Ponto de partida na SEC

A estruturação da Política Setorial de Gestão de Museus e Sustentabilidade resultou na realização de dois seminários que serviram de ponto de partida conceitual. Os encontros contaram com a participação de técnicos da SEC, de representantes de instituições museais nacionais e internacionais, de membros das Organizações Sociais de Cultura do Estado de São Paulo, de pesquisadores acadêmicos e profissionais de museus.

Pudemos refletir coletivamente sobre a gravidade das condições socioambientais do presente e ao mesmo tempo compartilhar experiências em curso de preservação e ressignificação do patrimônio cultural pautadas pela sustentabilidade e, ver em perspectiva as potencialidades abertas com a efetiva mobilização ibero-americana de museus para o desenvolvimento sustentável. Os dois seminários foram realizados na sede da SEC.

Seminário I: “SUSTENTABILIDADE EM MUSEUS: DO CONCEITO À PRÁTICA” (22 de novembro de 2019): O seminário foi centrado na Linha de Ação de Sustentabilidade das Instituições e Processos Museais desenvolvida pelo Ibermuseus, objetivando dar ciência e mobilizar os profissionais do campo museal para a importância do assunto, reconhecido como prioridade para a SEC.

HorárioAtividade
14h00Credenciamento
14h30Mesa de abertura com Antonio Lessa, coordenador da UPPM; Patrícia Albernaz, representante do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) e Roberta Saraiva, vice-presidente do ICOM Brasil
15h00Apresentação da Linha de Ação de Sustentabilidade das Instituições e Processos Museais desenvolvida pelo Ibermuseus, com Patrícia Albernaz
15h30Apresentação do Marco Conceitual Comum de Sustentabilidade em museus (MCCS), com Davidson Kaseker, diretor do Grupo Técnico de Coordenação do Sistema Estadual de Museus (GTC/SISEM-SP)
16h00Proposta de elaboração da Política Setorial Gestão de Museus e Sustentabilidade e do Plano Estratégico para a Gestão Sustentável em Museus (2020-2023), com Antonio Lessa
16h30Apresentação de ações referenciais de práticas sustentáveis em gestões de museus da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, com Davidson Kaseker
17h30Encerramento

Seminário II: “MARCO CONCEITUAL COMUM DE SUSTENTABILIDADE EM MUSEUS” (24 de janeiro de 2020): O seminário privilegiou, além das apresentações da mesa, o protagonismo de todos os presentes em grupos de trabalho organizados a partir das dimensões social, cultural, econômica e ambiental do desenvolvimento sustentável.

Após as apresentações os participantes reunidos em quatro grupos, a partir de leitura prévia do documento sobre o Marco Conceitual, puderam discutir pontos estratégicos e fazer proposições para a dimensão que coube a cada um dos grupos. Em plenária, os relatores apresentaram as propostas ensejando comentários e debates.

HorárioAtividade
14h00Credenciamento
14h15Abertura: Gestão de Museus e Sustentabilidade, com Antonio Thomaz Lessa Garcia Junior, coordenador da UPPM – Renata Motta, ICOM/Brasil – Davidson Kaseker, Diretor do GTC/SISEM
15h00Exibição do Vídeo Sutentabilidade – IBERMUSEUS https://youtu.be/1F1qnAbn5To
15h25Princípios do Diagnóstico Situacional – PES- Luiz Palma/UPPM
15h40Alinhamento de visões e proposições de abordagens. Trabalho em quatro sub-grupos correspondentes às dimensões Ambiental, Econômica, Social e Cultural.
16h30Apresentação em plenária pelos relatores dos grupos das análise e proposições.
17h00Encerramento | Indicações para a formação do Grupo Técnico da Política Setorial e do Grupo de Trabalho do Plano Estratégico.

A partir de março de 2020, houve uma restruturação no formato das atividades, que passaram a ser realizadas em ambientes virtuais. No dia 05 de junho, ocorreu o primeiro Webinário de Sustentabilidade em Museus, cujo tema foi Sustentabilidade Ambiental.

Clique nos botões abaixo para conhecer a estrutura das atividades de desenvolvimento da Política Setorial de Gestão de Museus e Sustentabilidade já realizadas.

Confira na playlist abaixo os resultados os vídeos das atividades realizadas até o momento:


Resultados

De modo a prosseguir com a mobilização e a formação de grupos técnicos para avançar com as definições e diretrizes da Política Setorial de Gestão de Museus e Sustentabilidade, e dar início as etapas subsequentes, apresentamos a seguir os primeiros itens produzidos e discutidos nos grupos:

Grupo I – DIMENSÃO AMBIENTAL

  • Papel multiplicador dos museus como espaços que geram reflexões sobre a mudança de padrões em favor do meio ambiente;
  • Desafio de converter-se em exemplo, a partir do qual se promovem seus compromissos com o meio ambiente e as comunidades;
  • Redução de consumo de recursos energéticos não renováveis;
  • Mitigação dos impactos ambientais no modus operandi;
  • Reciclagem de materiais nas montagens de exposições;
  • Redução de consumo de energia elétrica/água;
  • Redução na geração de resíduos sólidos;
  • Integração de aspectos ambientais nos temas de comunicação.

