Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2022

Com destaque para mostras de Adriana Varejão, Jonathas de Andrade, Lenora de Barros e Ayrson Heráclito, inaugurações acontecem a partir de março de 2022

A Pinacoteca de São Paulo divulga a programação 2022 e examina questões relacionadas à ideia de uma “identidade brasileira” atualizando o debate em um ano marcado por efemérides. A violenta história colonial do Brasil e a recepção e “deglutição” de linguagens e procedimentos originários da arte europeia funcionam como norte para uma programação que dá novo frescor aos debates oriundos da Semana de 22 e do bicentenário da Independência. As inaugurações acontecem a partir de março de 2022.

Alguns destaques são: a grande mostra panorâmica de Adriana Varejão (26.mar); os trabalhos decoloniais de Jonathas de Andrade (02.abr); obra inédita site-specific de Dalton Paula (27. ago) para o Projeto Octógono, a primeira panorâmica na Pina da artista visual e poeta Lenora de Barros (08.out) e as performances, vídeos, fotografias e instalações que representarão a vida, arte e a religião de Ayrson Heráclito (01.out).

No segundo semestre, em parceria com a instituição norte americana Terra Foundation for American Art, o museu apresentará uma importante reflexão inspirada no processo de urbanidade e modernidade que tomou conta do Estados Unidos entre 1893 e 1976 e será uma boa oportunidade para um contraponto às celebrações do centenário do marco da arte moderna no Brasil, acrescentando novas camadas e perspectivas para esse debate.

“O ano de 2022 marca o centenário da Semana de Arte Moderna, bem como o bicentenário da independência brasileira. A Pinacoteca se propõe a abordar ambas as efemérides a partir de uma perspectiva crítica, organizando uma série de exposições que olham para esses eventos como partes de processos mais alargados e continentais”, conclui Jochen Volz, diretor-geral da Pinacoteca de São Paulo.

Edifício da Pinacoteca Luz

Os cerca de 60 trabalhos de diferentes fases e períodos de Adriana Varejão ocuparão 7 salas da Pinacoteca e também o Octógono, espaço central do museu, onde estarão as obras recentes da série Ruínas. A inauguração acontece em 26 de março.

A mostra panorâmica percorre toda a trajetória de Varejão, iniciada em meados dos anos 80, para que todos possam tomar conhecimento da potência de uma das artistas brasileiras de maior repercussão internacional.

A organização expositiva ressaltará como a sua coletânea tem se estruturado, ao longo das últimas três décadas, a partir de uma reflexão sobre a história colonial do Brasil, mas aponta também para uma reflexão continuada sobre a própria pintura, sua materialidade e sua expansão para além do plano bidimensional.

Em continuação ao tradicional Projeto Octógono Arte Contemporânea que comissiona obras “site especific” para o espaço desde 2003, Dalton Paula apresentará uma obra inédita no segundo semestre de 2022. A inspiração será a história brasileira, as raízes da violência racial e a migração forçada dos africanos durante o período da escravidão, temáticas já elucidadas em seu processo criativo.

Ainda na Pinacoteca Luz, após exitosa parceria em 2016, a instituição Terra Foundation for American Art se une novamente ao museu para a apresentação da mostra Pelas ruas: vida moderna e diversidade na arte dos Estados Unidos (27.ago). 

Tendo a diversidade como fio condutor, a mostra englobará cerca de 100 obras que articulam questões sociais, de classe e econômicas presentes na vida urbana nos Estados Unidos entre 1893 e 1976. Dentre os artistas, estarão trabalhos de Geórgia 0’Keefe, Edward Hopper e Andy Warhol.

O museu também pretende ampliar o olhar dos visitantes sobre o Barroco brasileiro, explorando em uma exposição o legado da pintura no período colonial com obras de diversos estados do país, como Pernambuco, Bahia, Minas Gerais, São Paulo, entre outros. As temáticas presentes nas pinturas irão dialogar com a produção da artista Adriana Varejão, que estará exposta no mesmo período.

Encerrando a programação na Pinacoteca Luz, a panorâmica sobre a poeta e artista visual Lenora de Barros (São Paulo, 1953). Múltipla em suas produções realizadas em diferentes mídias como vídeo, performance, fotografia e instalação, a exposição irá destacar as questões de gênero trabalhadas em suas concepções nos diferentes momentos da sua carreira.

