Museu simula passeio pelo Universo

Em São Paulo, Catavento Cultural e Educacional desvenda o espaço sideral

N5 - catavento sol daniela de moraes

Sistema Solar é uma das atrações de museu (Foto: Daniela de Moraes / Divulgação)

Se mesmo para os astrônomos o espaço sideral é repleto de mistérios, para os leigos, então, é coisa de outro mundo. Desvendar os segredos de estrelas, planetas, nebulosas e galáxias que ficam a anos-luz da Terra é a intenção das três salas que compõem a seção Universo do Catavento Cultural e Educacional, museu em São Paulo que procura aproximar a ciência das pessoas comuns.

O caminho percorrido pelo público passa, primeiro, pela sala que representa a Lua. Lá, há fotos de missões, como, por exemplo, a imagem da primeira pegada do astronauta Neil Armstrong em solo lunar. Depois, o satélite natural da Terra dá lugar ao Sistema Solar, momento em que os visitantes aprendem sobre estrelas e planetas. O último espaço é destinado ao que está além do Sistema Solar, um lugar em que o público toma consciência de que a Via Láctea é apenas uma pequena região em meio a imensidão espacial.

“Na nossa terceira sala, fazemos a comparação do Sol, que a princípio parece ser um astro supergrandioso, com as outras estrelas que conhecemos. Percebemos que é uma estrela de tamanho comum, de médio para pequeno. Existem estrelas muito maiores”, explica a coordenadora-educadora do Catavento, Lívia Aceto.

O Sol é um dos pontos altos desta seção do museu. Em uma sala escura, uma bola brilhante de 1,2 m de diâmetro logo atrai os olhares de quem adentra o ambiente. “Mesmo sendo mais alaranjado e não tendo uma superfície lisa, todos que olham sabem que é o Sol. Um quarto da esfera foi retirado para podermos falar das camadas interiores. Essa instalação chama muito a atenção das pessoas”, diz Aceto.

Em dado momento do tour pelo Universo todos se sentam em pufes ou mesmo no chão. É a melhor forma de se ver o céu estrelado de São Paulo em uma noite de inverno. Uma simulação feita por meio de dezenas de fibras óticas fixadas no teto onde as constelações e os planetas são identificados.

O fato de ser um “céu de inverno” não é um mero detalhe. “Há um céu típico para cada estação do ano. Por exemplo, as Três Marias não estão nesse céu. Na verdade, elas só aparecem, no inverno, na alta madrugada (no inverno de São Paulo). Temos constelações como Escorpião, Leão e Cruzeiro do Sul”, conta Aceto.

Parceria entre as secretarias de Educação e de Cultura do estado de São Paulo, o Catavento Cultural e Educacional conta com roteiros guiados pré-fixados para grupos, que devem se cadastrar através do site com no mínimo 45 dias de antecedência.

Serviço:
Catavento Cultural e Educacional
Onde: Palácio das Indústrias – Parque Dom Pedro II, Centro – São Paulo
Quando: de terça a domingo, das 9h às 17h (bilheteria fecha às 16h)
Quanto: R$ 6 e meia-entrada para estudantes e idosos
Idade mínima para visitação: recomendado para crianças a partir de 6 anos
Mais informações: www.cataventocultural.org.br

Fonte: Globo Ciência