Secretaria da Cultura anuncia nova sede do Paço das Artes

Anúncio será feito em visita técnica ao novo espaço. Participam da visita o secretário da Cultura do estado Romildo Campello e a diretora artística da Instituição Priscila Arantes

O Paço das Artes, importante instituição de fomento, difusão e produção de arte contemporânea brasileira, com quase cinco décadas de existência, recebe, do governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria da Cultura, um espaço para sua nova sede no bairro de Higienópolis, região central da cidade de São Paulo, depois de ter funcionado por pouco mais de dois anos no MIS. O Museu da Imagem e do Som é gerido pela mesma Organização Social (Associação do Paço das Artes Francisco Matarazzo Sobrinho).

Para oficializar a transição, no dia 20 de setembro, às 11h, será feita visita à nova sede, Casarão Nhonhô Magalhães. No encontro, que reunirá o secretário de Estado da Cultura Romildo Campello e a Diretora Artística e Curadora Chefe do Paço das Artes Priscila Arantes, serão anunciados os próximos passos e o projeto do Museu para sua sede definitiva.

A nova localização é estrategicamente importante para a instituição do ponto de vista da visibilidade e da manutenção das ações realizadas há décadas, especialmente com a Temporada de Projetos, programa de fomento que, desde 1996 tem o objetivo de produzir, fomentar e difundir a prática artística jovem.

“Reivindicação antiga, a sede definitiva para o Paço das Artes vem para fazer dele um dos mais importantes centros de arte contemporânea do Brasil. Com sede própria, o Paço das Artes ganha autonomia para ampliar, ainda mais, a qualidade e o alcance do seu trabalho”, afirma o secretário da Cultura, Romildo Campello.

“A ideia é que o Paço das Artes se torne um pólo de arte contemporânea no país”, diz Priscila Arantes. E completa: “Colocando em prática ações coordenadas em quatro frentes: 1 – exposições de artistas renomados nacionais e internacionais; 2 – fortalecimento das ações de fomento como a manutenção da Temporada de Projetos e a criação do Programa de Residência Artística Internacional; 3 – implementação de uma cultura de formação com o oferecimento de cursos de arte contemporânea, história da arte, curadoria, entre outros e; 4 – organização e difusão do acervo imaterial da instituição) esperamos que o Paço se consolide como um centro de referência e pesquisa da jovem arte contemporânea nacional e internacional.”.

Com estas quatro ações concatenadas, o Paço das Artes pretende trabalhar com um conceito expandido de museu no sentido de documentar seu acervo imaterial, registrando e disponibilizando para seu público, todos os projetos de arte contemporânea apresentados pela instituição. Além disso, intenta contemplar a demanda do público da nova região no qual estará inserido, planejando ações específicas para o mesmo.

Como exposição de inauguração da nova sede, a curadora-chefe convidou Regina Silveira para apresentar uma mostra individual. Silveira é uma artista fundamental para a arte contemporânea: além da projeção internacional de suas obras, ela tem uma sólida e respeitada carreira acadêmica. Mais detalhes da mostra de abertura serão divulgados em breve.

Sobre o Paço das Artes

O Paço das Artes, criado em 25 de março de 1970 pelo decreto nº 52.423, já funcionava desde novembro de 1969 no Salão da Secretaria de Cultura, Esporte e Turismo do Estado de São Paulo, na Avenida Paulista. Desde sua inauguração, o Paço das Artes mudou de endereço diversas vezes: na Avenida Paulista, funcionou entre os anos de 1970 e 1973, e mudou-se em março de 1973 para o prédio da Pinacoteca, onde ficou por dois anos sem funcionamento esperando a finalização de sua sede na Avenida Europa. Compartilhando o edifício com o Museu da Imagem e do Som (MIS), foi na Avenida Europa que o Paço das Artes esteve entre 1975 e 1994. Entre março de 1994 e março de 2016, a instituição ocupou um prédio de arquitetura modernista na Cidade Universitária, projetado na década de 1970 pelo arquiteto Jorge Wilheim. Atualmente funciona no MIS.

A vocação experimental do Paço das Artes é constatada principalmente através da Temporada de Projetos, que foi criada com o objetivo de abrir espaço à produção, fomento e difusão da prática artística jovem. Concebida em 1996, a Temporada de Projetos teve sua primeira exposição realizada em 1997 e se tornou, ao longo dos anos, um rico celeiro para a cena da jovem arte contemporânea brasileira. Em 2014, a Temporada de Projetos ganhou destaque com o lançamento da plataforma digital MaPA: http://mapa.pacodasartes.org.br e a realização de exposição homônima com curadoria e concepção de Priscila Arantes, na qual foi destrinchada em uma linha do tempo que oferece ao público, de maneira clara, o nome de todos os artistas, curadores, críticos e membros do júri que passaram pela Temporada de Projetos.

Nos últimos anos, paralelamente a Temporada de Projetos, a instituição apresentou mostras de artistas importantes do cenário nacional e internacional que, pela falta de uma sede própria, foram organizadas em parceria com outras instituições de cultura, como o MAC USP com “Paradoxo(s) da Arte Contemporânea: diálogos entre os acervos do MAC USP e do Paço das Artes” e a Oficina Cultural Oswald de Andrade que recebeu as exposições “ISSOÉOSSODISSO” de Lenora de Barros e “O ciclo da intensidade” do artista argentino Charly Nijensohn. Outros grandes nomes da arte contemporânea já passaram pela programação do Paço das Artes, tais como Marina Abramovic, Harun Farocki, Tomie Ohtake, Cildo Meireles, Claudia Andujar, Christian Boltanski, Masaki Fujihata, Jimmie Durham, Nino Cais e Jonathas de Andrade. Além de artistas, curadores renomados nacional e internacionalmente como Paulo Herkenhoff, Tadeu Chiarelli, Moacir dos Anjos, Diógenes de Moura, Berta Sichel e Denise Mattar já apresentaram suas curadorias na instituição.

O acolhimento e o incentivo às produções ainda não legitimadas pelo circuito oficial de artes acompanharam uma preocupação institucional de promoção de acessibilidade sócio-cultural a públicos igualmente marginalizados. Nesse sentido a instituição concebeu, em 2013, o projeto Paço Comunidade, com o intuito de estreitar os laços entre a instituição e a comunidade de seu entorno. A partir disso, iniciou-se a realização de um trabalho de investigação e mapeamento, no sentido de aproximar o Jardim São Remo do Paço das Artes, quando ainda estava na Cidade Universitária. Após a bem sucedida aproximação com a Comunidade São Remo, e com a saída da instituição da USP, outros projetos do Paço Comunidade foram executados, expandindo os limites geográficos. Em 2016, por exemplo, o Paço Comunidade recebeu e atendeu uma demanda dos moradores da Ocupação do Movimento Sem-Teto do Centro (MSTC) no antigo Hotel Cambridge: potencializar uma Oficina de Costura já existente na organização.

Paço das Artes no MIS

Av. Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo/ SP; tel.: (11) 2117-4777
Agendamentos de visitas orientadas: educativo@pacodasartes.org.br
Fale conosco: pacodasartes@pacodasartes.org.br
www.pacodasartes.org.br
http://mapa.pacodasartes.org.br

Fonte: Paço das Artes