Grupo II – DIMENSÃO ECONÔMICA

  • Gestão baseada em princípios éticos, por meio de escolhas conscientes que assegurem crescimento e longevidade;
  • Gestão baseada em eficiência e eficácia, com sistemas de monitoramento que visam a sustentabilidade econômica;
  • Otimizar os recursos financeiros no cumprimento de sua missão;
  • Buscar o autofinanciamento por meio de prestação de serviços;
  • Aprimorar-se como produto e como experiência para o turismo e recreação.

Grupo III – DIMENSÃO SOCIAL

  • Escutar para aproximar;
  • Mapear para conhecer;
  • Consolidar parcerias;
  • Integrar a comunidade com museu;
  • Fortalecer a relação;
  • Romper o isolamento;
  • Conhecer e elaborar projetos integrados para uma ação conjunta e participativa;
  • Observar os fatores que caracterizam a comunidade;
  • Envolver os atores na responsabilidade de sustentar, estabelecer, preservar. Através de programas, projetos onde a participação de todos da maneira com a qual, cada um pode contribuir, com seu potencial e interesse em um trabalho coletivo, ou seja, um produto de estudo e desenvolvimento final;
  • Fortalecer as ações educativas, pois as mesmas são estratégias fundamentais em busca de resultados positivos;
  • Tornar visíveis as consequências, pois transformações precisam ser observadas e vistas para que se possa avaliar conteúdos e conhecimentos adquiridos;
  • Expor, difundir resultados, pois somente quando há uma transformação, quando o resultado, finalmente é mostrado, ele alcança o sucesso, a confiança, a credibilidade.

Grupo IV – DIMENSÃO CULTURAL

  • A cultura como fator de transversalização dos processos a partir das pessoas, das identidades, da interpretação do mundo, de maneira a assumir e resolver suas necessidades de expressão e de interação;
  • Otimizar o melhor aproveitamento dos talentos humanos;
  • Potencializar sua natureza formadora e preventiva;
  • Valorizar a diversidade como vetor de transformação social;
  • Repensar práticas, rever ações, debater, questionar, mobilizar e, sobretudo, participar socialmente na criação de uma cultura para construção de um mundo mais sustentável.

NOTA: Conforme previsto, ao final do Seminário II, a coordenação dos trabalhos recebeu a adesão de 23 participantes, com larga representatividade no campo museal, interessados em integrar o Comitê de Política e Diretrizes para a Gestão Sustentável em Museus.


Organização e Atribuições

Comitê de Política e Diretrizes para a Gestão Sustentável em Museus

Atribuições: Definição da Política e das Diretrizes para a Gestão Sustentável de Museus em alinhamento com os parâmetros nacionais e internacionais. Será formado por representantes e decisores das esferas da Administração Pública, profissionais dos museus paulistas – públicos e privados, membros de Organizações Sociais de Cultura, membros de conselhos e órgãos do setor museal, pesquisadores e especialistas.

Grupo de Trabalho para a Gestão Sustentável em Museus

Atribuições: Organização e Coordenação do processo de construção e implementação do Plano Estratégico para a Gestão Sustentável em Museus visando à concretização de objetivos em prazos determinados e momentos definidos. Será formado por representantes da UPPM/SCEC com participação programada de membros do Comitê de Política e Diretrizes para a Gestão Sustentável em Museus.


Abordagem Metodológica

O ato de planejar é um processo de reflexão e de decisão sobre um ou mais problemas da realidade que se pretende mudar com ações técnico-políticas. O planejamento define o caminho a percorrer para se alcançar os objetivos almejados e envolve um conjunto de iniciativas, entre as quais a elaboração de planos e projetos que devem ser readequados em todos os momentos do processo, inclusive durante a implementação, assim posto como uma circularidade de método.

O método escolhido para todo o processo é o PESPlanejamento Estratégico Situacional, de autoria de Carlos Matus[1]. O PES tem demonstrado resultados importantes quando aplicado no setor público, onde a presença de problemas interssetoriais complexos e mal estruturados prevalece. Trata-se de um processo metodológico potente e motivador de compromissos coletivos, cuja eficácia é garantida pela participação de todos os níveis decisórios nas atividades do “Jogo Social”, assim chamado o seu processo de construção. É um diferencial metodológico oportuno para a formulação, implementação e avaliação do Plano Estratégico para a Gestão Sustentável em Museus.

[1] Vide “Materiais de apoio”.