Museu do Café de Ribeirão Preto tem projeto de restauração apresentado

A Prefeitura de Ribeirão Preto apresentou o projeto de arquitetura e engenharia para reforma e restauro do complexo dos museus Histórico e do Café, na zona Oeste da cidade.

Segundo o prefeito Duarte Nogueira, há uma movimentação para levantar formas de financiamento e outras fontes de recursos para custear a obra de aproximadamente R$ 15 milhões. “O projeto é excelente e trabalhando de forma ininterrupta, conseguiremos entregar a obra completa em três anos”, afirma

O projeto compreende não só a reforma e restauro dos museus, mas também a Casa do Colono, coreto e belvedere, os jardins e entorno, inclusive o cercamento do complexo, além da construção de um prédio para reserva técnica e um novo local de estacionamento para os visitantes. Esses novos locais serão incluídos em espaços que não irão interferir no patrimônio histórico.

Museu do Café

Construído no início da década de 50, o Museu do Café Francisco Schmidt é conhecido por guardar a mais importante coleção de peças do Estado de São Paulo sobre a História do Café.

Seu acervo é formado por grandes esculturas, carros de boi, troles, máquinas de beneficiar café, além de fotos do período áureo do café na região de Ribeirão Preto. Suas peças alusivas à cultura do café, foram coletadas na região e em outros Estados, principalmente Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Museu Histórico

O Museu Histórico e de Ordem Geral Plínio Travassos dos Santos originou-se por iniciativa do seu patrono Plínio, no ano de 1938, com o objetivo de criar um Museu em Ribeirão Preto.

Plínio começou a recolher elementos para a formação do acervo inicial e, nesse princípio, todo o material conseguido, a maioria por doação, era guardado em sua residência. Mais tarde, por falta de espaço, distribuiu algumas peças, principalmente aquelas de caráter decorativo como pinturas, esculturas, desenhos e cerâmicas, pelas dependências da Prefeitura.

Já com um considerável número de peças, o acervo foi transferido para uma sala no Bosque Municipal, onde permaneceu de 1948 a 1949. 

Em 28 de março de 1951 foi instalado definitivamente no antigo Solar Schmidt e inaugurado com as seções de Artes, Etnologia Indígena, Zoologia, Geologia e Numismática.

Fonte: Prefeitura de Ribeirão Preto