Rede de Museus-Casas Literários homenageia a cultura nipo-brasileira com programação especial

Casa das Rosas e Casa Guilherme de Almeida trazem atividades com poesia e teatro japoneses

Com cerca de 1,6 milhões de nikkeis – descendentes de japoneses não nascidos no Japão –, o Brasil abriga a maior população de origem japônica fora do arquipélago asiático. Desde a chegada dos primeiros imigrantes japoneses em 1908, a cultura nipônica tem exercido grande influência na brasileira, e é possível observar este efeito nas mais diversas linguagens artísticas. Não é à toa que a programação do final de ano da Rede de Museus-Casas Literários da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, gerenciada pela Poiesis, vai homenagear esta mistura tão rica de culturas.

A partir de um corte sincrônico feito na história da literatura brasileira e mundial, a série de saraus Diálogos sincrônicos da Casa das Rosas busca evidenciar o diálogo entre gerações, trazendo leituras de movimentos e grupos já inseridos na tradição literária e abrindo o microfone para a multiplicidade poética da atualidade. Nesta edição, que acontece no dia 30 de novembro, das 19h às 21h, Michela Brigida traz o Grêmio Haicai Ipê. Criado em 1987, o Grêmio dedica-se ao estudo, à produção e à divulgação dessa forma poética que, oriunda do modelo clássico japonês haiku, foi incorporada por poetas contemporâneos como Afrânio Peixoto, Guilherme de Almeida e Paulo Leminski, entre outros.

De 4 a 6 de dezembro (quarta a sexta-feira), das 19h às 21h, Rodrigo Bravo traz Haicai, jogo e contendapara a Casa Guilherme de Almeida. Nesta oficina, inicialmente serão confrontadas diversas traduções existentes para os mesmos haicais japoneses, buscando-se demonstrar as diferentes soluções tradutórias – por vezes, contrastantes. Em seguida, será revivida a origem do haicai como jogo coletivo, propondo aos participantes que se chegue à prática individual de composição do poema.

Em 14 de dezembro, a Casa Guilherme de Almeidarecebe o Teatro Nô japonês com o Grupo Yoroboshi Za, a partir das 18h. No encerramento do ciclo Canto Paralelo das Línguas, que discute o trabalho tradutório de Haroldo de Campos, apresenta-se a peça Hagoromo, de Motokiyo Zeami, traduzida por Haroldo como O Manto de Plumas. Este clássico do repertório Nô torna concreto o encontro do sagrado com o mundano. Com direção geral e coro de Jun Ogasawara, flauta de Hirono Makoto, tambor de ombro por Angélica Figuera e tambor de quadril por Renata Asato. Ângela Nagai interpreta o anjo da lua e Kenjiro Ikoma, o pescador.

SERVIÇO

Casa das Rosas | Av. Paulista, 37

Diálogos sincrônicos – Grêmio Haicai Ipê

30/11 – Sábado – das 19h às 21h

Casa Guilherme de Almeida | Museu: R. Macapá, 187; Anexo: R. Cardoso de Almeida, 1943

Haicai, jogo e contenda

De 4 a 6/12 – Quarta a sexta-feira – das 19h às 21h

Hagoromo – O manto de plumas, de Motokiyo Zeami

14/12 – Sábado – às 18h

 Fonte: Sec. de Cultura de SP