Audiovisual

Outra novidade da programação 2022 é que a Pina agora terá uma galeria especial dedicada à exibição de vídeos. A estreia fica por conta de Vostok (2013), de Leticia Ramos, adquirido pelo programa de Patronos da Arte Contemporânea da Pinacoteca de São Paulo, em 2018.

Edifício da Pinacoteca Estação

Em seu tradicional programa de exposições panorâmicas que revisitam a carreira de artistas brasileiros, a Pinacoteca destaca ainda as mostras sobre as produções de Jonathas de Andrade e de Ayrson Heráclito.

Jonathas de Andrade é um artista múltiplo com trabalhos em fotografia, filme, instalação, em que permeiam o imaginário da região nordeste, onde nasceu e atualmente vive. As práticas decoloniais e as críticas sociais e políticas são características de suas obras que poderão ser vistas a partir de 02 de abril.

Já no segundo semestre, a relação entre arte e elementos sagrados será evidente para quem visitar a primeira mostra panorâmica institucional do artista Ayrson Heráclito em São Paulo. Praticante do candomblé, desenvolve, desde a década de 1980, uma pesquisa sobre elementos da cultura yorubá, como a mitologia dos orixás. Além disso, suas obras abordam o racismo e a violência praticada contra a população negra.

O processo criativo resulta em um território híbrido a partir das práticas do candomblé e a crítica social, com narrativas fincadas em simbologias e rituais. O conjunto artístico que ocupa o museu, a partir de outubro de 2022, se debruça sobre quatro décadas de trabalhos de Heráclito.

Ainda no mesmo edifício, as exposições Coleções na coleção e Revistas: um projeto moderno. A primeira mostra parte da obra Introdução à História da Arte Brasileira 1960-1990 (2015), de Bruno Faria, pertencente ao acervo da Pinacoteca, uma instalação composta de 168 discos de vinil, cujas capas foram desenhadas por artistas visuais como Hélio Oiticica, Regina Vater, Guto Lacaz, Alex Flemming, entre outros.

A partir dessa ideia de uma coleção reunida por um artista, a exposição irá explorar outros trabalhos do acervo do museu que partam desse mesmo princípio.

Já Revistas: um projeto moderno nasce de um conjunto raro de revistas e publicações do acervo bibliográfico da coleção Ivani e Jorge Yunes, como as publicações Klaxon, Estética, Verde, entre outras. O objetivo é detalhar o modernismo a partir dos ensaios, manifestos, ilustrações e projetos gráficos das publicações. Além de deslocar a experiência do olhar para outros suportes, as revistas anunciavam com vigor o tom político e visionário que alcança até o presente.

Confira as sinopses da programação 2022.

Pinacoteca Luz

Exposições:

Adriana Varejão

Período: 26/03/2022 a 1/08/2022

Curadoria: Jochen Volz

1º andar e Octógono

Pelas ruas: vida moderna e diversidade na arte dos Estados Unidos

Período: 27/08/2022 a 2023

Curadoria: Valéria Piccoli e Fernanda Pitta

1º andar

Barroco no Brasil

Período: 14/05/2022 a 12/09/2022

Curadoria: Valéria Piccoli

2º andar

Dalton Paula

Período: 27/08/2022 a 2023

Curadoria: José Augusto Ribeiro

Octógono

Lenora de Barros

Curadoria: Fernanda Pitta

Período: 08.10.2022 a 2023

2° andar

Sala de vídeos – 1º andar

Vostok (2013)

Leticia Ramos

Curadoria: José Augusto Ribeiro

Período: 26/02/2022 a 4/07/2022

Pinacoteca Estação

Exposições:

Jonathas de Andrade

Curadoria: Ana Maria Maia

Período: 02/04/2022 a 29/08/2022

4° andar

Ayrson Heráclito

Período: 1/10/2022 a 2023

Curadoria: Ana Maria Maia

4° andar

Coleções na coleção

Curadoria: José Augusto Ribeiro

Período: 26/02/2022 a 15/08/2022

2º andar

Revistas: um projeto moderno

Curadoria: Horrana de Kassia Santoz

Período: 17/09/2022 a 2023

2º andar

Fonte: Pinacoteca de SP