Nas últimas semanas em cartaz, X Bienal de Arquitetura de São Paulo no MCB terá visita especial com o curador Guilherme Wisnik

Guilherme Wisnik

Reflexões sobre construir e morar nas metrópoles contemporâneas estarão na pauta da visita especial com o curador da X Bienal de Arquitetura de São Paulo, o arquiteto Guilherme Wisnik, no Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria de Estado da Cultura, no dia 5 de novembro, terça-feira às 11h. A visita integra a agenda da bienal no MCB, nas últimas semanas antes de seu encerramento, previsto para o dia 10.

Em sua 10ª edição, a Bienal de Arquitetura de São Paulo ocupa uma rede de espaços culturais para discutir questões urbanísticas sob o tema “Cidade: modos de fazer, modos de usar”. O MCB integra o sistema expositivo conectado por meio do transporte público, com a programação “Modos de Habitar”. Na visita especial ao MCB, Guilherme Wisnik conduzirá o público pelos projetos em cartaz no museu, abordando experiências ligadas a programas habitacionais, tanto no Brasil quanto no exterior, em um arco temporal que vai dos anos 1970 até hoje.

Da Casa Bola, do arquiteto Eduardo Longo, à luta da comunidade indígena Emanuel Guarani Kaiowá pelo direito à moradia, o MCB apresenta cinco mostras que buscam refletir sobre a habitação em diferentes contextos relacionados aos desafios territoriais, sociais e políticos da metrópole contemporânea. Estão em exposição, ainda, a Casa Moriyama, de Ryue Nishizawa, o Projeto Estadual “Casa Paulista” e o Programa Federal “Minha Casa, Minha Vida”.

A X Bienal de Arquitetura de São Paulo teve abertura será no dia 12 de outubro, sábado às 15h no MCB, com mesa de apresentação composta por Guilherme Wisnik e os convidados Eduardo Longo, Giovanna Borasi, João Sette Whitaker, Reinaldo Iapequino e Rainer Hehl, debatendo o mote da programação do MCB para o evento, os “Modos de Habitar”. Cerca de 600 pessoas estiveram presentes ao museu na ocasião.

A rede Bienal

Refletindo sobre a cidade contemporânea, a X Bienal de Arquitetura de São Paulo incorpora a questão urbana na sua própria estrutura espacial. Assim, ao mesmo tempo em que visita a exposição em diversos espaços culturais, o público tem a experiência viva da cidade de São Paulo.

“Esta edição da Bienal de Arquitetura propõe uma discussão de extrema relevância, ao abordar as múltiplas possibilidades de pensar e construir a cidade contemporânea, e nelas registrar o necessário espaço para o fazer cultural”, afirma Marcelo Mattos Araujo, Secretário de Estado da Cultura.

A escolha dos locais que compõem a rede seguiu dois critérios básicos: a qualidade dos espaços, na relação entre arquitetura e uso, e a sua acessibilidade por meio da articulação ao sistema de transporte de massas da cidade. Assim, será possível visitar toda a exposição a partir um sistema multimodal que tem o metrô como espinha dorsal.

“Ao levar à sociedade o debate sobre a mobilidade urbana e a utilização dos espaços públicos da cidade de São Paulo, a X Bienal de Arquitetura perpassa os temas de vocação do Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria de Estado da Cultura corealizadora desta 10ª edição do evento. Especializado em arquitetura e design, o MCB valoriza a iniciativa da Bienal de concentrar atividades em diferentes locais da cidade, agregando conteúdos atrativos para os mais variados públicos, como a programação exposta no museu, que promove a reflexão sobre os modos de habitar”, avalia Miriam Lerner, diretora geral do Museu da Casa Brasileira.

A rede principal de espaços expositivos é composta pelos seguintes pontos: Centro Cultural São Paulo, SESC Pompeia, Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (MASP), Museu da Casa Brasileira, Centro Universitário Maria Antônia (CEUMA), Praça Victor Civita, Associação Parque Minhocão e Estação Metrô Paraíso (Projeto Encontros).

A rede expandida inclui Casa de Francisca, Casa do Povo, Cemitério do Araçá, Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes, Teatro Oficina, Galeria Choque Cultural, Instituto Lino Bo e P.M. Bardi e Teatro Oficina.

