MUSEU DA IMIGRAÇÃO ENCERRA A PROGRAMAÇÃO DE JULHO COM OFICINA PARA O PÚBLICO INFANTIL E LIVE SOBRE SOBRENOMES

Atividades são gratuitas e promovem a cultura e o conhecimento

Como medida para minimizar o contágio da COVID-19, o Museu da Imigração permanece fechado temporariamente, promovendo diversas ações no ambiente digital, como oficina para o público infantil e live com a temática de sobrenomes, que encerram a programação de julho.

Voltada para o público infantil, a oficina lúdica “Dançar a história” será realizada no dia 29 (quarta-feira), a partir das 16h, como uma versão livre inspirada em um conto da Indonésia, por meio de uma transmissão ao vivo no YouTube. A partir da história “A pedra mágica”, os pequenos (e seus familiares) serão convidados a traduzirem imagens e sensações, apresentadas pela dançarina-narradora, em linguagem corporal de dança, em referência aos quatro elementos da natureza (terra, fogo, água e ar). Para participar, será necessário providenciar objetos simples, que estão disponíveis no site.

Por que a maior parte dos sobrenomes no Brasil tem origem europeia? Marcas de consecutivos processos de apagamento, esses registros são também um resultado da nossa história. Visando compreender o motivo, apesar da riqueza e diversidade demográfica do país, existem tão poucos sobrenomes de origem africana ou indígena, o Museu da Imigração promoverá a live “Histórias invisibilizadas: as múltiplas representações dos sobrenomes no Brasil” no dia 30 (quinta-feira), a partir das 17h, no Instagram, com participação do pesquisador Thiago Haruo e do professor adjunto do curso de história da Unila (Universidade Federal da Integração Latino-Americana), Rodrigo Bonciani.

Serviço

Oficina lúdica “Dançar a história”

Data: 29 de julho

Horário: 16h

Plataforma: YouTube

Live “Histórias invisibilizadas: as múltiplas representações dos sobrenomes no Brasil”

Data: 30 de julho

Horário: 17h

Plataforma: Instagram

Fonte: Museu da Imigração