Museu náutico reúne peças de antigos naufrágios em Ilhabela (SP)

Acervo conta com duas mil peças que relatam história marítima do litoral.
Faca de pirata com 300 anos é o objeto mais antigo da exposição.

19.08.2013 n2

Um museu formado com peças náuticas retiradas de antigos naufrágios revela as histórias do fundo do mar de Ilhabela, litoral norte de São Paulo. Com 150 m², o espaço reúne em exposição aproximadamente dois mil itens. O objeto mais antigo do acervo é uma faca de um pirata do século XVII, que existe há cerca de 300 anos. A mostra, que recebeu 12 mil visitantes neste ano, conta ainda com cristais, porcelanas, cerâmicas, talheres de prata, artefatos de bronze e outros objetos.

Segundo o fundador do museu, o mergulhador profissional Jeannis Michail Platon, de 65 anos, o projeto começou em 1969 enquanto realizava seus trabalhos no mar da região. “Por ser mergulhador profissional e ter trabalhado muito tempo no mar, em dias de folga eu tinha a possibildiade de ir atrás dos objetos. Além disso eu comandei um navio da Marinha, o que me ajudou muito para pesquisar e achar as peças. Nas minhas viagens ao redor da ilha eu conheci alguns caiçaras que tinham objetos de naufrágios”, relatou Platon, que aos 12 anos chegou ao Brasil vindo da ilha de Creta, na Grécia, e que há 40 anos agrupa os objetos.

Além das peças, há algumas que são originais de desmanches de navios, onde relatam a história da navegação na cidade litonârea. O caso de naufrágio mais conhecido em Ilhabela foi o do Príncipe de Astúrias, em 1916. O navio espanhol afundou durante a viagem que ia de Barcelona, rumo a Buenos Aires. O acidente é tido como o maior da costa do Brasil com registro de ao menos 400 vítimas fatais.

Campanha
Durante o início desse ano, o museu chegou a informar que iria encerrar as atividades após três anos da inauguração, pois não poderia mais contar com a ajuda da prefeitura para manter o aluguel do espaço que ocupava. Porém, no mês passado, após recolher mais de 800 assinaturas na internet, o responsável pelo museu conseguiu a ajuda da prefeitura para que outro local fosse cedido para abrigar o museu.

Agora, a sede da instituição atende na Rua Luiz Ameixeiro, no bairro Perequê, de terça-feira a domingo, das 12h às 18h. As entradas custam R$ 8 e R$ 4 (meia-entrada). Outras informações pelo telefone (12) 3896-3840 ou pela internet.

Fonte: G1 Globo