Museus são tema de enredo da escola de samba Acadêmicos do Tucuruvi

Dá para dizer que a Acadêmicos do Tucuruvi renasceu das cinzas na madrugada de sábado (10). A escola perdeu 90% das fantasias no dia 4 de janeiro em um incêndio. Mesmo assim, conseguiu levar seu desfile sobre a história dos museus ao Anhembi.

A terceira escola da noite mostrou seu desfile reconstruído em tempo recorde. O desfile foi simbólico: a escola não será julgada e não poderá ser rebaixada, por conta do incêndio. O tema foi “Uma Noite no Museu”, com “uma viagem pelos museus do mundo, terminando com os localizados no Brasil”.

Em entrevistas, os diretores e integrantes ressaltaram o esforço e a emoção de levar o desfile à avenida mesmo após perder as fantasias. A ala das baianas, por exemplo, misturou as fantasias feitas às pressas com as poucas que se salvaram do incêndio. A rainha da bateria foi a apresentadora Daniela Albuquerque, que prometeu ajudar a escola a “fazer o impossível” durante o desfile.

Teve ala de biologia marinha, astronomia, paleontologia e até criptozoologia (com uma fantasia de mapinguari, criatura mítica da cultura amazônica). Mas a disciplina principal, claro, foi a história: a comissão de frente representou deuses da mitologia e o carro abre-alas mostrou a Biblioteca de Alexandria.

O final foi com uma homenagem aos museus brasileiros: Museu do Futebol, Museu da Língua Portuguesa e Museu da Imagem e do Som foram lembrados.

Quem comandou a recuperação do desfile em tempo recorde foi o carnavalesco Flávio Campello. Ele foi campeão no ano passado pela Acadêmicos do Tatuapé. A Acadêmicos do Tucuruvi, no entanto, nunca foi campeã do Grupo Especial. A escola ficou em 8º lugar no ano passado.

Ter levado um desfile completo para o Anhembi neste sábado após o incêndio não deixou de ser uma vitória.

Fonte: G1