SÃO PAULO: MUSEU DA IMAGEM E DO SOM RECEBE MOSTRA GRATUITA DO DIRETOR MARCO BELLOCCHIO

Retrospectiva traz ao museu uma programação especial homenageando o renomado diretor, roteirista, produtor de cinema e professor

Entre os dias 28 e 30 de novembro, o Museu da Imagem e do Som (MIS) exibe uma mostra em homenagem ao diretor Marco Bellocchio. A retrospectiva, que faz parte da programação da 14ª edição do Festival de Cinema Italiano, relembra a trajetória do diretor. O Festival de Cinema Italiano no Brasil é organizado pela Câmera ĺtalo-Brasileira de Comércio, Indústria e Agricultura (ITALCAM) que promove o cinema italiano contemporâneo.

Marco Bellocchio é um renomado diretor, roteirista, produtor de cinema e professor. Em 1967, foi premiado com o Leão de Prata no Festival Internacional de Cinema de Veneza por dirigir o filme “A China está próxima”. Em 1991, ganhou o Urso de Prata, o grande prêmio do júri no Festival Internacional de Cinema de Berlim, pelo filme “A sentença”. Em 1999, foi agraciado com um prêmio honorário por sua contribuição ao cinema no Festival Internacional de Cinema de Moscou e, em 2011, foi premiado com o Leão de Ouro pela carreira no Festival Internacional de Cinema de Veneza. Seu longa mais recente, “O traidor”, foi indicado para representar a Itália no Oscar 2020 na categoria de melhor filme estrangeiro.

Confira abaixo a programação do MIS.

28.11 – Quinta-feira

20h | Punhos cerrados/I Pugni in Tasca (dir. Marco Bellocchio, Itália, 1965, 97 min, digital, 14 anos)
Religião, família, pátria e propriedade são temas discutidos no filme. Uma violenta crítica à família e à burguesia. Uma mãe de quatro filhos não consegue educá-los, nem administrar a casa. Um dos filhos é epilético, agindo de forma sádica e destrutiva. A filha aparentemente normal age de maneira infantil e possui um sentimento mórbido em relação ao irmão Alessandro. Um retrato do desespero de uma geração frustrada. Marco Bellocchio, que com este filme de estreia, influenciou o cinema novo mundial é um dos raros diretores italianos em atividade a se dedicar a entrechos sócio-políticos.

29.11 – Sexta-feira

18h | Sangue do meu sangue/Sangue del Mio Sangue (dir. Marco Bellocchio, Itália/França/Suíça, 2016, 107 min, digital, 14 anos)

No século 17, Federico Mai, um jovem padre, é chamado até um convento na cidade de Bobbio. Seu irmão cometeu suicídio e não pode ser enterrado em terreno sagrado, a não ser que sua amante, a freira Benedetta, confesse seus pecados, e salve assim a alma do morto. Nos dias atuais, um homem deseja comprar o monastério onde Benedetta foi torturada. No entanto, ele encontra habitando o local um velho conde e uma mulher cujo marido desapareceu.

20h | Vencer/Vincere (dir. Marco Bellocchio, França/Itália, 2009, 120 min, digital, 14 anos)

Há um segredo na vida de Benito Mussolini: uma mulher, Ida Dalser, e um filho, Benito Albino, que nasceu, foi reconhecido e em seguida renegado. É uma página negra da história da Itália, ignorada na biografia oficial do Duce. Quando Ida conhece Mussolini em Milão, ele é um fervoroso socialista que pretende orientar as massas contra a Igreja e a monarquia. Ela acredita nele e em seus ideais, e vende tudo que tem para financiar II Popolo d´Itália, um jornal que Mussolini funda para ser o núcleo do futuro Partido Fascista. Quando a I Guerra Mundial começa, ele se alista e desaparece. Ao reencontrá-lo, Ida descobre que ele está casado com outra mulher e exige seus direitos como verdadeira esposa e mãe de seu filho primogênito. Levada à força para um asilo de loucas, Ida decide que mesmo trancada e impedida de ver seu filho, não vai desistir de lutar por seus direitos.

30.11 – Sábado

18h | Bom dia, noite/Buongiorno, Notte (dir. Marco Bellocchio, Itália, 2003, 105 min, dir. Marco Bellocchio, digital, 14 anos)

Em 1978, o líder da Democracia Cristã, Aldo Moro, foi sequestrado e morto pelo grupo extremista Brigada Vermelha, em um dos casos mais chocantes da história política italiana. Neste filme, o episódio é revisto pelos olhos de Chiara, uma personagem fictícia, integrante do grupo de sequestradores. Aparentemente, Chiara leva uma vida monótona no trabalho, com seus amigos e namorado. Mas, secretamente, ela se engaja no grupo radical de esquerda. Sua relação com os companheiros se torna conflituosa na medida em que seu fascínio pela vida utópica é confrontado com a força destrutiva daqueles que a cercam.

20h10 | A bela que dorme/Bella Addormentata, França/Itália, 2013, 110 min, dir. Marco Bellocchio, digital, 14 anos)

Eluana Englaro está em coma vegetativo há 17 anos. Entre diversas polêmicas religiosas e morais, seu caso é levado ao parlamento italiano, que pode decidir desligar os aparelhos que a mantêm viva. O caso de Eluana reflete na vida de diversos personagens, com crenças e ideologias muito diferentes. Um senador de esquerda, que sempre acreditou na morte digna para enfermos, sofre pressões do partido conservador pelo qual foi eleito. Sua filha, Maria, é uma militante católica que decide protestar em frente à clínica onde ocorre a hospitalização de Eluana. No local, ela conhece Roberto, cujo irmão é um feroz defensor da eutanásia. Uma mulher, presa a aparelhos, pede em segredo ao marido que acabe com seu sofrimento, mas o pedido chega aos ouvidos da filha. Ao mesmo tempo, uma mãe bastante religiosa cuida da filha em coma, enquanto negligencia o resto da família. Por fim, uma mulher dependente de drogas deseja a todo preço cometer suicídio, mas não consegue escapar à vigilância de um médico idealista, que pretende lhe dar uma nova razão para viver.

SERVIÇO

Mostra Marco Bellocchio

De 28 a 30 de novembro de 201

Auditório MIS (172 lugares)

Gratuito – ingresso distribuído 1 hora antes de cada sessão, na recepção MIS

Museu da Imagem e do Som – MIS

Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo| (11) 2117 4777 | www.mis-sp.org.br.

Fonte: Sec. de Cultura de SP