Bienal no MCB
“O Museu da Casa Brasileira promove anualmente, por meio do projeto Casas do Brasil, o mapeamento das diversas tipologias de moradias encontradas no território nacional. Para a Bienal de Arquitetura, reunimos exposições que denotam diferentes modos de morar, revelando estruturas habitacionais contemporâneas e tradicionais, soluções arquitetônicas criativas e projetos de revitalização urbana. Aliado a isso, com apoio do núcleo educativo do MCB, oferecemos ainda a oportunidade de visitação à Casa Bola, de Eduardo Longo, com saídas programadas para as sextas-feiras de 18 de outubro a 29 de novembro”, explica Giancarlo Latorraca, diretor técnico do Museu da Casa Brasileira.

Casa Bola
Exposição audiovisual sobre a Casa Bola, de Eduardo Longo, construída na década de 70, no Jardim Europa. Com diâmetro de 8 metros, a casa de ferrocimento serviu como o protótipo para uma produção em série. Moradia do próprio arquiteto, é um contínuo campo de experimentação até hoje e representa um exemplo de radicalidade na arquitetura brasileira.

Visitação à Casa Bola: às sextas-feiras, entre 18 de outubro e 29 de novembro, haverá visitas orientadas à Casa Bola, localizada nas cercanias do MCB, com o acompanhamento da equipe educativa do museu. São duas opções de horários: 11h e 16h. Informações e inscrições: (11) 3032.3727 ou agendamento@mcb.org.br.

Casa Moriyama
Mostra sobre construção em um lote de esquina na cidade de Tóquio. A casa projetada por Ryue Nishizawa em 2005 explora a volumetria segundo os diversos programas domésticos. Quartos, banheiros, cozinha, ambientes de estar e de serviços se separam em diversos cubos brancos, com alturas distintas, separados por áreas intersticiais semipúblicas, contínuas à calçada da cidade. É uma casa penetrada pela cidade.

Comunidade Emanuel Guarani Kaiowá
Exposição da luta política pelo direito à terra e à moradia de cerca de 140 famílias de etnia Guarani Kaiowá, que ocupa desde o início de 2013 um terreno abandonado em Contagem (MG).

Programa Federal Minha Casa, Minha Vida
Conjunto de projetos e pesquisas recentes desenvolvidas por arquitetos que discutem o “Programa Minha Casa, Minha Vida”, propondo alternativas para a implantação do programa em terrenos marcadamente urbanos. Propostas de João Filgueiras Lima (Lelé), Luiz Carlos Toledo, Jorge Mario Jáuregui, Hector Vigliecca e alunos de pós-graduação da escola de arquitetura da ETH- Zurique.

Projeto Estadual Casa Paulista
Mostra dos projetos urbanísticos feitos pela Secretaria da Habitação do Estado de São Paulo no centro expandido da cidade. Seguindo novos parâmetros de projetos habitacionais, o projeto complexifica as discussões acerca da apropriação das partes centrais da cidade.

MASP

O asfalto e a areia
Também no âmbito da Bienal, o MCB corealiza a exposição “O asfalto e a areia”, no MASP, que relaciona a produção de importantes artistas e arquitetos brasileiros na virada dos anos 1960 para os 70, durante a ditadura militar no país. São eles: Vilanova Artigas, Paulo Mendes da Rocha, Lina Bo Bardi, Hélio Oiticica e Cildo Meireles. Visitação: de 13 de outubro a 24 de novembro.

Sobre o MCB
O Museu da Casa Brasileira se dedica às questões da cultura material da casa brasileira. É o único do país especializado em design e arquitetura, tendo se tornado uma referência nacional e internacional nesses temas. Dentre suas inúmeras iniciativas destaca-se o Prêmio Design Museu da Casa Brasileira, realizado desde 1986, e que comemora este ano sua 27ª edição.

SERVIÇO:

Visita especial à X Bienal de Arquitetura de São Paulo com o curador Guilherme Wisnik
5 de novembro às 11h – Gratuito
Inscrições: (11) 3032.3727 ou agendamento@mcb.org.br

X Bienal de Arquitetura de São Paulo no MCB: Modos de Habitar
Visitação: até 10 de novembro de 2013

Realização: IAB-SP
Corealização: MCB, Centro Cultural São Paulo e SESC SP
Patrocínio: Gerdau e Caixa Econômica Federal
Apoio: ProAC

Local: Museu da Casa Brasileira
Av. Faria Lima, 2.705 – Jd. Paulistano
Tel.: (11) 3032-3727

Horário de funcionamento: de terça a domingo das 10h às 18h
Ingressos: R$ 4 e R$ 2 (meia-entrada)
Domingos e feriados – gratuito

Acesso a pessoas com deficiência/ Bicicletário com 20 vagas
Estacionamento pago no local