Terra Nua: individual de Angella Conte na Oficina Cultural Oswald de Andrade

Resgate da ancestralidade e registro do cotidiano compõem a temática dos trabalhos realizados pela artista Angella Conte, que apresenta cerca de 20 obras inéditas, entre pintura, fotografia, instalações, colagem, vídeos e objetos. Intitulada Terra Nua, a mostra fica até 29 de julho na Oficina Cultural Oswald de Andrade, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo gerenciada pela Poiesis.

Instalada em duas galerias, a exposição faz um recorte na produção da artista, desde os anos 1990 até os dias de hoje. “O eixo principal da exposição é o recorte dos meus anos de trabalho, mas muitas obras tem como tema a imigração. Em 2015, fui pra Europa, vi a crise dos refugiados e quis trabalhar com isso, pois além de me marcar muito, há relação com minha história e identidade”, relata a artista, vencedora do prêmio aquisição do 12º Salão Paulista (2007).

Entre os destaques da mostra está Precisou ser outros (2016), uma caixa de ferramentas presa em uma gaiola que faz referência ao avô italiano que veio ao Brasil para trabalhar em uma fábrica de móveis, mas, por ter perdido sua bagagem com ferramentas de trabalho e documentos, foi levado com a família para as fazendas de café juntamente com outros imigrantes.

Terra Nua (2016), obra título da exposição, fala sobre sua avó portuguesa que, aos 16 anos, escondeu-se no porão de um navio rumo ao Brasil. Clandestina, sua bagagem se resumia a um realejo – instrumento musical.

Para o curador Agnaldo Farias, a artista busca dar significado ao cotidiano e mostrar o extraordinário em atos rotineiros. “Um modo de combater essa exaustão [do cotidiano] é colando-nos às práticas dos outros ou reinventando os espaços e objetos, seja vendo-os sobre outro ângulo, seja os sobrepondo em novas releituras e colagens. Daí as paisagens reconstruídas, as varandas iguais [da obra Coleção Varandas] que, vistas com vagar, revelam-se diferentes.”

SOBRE ANGELLA CONTE
Artista do interior de São Paulo, já apresentou seus trabalhos em importantes instituições no Brasil e no exterior, como Museu de Arte Moderna (Bahia e Rio de Janeiro), Museu de Arte Contemporânea da USP, Museu de Arte Contemporânea de Curitiba e instituições em Cuba, Alemanha, México, Espanha e Rússia. Vencedora do prêmio aquisição do 12º Salão Paulista em 2007, foi indicada ao prêmio Marcantonio Vilaça 2011 e fez residência artística em Borba, Coimbra e Lisboa, em Portugal; e na Irlanda, no Letrim Sculpture Centre.

SOBRE A OFICINA CULTURAL OSWALD DE ANDRADE
Primeira a ser criada pela Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, em 1986, trabalha com a formação de jovens profissionais em diversas áreas, como artes plásticas, dança, fotografia, moda, performance, processos gráficos e teatro.

SOBRE A POIESIS
A POIESIS – Organização Social de Cultura é uma organização social que desenvolve e gere programas e projetos, pesquisas e espaços culturais, museológicos e educacionais voltados para a formação complementar de estudantes e do público em geral. A instituição trabalha com o propósito de propiciar espaços de acesso democrático ao conhecimento, de estímulo à criação artística e intelectual e de difusão da língua e da literatura.

SERVIÇO
Exposição Terra Nua, de Angella Conte
Visitação: até 29 de julho. Segunda a sexta, das 10h às 21h; e sábado das 10h às 18h
Recomendação etária: livre

Oficina Cultural Oswald de Andrade
Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro – São Paulo
Telefone: (11) 3221-4704
Funcionamento: Segunda a sexta, das 9h às 22h; e aos sábados, das 10h às 18h
oswalddeandrade@oficinasculturais.org.br
www.oficinasculturais.org.br

Fonte: POIESIS