NOVA MOSTRA DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO INVESTIGA O SIMBOLISMO DA CRUZ

“Cristo Rei – Cristo Redentor”, de José Jorge, ocupa a Sala MAS/Metrô Tiradentes com pinturas que apresentam novos olhares sobre esta figura geométrica, ícone mundial

O Museu de Arte Sacra de São Paulo (MAS/SP) está com a mostra “Cristo Rei – Cristo Redentor”, do artista português José Jorge. As 12 pinturas em tinta acrílica e técnica mista sobre madeira que compõem a exposição, exibem a figura geométrica, ícone mundial, cujo fascínio sempre habitara o inconsciente do artista e o imaginário coletivo da humanidade.

A nova mostra temporária na Sala MAS-Metrô Tiradentesvem com a intenção de que o espectador não permaneça na visão do simbolismo comum da cruz como objeto de dor, mas que resgate seu sentido essencial de vida, felicidade e esperança. “A cruz existe desde o início da história; ela é um símbolo universal e com múltiplos sentidos que estão no inconsciente coletivo da humanidade, é forma geométrica elementar como o triângulo, o quadrado e o círculo. O cristianismo não inventou a cruz, mas é na sua iconografia que a variedade de formas atinge o seu esplendor”, comenta o diretor do MAS-SP, José Carlos Marçal de Barros.

Para expressar aspectos da cruz além do religioso, José Jorge investiga o impacto deste ícone mundial – uma mera figura geométrica composta por duas linhas ou barras perpendiculares -, cujo poder de alusão ao martírio de Jesus a tornou o principal signo do Cristianismo, habitando o inconsciente de uma enorme parte da humanidade. A própria história do Brasil, desde o princípio, é marcada pela presença da cruz, sendo parte do primeiro nome que o país recebeu – Vera Cruz, depois Terra de Santa Cruz.

Antes de irem ao MAS-SP, as obras já foram expostas em Portugal, no Cristo Redentor do Rio de Janeiro (RJ) e na Basílica de Aparecida, no interior de São Paulo. Nos dizeres de José Carlos Marçal de Barros, “‘Cristo Rei – Cristo Redentor’ tem, entre seus objetivos, evidenciar a ligação estreita entre os dois locais em cada lado do Atlântico e também prestar ao final de sua itinerância uma homenagem da arte portuguesa ao Brasil, quando será efetivada a doação de um dos quadros. Tão interessantes são as obras que acreditamos, sinceramente, que os nossos visitantes mais do que bem impressionados mergulharão nas profundezas simbólicas habitadas pela emoção e pela identidade”. 

José Jorge Pinheiro (Porto, Portugal – 1956)

O artista começou sua obra e trabalhos de pintura há mais de 16 anos, por meio de um estudo exploratório de materiais, de combinação de cores, de formas e pensamentos. Após a experiência inicial de contato e descoberta desses valores, reuniu um conjunto de pinturas que foram expostas no Centro de Congressos de Lisboa com o lançamento simultâneo de um livro de pintura, prefaciado pelo Historiador e Crítico de Arte, professor José Augusto França, e um testemunho do fotógrafo Mestre António Homem Cardoso, que também fez o seu registo fotográfico. Na sequência dessa exposição, iniciou um outro conjunto de obras num total de 46, que dão origem a outra fase. Já expôs em Portugal, no Rio de Janeiro (RJ) e, agora, no Museu de Arte Sacra de São Paulo. Com o único interesse e motivação de viabilizar exposições e assim dar a conhecer o seu trabalho a um público maior e acolher as suas reações e pareceres, deliberada e conscientemente decidiu, assim, não disponibilizar para venda as suas obras.

SERVIÇO:
Exposição: “Cristo Rei – Cristo Redentor”

Artista: José Jorge
Até 1º de setembro
Local: Sala MAS/Metrô Tiradentes
Estação Tiradentes do Metrô – São Paulo/SP
Tel.: (11) 3326-5393 – agendamento/educativo para visitas guiadas
Horários: terça-feira a domingo, das 9 às 17h
Ingresso: Grátis aos usuários do Metrô

Fonte: Sec. de Cultura de SP