PROGRAMA PONTOS MIS ABRE SELEÇÃO PARA DESENVOLVIMENTO DE FILMES NO INTERIOR E LITORAL PAULISTA

As inscrições gratuitas podem ser feitas até 30 de maio

O Museu da Imagem e do Som traz mais uma novidade que visa o fomento da produção audiovisual paulista: o projeto Orientação de Desenvolvimento de Curtas Pontos MIS. Realizado pelo Pontos MIS, programa de formação e difusão de cinema do Museu com atuação em todo Estado de São Paulo, o novo projeto fará a seleção e acompanhamento de propostas de curtas-metragens, em diferentes etapas de sua realização.

O objetivo é colaborar com roteiristas, diretores e produtores residentes de municípios do interior e litoral do Estado, para aprimorarem seus projetos, dialogando sobre as dúvidas e dificuldades que possam existir em cada fase. Uma equipe de profissionais do Programa Pontos MIS irá orientar e fazer sugestões de desenvolvimento dos projetos aos participantes, de forma gratuita e pela internet.

As inscrições podem ser feitas até 30 de maio, gratuitamente, neste link. O resultado será divulgado no dia 9 de junho, e o período de orientação dos projetos será de 10.06 a 10.07. O programa é mais uma ação do #MISemCasa, campanha virtual do Museu da Imagem e do Som que traz conteúdo diário em suas redes e plataformas.

Equipe de orientadores

Bruno Carneiro – Desde o ano 2000 trabalha em formatos variados de audiovisual, exercendo principalmente as funções de Diretor e Roteirista. Dirigiu 23 documentários para TV, internet e outras mídias, tendo sido também roteirista em 14 deles e editor em 8. Foi Assistente de Direção em 12 documentários, trabalhando com diretores como Cao Hamburger. Foi Roteirista e Diretor de 5 curtas-metragens de ficção que participaram de festivais internacionais – EUA, Japão, Alemanha, Coréia do Sul, Portugal etc. – e ganharam prêmios no Brasil, entre eles “Melhor Roteiro” no Festival de Brasília e “Prêmio Revelação” no Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo. Participou das equipes de Assistência de Direção em 5 longas-metragens, entre eles “Bicho de Sete Cabeças”, de Laís Bodanzky. 

Chico Santos – Diretor e roteirista audiovisual, educador e co-fundador do Coletivo Bodoque. É pós-graduando em Psicologia Social, com capacitação em Teatro do Oprimido para Processos Grupais. É co-diretor e co-roteirista do curta metragem Estamos Todos Aqui, vencedor de 48 prêmios em festivais de cinema pelo mundo, dos quais Festival de Gramado, Cine Valdivia, Mostra de Tiradentes, Queer Lisboa, Mix Brasil, Festival de La Plata, e vencedor do grande prêmio Curta Cinema, que garantiu ao filme elegibilidade ao Oscar 2019. Além de dirigir e roteirizar, de modo coletivo, 10 curtas documentais para a grade do Canal Futura, além de umas dezenas de campanhas para internet voltadas aos direitos humanos promovidas por organizações da sociedade civil e movimentos sociais. 

Daniela Gonçalves – Mestre em Cinema Antropológico e Documentário pela Université Paris-Ouest Nanterre la Défense e graduada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade de Brasília. Dirigiu e montou os documentários Corpos Itinerantes (2014), EntreVilas (2018) e Histórias de Papelão (2019). Como montadora, trabalhou no documentário Na Voz, a Vez, cujo lançamento aconteceu em 2019 no 11º Festival Internacional de Cine Invisible “Film Sozialak” Bilbao; e na série documental Cena Inquieta, dirigida por Toni Venturi, que será veiculada no canal SescTV em 2020. Trabalhou como assistente de montagem em séries de documentários para National Geographic, SescTV e TV Brasil, e como assistente de direção na série documental Mémoires de Pierre (2015) para France 5. Entre 2013 e 2015, trabalhou no Centre National du Cinéma et de l’image Animée; e na produção e programação do FIDÉ – Festival International du Documentaire Émergent. 

