Pinacoteca de Bauru apresenta Percursos da Arte Brasileira em tour 360°

A Pinacoteca de Bauru organizou uma exposição virtual “Percursos da Arte Brasileira”, com a participação dos artistas Dinda, Elena Greiner, Frei Pedro Pinheiro, Irmãos Ponce Paz, Teco Costa e Terê Machado, na Casa Ponce Paz. O “percurso” é um passeio em 360° pela Casa Ponce Paz, com a exposição de obras de diferentes modalidades e técnicas, destacando a multiplicidade de expressões artísticas em uma exposição virtual com acesso gratuito clicando aqui.

Para Fabiana Rocha, idealizadora do tour virtual dos museus em Bauru, o objetivo é levar as exposições até as pessoas nesse período de isolamento e dar a oportunidade do visitante explorar os espaços e as obras em seu próprio ritmo e ter mais informações sobre as obras.

Os artistas

Uma das artistas que integra o percurso é Myriam Therezinha Vanzella Sanson, a Dinda, como passou a ser reconhecida na área artística. Nascida em Guarantã (SP), estabeleceu-se em Bauru e foi uma das primeiras artistas a trabalhar com a Arte Naïf na cidade. A Arte Naïf, chamada também de arte “ingênua”, retrata imagens rurais, cotidianas, festejos religiosos e populares, sendo proferida por artistas, em sua maioria autodidatas, que se pautam na espontaneidade, individualidade e nacionalidade, sem se enquadrarem em uma tendência artística ou acadêmica.

Ao longo de sua carreira, a artista plástica expôs em todo o Brasil, participando de diversas exposições coletivas e individuais. Ao alcançar reconhecimento internacional suas obras chegaram às galerias da França, Portugal, Estados Unidos, Itália e Japão. Suas telas estão também espalhadas em acervos públicos e particulares, tais como o Museu do Sol de Penápolis, o Museu Primitivista de Assis, a Maria Calas Art Gallery em Miami (Flórida/EUA), e South Flórida Art Center em Miami (Flórida/EUA).

Os irmãos João e Antônio Ponce Paz também estão presentes nesse percurso. De origem espanhola, os irmãos chegaram ao Brasil em 1912. De caráter impressionista, as obras dos irmãos retratam o cotidiano e, principalmente, a vida no campo de vários lugares de onde viveram. Além de telas, os irmãos realizaram muitos trabalhos de pinturas murais em diversas residências, inclusive, da Casa Ponce Paz, patrimônio tombado (2009), atual sede da Pinacoteca de Bauru.

A professora Cleide Biancardi, Mestre e Doutora em artes pela Escola de Comunicação e Artes (ECA-USP) e ex-docente do Campus Unesp-Bauru, onde lecionou na área de Estética e História da Arte, do Design e da Arquitetura do Brasil, é responsável pela curadoria desses artistas, sendo possível ao público apreender a criação dos artistas com o momento histórico das respectivas obras.

Entre o percurso, o público terá a oportunidade de ver gravuras do artista Frei Pedro Pinheiro. Natural de Leiría (Portugal), vindo para o Brasil em 1956 e ingressando na vida religiosa em 1977, Frei Pedro é autodidata, realizando um trabalho de pesquisa do figurativo e abstrato, sendo influenciado pelo expressionismo alemão. Para ele, a gravura possui um significado social: “a importância da gravura reside na socialização da imagem. Tornar acessível para muita gente a imagem reproduzida. A gravura é um modo democrático de socializar, o quanto possível, a imagem criada pelo artista.”

Na mostra, também está presente a serigrafia do artista Teco Costa. A serigrafia é um processo de impressão em que a imagem é obtida pela passagem da tinta através de um tecido de seda ou nylon, esticado no chassi e preparado pelo artista, de modo que se veda as partes onde não se queira imprimir.

A abstração se destaca no segmento das esculturas nessa exposição, distanciando-se da preocupação com a imitação do mundo, que, segundo a curadora Caroline Ferreira, funciona “como se fosse o primeiro contato com a linguagem da escultura”.

Elena Greiner nasceu em Santana do Livramento (RS), num contexto de marcada religiosidade. Após a morte da mãe, quando tinha apenas dois anos, mudou-se para Buenos Aires. Anos depois, radicou-se com a família no Rio de Janeiro, onde se voltou à pintura e a alguns trabalhos em metal. Mais tarde, em São Paulo, retorna à arte e estuda escultura com artistas como Angela Bassan, além de ter participado de cursos livres no Museu Brasileiro de Escultura e Ecologia (MuBE). Com seus trabalhos, destacou-se em salões e em exposições de arte em São Paulo.

Terê Machado nasceu em Bauru e seu primeiro contato com artes foi no Colégio São José, na época coordenado por freiras. Com o legado do pai de valorização da educação e da cultura, Terê ingressou na então Fundação Educacional de Bauru (atual UNESP), onde estudou Educação Artística com habilitação em Artes Plásticas, no final da década de 1970. Em São Paulo, o trabalho simultâneo como professora em uma escola pública e em um colégio de elite expôs aos seus olhos os contrastes da sociedade brasileira. Mais tarde, mudou-se com a família para Maceió (AL), onde se encantou com o folclore local. Atualmente, mora em Bauru e dedica-se a suas esculturas.

Serviço

Exposição “Percursos da Arte Brasileira: Dinda, Elena Greiner, Frei Pedro Pinheiro, Irmãos Ponce Paz, Teco Costa e Terê Machado”

Local: Casa Ponce Paz

Visitação on-line: https://www.meutour360.com/tour-360/exposicao-pinacoteca-municipal-de-bauru

Fonte: Prefeitura Municipal de Bauru