País tem bom de cursos de museologia

Desde que o Ministério da Cultura criou uma política nacional para museus, há dez anos, universidades do país vêm abrindo cursos de museologia para acompanhar o que gestores e acadêmicos veem como “demanda represada” por profissionais da área.

 
É um fenômeno que fez multiplicar os dois cursos disponíveis em 2004, restritos a Rio e Salvador, para os atuais 14 cursos espalhados por todas as regiões do Brasil.
 
Apenas 5% dos 20 mil profissionais dos 3.200 museus do país têm formação em museologia. Neste ano, chegarão ao mercado os primeiros formandos dessa nova leva de cursos, vindos de 600 vagas criadas em universidades federais nos últimos anos.
 
Será a primeira geração de profissionais com formação específica no país, o que começa a mudar uma realidade de autodidatas que há décadas estão à frente das maiores instituições do país.
 
“Programas [acadêmicos] estão aparecendo um pouco mais tarde do que explodiram em várias partes do mundo. Mas é a profissionalização do nosso circuito”, diz Ivo Mesquita, diretor da Pinacoteca do Estado de São Paulo.
 
“É a demanda de um circuito que vai se consolidando como segmento econômico importante.”
 
 
 
Editoria de Arte/Folhapress
MUSEUS NA UNIVERSIDADE Os cursos de museologia hoje no país
 
Fonte: Folha de S. Paulo