Obras de artistas que participaram da Bienal poderão ser vistas gratuitamente

Trabalhos de Lúcia Laguna, Juan Iribarren e Hrein Fridninsson estão na Faap

N4 - Bienal

Obra da brasileira Lúcia Laguna (Reprodução)

Diz o famoso ditado árabe: “Se Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé”. Pois a Bienal de São Paulo vem para Ribeirão Preto. Ou quase isso.
Na verdade, a exposição itinerante “30ª Bienal de São Paulo – Seleção de Obras” traz para a cidade obras de arte da brasileira Lúcia Laguna, do venezuelano Juan Iribarren e do islandês Hreinn Fridninsson, três artistas que participaram da mostra do ano passado, que atraiu 520 mil visitantes em São Paulo.

Graças a uma parceria com a Faap (Faculdade Armando Alvares Penteado) alguns trabalhos do trio vão poder ser vistos gratuitamente na unidade local da faculdade, até 27 de abril.
Além de Ribeirão, outras oito cidades receberam as exposições itinerantes, que tiveram início na capital paulista: Araraquara, Bauru, Campinas, São José do Rio Preto, Belo Horizonte e Juiz de Fora.
“Desde a 29ª edição, a Bienal faz essa itinerância, mas essa é a primeira vez que é realizada a parceria com a Faap. Depois de Ribeirão, essas obras vão para São José dos Campos”, informa a professora Maria Izabel Ribeiro, diretora do Museu de Arte Brasileira da faculdade.

Segundo ela, a escolha das obras e artistas segue a mesma proposta da curadoria da mostra principal. A exposição que chega a nossa cidade foi desenvolvida pelo museu da Faap, de acordo com as indicações da Fundação Bienal de São Paulo.
“Foram escolhidos trabalhos com pintura que, apesar de terem abordagens diferentes dessa linguagem, formam um conjunto coerente”, informa a professora.

Constelação

Sob o título “Iminência Poética”, a 30ª Bienal foi montada a partir da noção de “constelação”. Cada componente do evento foi pensado para funcionar numa espécie de agrupamento, em que as obras dos artistas ficam lado a lado, de acordo com potenciais relacionamentos entre elas.

“É uma lógica constelar. Uma proposta que tenta mostrar que a obra de arte nunca morre, mantendo sempre a sua poética. Esses artistas têm uma relação entre si, porém, com outras características a serem exaltadas”, argumenta Maria Izabel.
A professora diz que o projeto de estender a Bienal para outros espaços foi de extrema importância porque estabelece uma comunicação entre cidades, artistas e obras de arte por meio de uma programação coesa.

“É nosso interesse que mais pessoas em diferentes lugares tenham contato com a exposição. Somos uma instituição de educação e também de incentivo à cultura”, garante.
Na exposição da Faap Ribeirão Preto o visitante poderá conhecer um total de 11 obras dos três artistas contemporâneos, entre pinturas, instalação e outras técnicas artísticas.

Serviço
30ª Bienal de São Paulo – Seleção de Obras
Até 27 de abril, na Faap Ribeirão Preto
Av. Independência, 3.670
De segunda a sexta-feira, das 9h às 21h e aos sábados, das 9h às 17h
Entrada franca
Inf.: (16) 3913-6300

Fonte: Jornal A Cidade