MUSEUS CASA DE PORTINARI E ÍNDIA VANUÍRE FECHAM AS PORTAS A PARTIR DE SEGUNDA-FEIRA

Cidades onde estão esses espaços culturais entraram na Fase Vermelha do Plano São Paulo. Instituições localizadas nas regiões com fases Laranja e Amarela podem ficar abertas, desde que sigam os protocolos  

Os espaços culturais do Governo do Estado de São Paulo Museu Índia Vanuíre (Tupã) e Casa de Portinari (Brodowski) irão fechar as portas a partir de segunda-feira (01/03) para cumprir as determinações do Centro de Contingência da COVID-19. Eles estão localizados nas regiões que regrediram à Fase Vermelha do Plano São Paulo. Nesta fase, espaços e atividades culturais, como museus, bibliotecas, centros culturais, cinemas, casas de show e teatros permanecem fechados.

Campinas, Grande São Paulo (incluindo a capital paulista), Registro e Sorocaba regrediram para a fase laranja, que já abrangia as regiões de Franca, São José do Rio Preto, São João da Boa Vista e Taubaté.  Nesta fase, a capacidade máxima permitida de ocupação nos espaços culturais é de até 40%, com oito horas de funcionamento diários. O controle de acesso, agendamento de horário e marcação de assentos são obrigatórios, assim como o uso de máscaras e a disponibilização de álcool em gel.

“As instituições culturais do Governo do Estado de São Paulo seguem expressamente todos os protocolos exigidos pelas instituições competentes para continuar oferecendo suas atrações presenciais ao público com total segurança, bem como estimular a dimensão econômica da cultura”, afirma Sérgio Sá Leitão, titular da Secretaria de Cultura e Economia Criativa.

As regiões de Araçatuba, Baixada Santista e Piracicaba estão na fase amarela do Plano, que podem permitir 40% de ocupação nos espaços artísticos e culturais com expediente de até doze horas diárias. O atendimento presencial deve ser encerrado até as 22h em todos os setores. Eventos que geram aglomeração, como festas, baladas e shows, seguem proibidos.

De acordo com a Secretaria, os espaços culturais continuarão seguindo os protocolos preconizados pela Organização Mundial da Saúde e Centro de Contingência, como distanciamento, proibição de atividades com público em pé e adoção dos protocolos específicos para cada área cultural e higienização do ambiente.

O resumo com as informações sobre a reclassificação do Plano São Paulo e os indicadores epidemiológicos e de capacidade hospitalar de cada região estão disponíveis no link

Fonte: Secretaria de Cultura e Economia Criativa de São Paulo