Daniela Smith – Bacharel em Letras (Francês/Português) pela USP e mestrado em Comunicação e Semiótica pela PUC. Concepção, direção, fotografia e câmera do média-documentário “À Margem do Rio”, premiado como melhor filme pelo júri popular no III Festival Guaçuano de Cinema. Escreveu o roteiro do filme “Senhora Tentação”, premiado pelo edital de “Co-patrocínio à Produção de filmes de Curta-metragem” da Prefeitura de São Paulo. Dirigiu o seu roteiro, “A mulher que não sabia de si”, selecionado pelo edital de Produção de Curta-metragem do MINC. Realizou a pesquisa do roteiro e foi assistente da diretora no filme longa-metragem “Chega de Saudade”, dirigido por Laís Bodanzky. Foi Avaliadora de Textos Teatrais do Núcleo de Dramaturgia do Sesi, projeto conjunto com o British Council. No teatro, tem 3 textos encenados, dois deles na Espanha e um no Brasil. Este último foi premiado pela “Lei de Fomento”. Dirigiu o espetáculo multimídia “A Rosa do Povo”. Assistente de direção de Laís Bodanzky na montagem do espetáculo “Essa Nossa Juventude” e de Antônio Abujamra no espetáculo “A Serpente”. Possui trabalhos como atriz no teatro e no cinema. Coordenou diversas oficinas de roteiro e direção de Cinema, assim como oficinas em Teatro, em projetos, tanto da Secretaria Municipal de Cultura, como da Secretaria Estadual de Cultura de São Paulo. Escreveu roteiros de vídeos institucionais para grandes marcas e empresas. Entre outros trabalhos. 

Giuliana Monteiro – Mestre em artes cinematográficas pela Universidade de Nova Iorque, Tisch School of the Arts, e graduada em Comunicação e Multimeios pela PUC-SP. Monteiro, iniciou sua carreira no meio audiovisual como produtora de documentários e longa metragens. Trabalhou para produtoras como Canal Azul, Rede Globo, O2 filmes, Mixer entre outras. Participou da produção de longas-metragens e documentários para canais como Discovery Channel, NatGeo e Globo, dirigiu e escreveu mais de dez curtas-metragens entre eles, os curtas; “Raízes” (experimental), “Margarete 6422”(documentário), “Stay” (ficção), “Felicidade” (ficção) e “Eu Não Digo Adeus, Digo Até Logo” (ficção) que tiveram grande repercussão em mais de 50 festivais Nacionais e Internacionais. Atualmente prepara para filmar seu primeiro longa-metragem de ficção, Estrada para Livramento. O roteiro ganhou o prêmio Spike Lee Fund para desenvolvimento e participou de importantes laboratórios e mercados como Berlinale Talents (Alemanha), fórum de Co-Produção do festival Internacional de San Sebastían (Espanha), laboratório de projetos do festival Internacional de Toronto (Canadá) e laboratório de roteiros de Torino TFL (Itália). 

Lucas Gervilla  – Doutorando e mestre em Artes Visuais no Instituto de Artes da UNESP; bacharel em Comunicação e Multimeios pela PUC-SP. Participou de mais de 160 produções audiovisuais. Em 2020, dirigiu seu primeiro longa-metragem, intitulado Ruinoso. Em 2018, foi comissionado pelo Canal Futura para a produção do curta-metragem: Edmur e o Caminhão. Em 2017 recebeu a bolsa Mobility Fund oferecida pelo Prince Claus Fund. Foi artista residente no ZK/U, Berlim; Fabrika CCI, Moscou; NES Artist Residency, Islândia; e no Espacio Casa 3 Patios, Medellín. www.gerva.me 

O #MISemCasa acontece em conjunto com o #Culturaemcasa, desenvolvido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, por conta da orientação do Centro de Contingência do Covid-19 – que determinou que os equipamentos culturais do governo estadual tenham o seu funcionamento suspenso até o dia 31 de maio.

O MIS conta com patrocínio máster de Youse, patrocínio de Kapitalo Investimentos, Denso e Cielo, e apoio institucional de TozziniFreire Advogados.

S e r v i ç o

Orientação de desenvolvimento de curtas Pontos MIS

Inscrições: até 30 de maio, neste link

Museu da Imagem e do Som – MIS

Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo| (11) 2117 4777 | www.mis-sp.org.br

Fonte: Museu da Imagem e do Som