatuur in Vertaling (Centro para Literatura em Tradução), Universiteit Gent e Vrije Universiteit Brussel, Deutscher Übersetzerfonds (Fundo Alemão de Tradutores), Goethe Institut São Paulo, Robert Bosch Stiftung (Fundação Robert Bosch).

Confira a programação completa da 8ª edição do Transfusão, que acontece na Casa Guilherme de Almeida:

Sexta-feira, 13/9
19 às 21h: Terézia Mora, escrita entre línguas (mesa redonda)

Sexta-feira, 28/9
19h às 19h30: Abertura de Transfusão
19h30 às 20h30: Stefan Zweig retraduzido (palestra)

Sábado, 29/9
10h às 11h: Tradução e deslocamento (palestra)
11h às 12h: Autora japonesa, texto alemão, tradutora inglesa: sobre fluidez e visibilidade numa experiência tradutória (palestra)
14h às 17h30: Tradução e exílio (mesa redonda)
17h30 às 18h30: Canto dos Exilados (exibição)

Domingo, 30/9
10h às 12h: Curt Meyer-Clason, o tradutor migrante, e a “matéria vertente” de João Guimarães Rosa (palestra)
14h às 16h30: Toledo – Tradutores no intercâmbio de culturas (palestra)
16h30 às 17h30: Guilherme de Almeida Tradutor (visita ao museu)

SOBRE A CASA GUILHERME DE ALMEIDA
Inaugurado em 1979, o museu Casa Guilherme de Almeida funciona na residência onde viveu o poeta e tradutor paulista Guilherme de Almeida (1890-1969), um dos mentores do movimento modernista brasileiro. Seu acervo é constituído por uma significativa coleção de obras, gravuras, desenhos, esculturas, pinturas, em grande parte de artistas do modernismo brasileiro, como Anita Malfatti, Tarsila do Amaral, Di Cavalcanti, Lasar Segall e Victor Brecheret. A Casa – primeira instituição não acadêmica a manter um Centro de Estudos de Tradução Literária no país – oferece uma intensa programação de atividades relacionadas às diversas áreas de atuação de Guilherme de Almeida, que incluem o cinema, o jornalismo e o teatro. A Casa Guilherme de Almeida integra a Rede de Museus-Casas Literários da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, gerenciada pela Poiesis.

SOBRE A POIESIS
A Poiesis – Organização Social de Cultura é uma organização social que desenvolve e gere programas e projetos, pesquisas e espaços culturais, museológicos e educacionais voltados para a formação complementar de estudantes e do público em geral. A instituição trabalha com o propósito de propiciar espaços de acesso democrático ao conhecimento, de estímulo à criação artística e intelectual e de difusão da língua e da literatura.

Casa Guilherme de Almeida
Anexo: Rua Cardoso de Almeida, 1943
Museu: Rua Macapá, 187 – Perdizes – São Paulo
Telefone: (11) 3673-1883 | 3672-1391
Funcionamento: de terça-feira a domingo, das 10h às 18h
www.casaguilhermedealmeida.org.br

Fonte: Casa Guilherme de Almeida