Nas férias de Julho, Museu Catavento presenteia São Paulo com um charmoso Borboletário

catavento-cultural-e 1

O presente que o Catavento Cultural e Educacional, museu de ciência e tecnologia da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, reservou para a população de São Paulo nas férias de Julho 2015, torna ainda mais bonito e agradável o jardim interno deste que é um dos espaços preferidos de crianças, jovens e adultos, na capital paulista.

A partir de 18 de Julho, os visitantes poderão ver de perto e se encantar com algumas espécies de borboletas como a borboleta olho de coruja (Caligo illoneus) e a borboleta júlia (Dryas iulia).

Uma grande geodésica foi construída para receber esses animais. Nessa imponente  estrutura de ferro, formada por triângulos,  foi criado um ambiente ideal para as borboletas, com mais de 20 variedades de plantas especificas para cada espécie e para cada fase, fazendo com que elas sintam-se  mais próximas da natureza.

Acompanhados pela equipe educativa do Catavento, pronta para mostrar a importância desses seres no planeta, tirar dúvidas e zelar pelo bem-estar das borboletas, os visitantes ficarão sabendo que as espécies do Borboletário Catavento vieram do borboletário Laerte Brittes de Oliveira, localizado em Diadema e estão nas fases de pupa e adulta, entre outras curiosidades.

O apoio da Bayer foi fundamental para possibilitar a implantação desse ecossistema.

As pupas servem para ilustrar a passagem da fase intermediária até o final do ciclo de vida das borboletas, mostrando a complexidade das formas de vida desse inseto. Os visitantes terão o privilégio de aprender vivenciando, pois o borboletário, além de proporcionar o lazer contemplativo aliado à Educação Ambiental, possibilita difundir o conhecimento e sensibilizar as pessoas sobre a importância de preservar, respeitar e admirar esses seres de temperamento e importância únicos.

O visitante poderá observar que, na fase de pupa, o nicho é extremamente específico, pois, ao passar pelo processo de metamorfose, um determinado inseto passa por uma reestruturação do corpo, sendo este um dos segredos do seu sucesso evolutivo. Na fase adulta, com o corpo alado, ele interage com outros indivíduos da mesma espécie, acasalando, pondo ovos e consequentemente, por meio da alimentação do néctar, realizando a polinização.

O presente que o Catavento Cultural e Educacional, museu de ciência e tecnologia da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, reservou para a população de São Paulo nas férias de Julho 2015, torna ainda mais bonito e agradável o jardim interno deste que é um dos espaços preferidos de crianças, jovens e adultos, na capital paulista.

A partir de 18 de Julho, os visitantes poderão ver de perto e se encantar com algumas espécies de borboletas como a borboleta olho de coruja (Caligo illoneus) e a borboleta júlia (Dryas iulia).

Uma grande geodésica foi construída para receber esses animais. Nessa imponente  estrutura de ferro, formada por triângulos,  foi criado um ambiente ideal para as borboletas, com mais de 20 variedades de plantas especificas para cada espécie e para cada fase, fazendo com que elas sintam-se  mais próximas da natureza.

Acompanhados pela equipe educativa do Catavento, pronta para mostrar a importância desses seres no planeta, tirar dúvidas e zelar pelo bem-estar das borboletas, os visitantes ficarão sabendo que as espécies do Borboletário Catavento vieram do borboletário Laerte Brittes de Oliveira, localizado em Diadema e estão nas fases de pupa e adulta, entre outras curiosidades.

O apoio da Bayer foi fundamental para possibilitar a implantação desse ecossistema.

As pupas servem para ilustrar a passagem da fase intermediária até o final do ciclo de vida das borboletas, mostrando a complexidade das formas de vida desse inseto. Os visitantes terão o privilégio de aprender vivenciando, pois o borboletário, além de proporcionar o lazer contemplativo aliado à Educação Ambiental, possibilita difundir o conhecimento e sensibilizar as pessoas sobre a importância de preservar, respeitar e admirar esses seres de temperamento e importância únicos.

O visitante poderá observar que, na fase de pupa, o nicho é extremamente específico, pois, ao passar pelo processo de metamorfose, um determinado inseto passa por uma reestruturação do corpo, sendo este um dos segredos do seu sucesso evolutivo. Na fase adulta, com o corpo alado, ele interage com outros indivíduos da mesma espécie, acasalando, pondo ovos e consequentemente, por meio da alimentação do néctar, realizando a polinização.

A visita guiada tem duração aproximada de 15 minutos.

FIQUE ATENTO AS INDICAÇÕES!
Horários:  
9h30; 10h; 10h30; 11h; 11h30; 12h; 12h30;13h30; 14h; 14h30; 15h; 15h30 e16h.
Duração: 15 minutos de atividade interna.
Capacidade: 20 pessoas por sessão.

Lembretes:
*As segundas-feiras e sextas-feiras o Borboletário não abre!
*Não haverá visita em dias com chuva.
*No frio, a possibilidade de ver borboletas é pouca.
*Não indicado para pessoas que tem fobia de insetos ou animais voadores.

 Fonte: Catevento