Tomie Ohtake, artista plástica, morre aos 101 anos em São Paulo

Ela havia tido parada cardíaca nesta quarta e estava internada na UTI.
Nascida no Japão, Tomie foi figura importante das artes no Brasil.

A artista plástica Tomie Ohtake morreu nesta quinta-feira (12), em São Paulo, aos 101 anos. Ela estava internada desde 2 de fevereiro no Hospital Sírio-Libanês, na região central da cidade, para tratamento de uma leve pneumonia. Tomie reagia bem ao tratamento e estava prestes a ter alta médica, mas na manhã de terça-feira (10) engasgou com o café da manhã e teve uma broncoaspiração seguida de parada cardíaca e foi internada na UTI do hospital.

A assessoria de imprensa do Instituto Tomie Ohtake não soube informar ao G1 a causa da morte. O velório vai ocorrer nesta sexta-feira (13) das 8h às 14h no Instituto Tomie Ohtake, na Zona Oeste de São Paulo. O corpo será cremado com cerimônia fechada para a família.

Japonesa que se tornou brasileira com o tempo, ela foi uma das figuras mais importantes das artes plásticas no Brasil. Começou a pintar tarde, aos 39 anos, e ficou conhecida do grande público com as grandes esculturas que mudaram a paisagem urbana de São Paulo. Fez mais de 50 exposições individuais e participou de mais de 80 coletivas. Teve uma carreira produtiva, reconhecida e longa.

“O trabalho faz bem sempre”, afirmou em entrevista ao Bom dia Brasil, da TV Globo, sobre as obras que planejava perto do seu aniversário de 100 anos, em 2013.

A paisagem de São Paulo ganhou a cara de Tomie Ohtake. São criações dela as curvas coloridas das grandes esculturas que dividem os dois lados da via expressa da Avenida 23 de Maio (homenagem aos 80 anos da imigração japonesa no Brasil); os quatro painéis de 2 metros de altura por 15 de comprimento que representam as estações do ano no metrô Consolação; as ondas vermelhas de gesso da obra presa ao teto do Auditório do Ibirapuera; o arco vermelho de 3 toneladas e 12,5 metros de altura no Brooklin; e o painel de 23 metros de altura na lateral do prédio que leva seu no Itaim Bibi.

tomie-1Artista Tomie Ohtake durante uma cerimônia no Auditório do Ibirapuera da Ordem do Mérito Cultural (OMC) em 2013 (Foto: Vanessa Carvalho/Brazil Photo Press)

Tomie Ohtake nasceu em 1913, em Kioto, no Japão. Veio para o Brasil em 1936, aos 23 anos, para visitar um irmão que já morava aqui, e acabou ficando. A japonesa se impressionou “com a intensidade da luz amarela, do calor e da umidade ao desembarcar no Porto de Santos”, conta a biografia do site do Instituto Tomie Ohtake. “Com a iminência da Segunda Guerra, permanece em São Paulo, onde se casa e tem dois filhos, Ruy e Ricardo Ohtake. Estabeleceu residência no bairro da Mooca”, informa o texto.

Ela já veio do Japão com interesse pelo desenho, desenvolvido ainda na escola, onde o ensino de artes é muito valorizado. Mas antes de ser artista, formou família e criou os dois filhos. Só aos 39 anos começou a fazer suas primeiras pinturas. Foi incentivada pelo pintor japonês Keisuke Sugano, que deu aulas de passagem pelo Brasil. “Quando comecei a pintar aqui no Brasil, já era muito evidente o meu espírito brasileiro, ou ocidental, portanto já distante da origem oriental, mas devo ter tido sempre, até hoje, influência da terra em que nasci e cresci”, lembrou Ohtake à revista “ArtNexus”, em 2005.

tomie 1Retrato da artista plástica japonesa naturalizada brasileira, Tomie Ohtake, que em 1960 recebeu o Prêmio Probel de pintura (Foto: Arquivo/Estadão Conteúdo)

Continue lendo