Museu da Diversidade Sexual lança livro Páginas de Transgressão e mostra sobre HIV/Aids

Mostra Memórias de uma epidemia está disponível na plataforma Google Arts and Culture

O Museu da Diversidade Sexual (MDS), comemora o mês do Orgulho LGBTQIA+ com uma programação composta por dois lançamentos. No dia 25 de junho, houve abertura virtual da exposição Memórias de uma epidemia pelo Google Arts and Culture em parceria com a Parada do Orgulho LGBTQIA+.

No dia 26 de junho, foi lançado o livro Páginas da Transgressão, durante uma live, que teve mediação de Renan Quinalha e participação dos autores da obra: Caio Maia, Fábio Mob, Julia Oliveira, Paulo Souto 

Exposição Memórias de uma epidemia
Nesse mês, o tema da 25º Parada do Orgulho LGBTQIA+ de São Paulo teve como temática HIV/Aids: Ame+, Viva+, Cuide+. Há cerca de quarenta anos, foram notificados os primeiros casos de infecção pelo HIV no Brasil. Com o intuito de rememorar a história da epidemia da Aids no país, e como parte das comemorações do mês do orgulho, o Museu da Diversidade Sexual, em parceria com a Associação da Parada do Orgulho LGBTQIA+ de São Paulo e o Acervo Bajubá, lançaram a exposição Memórias de uma epidemia  pela plataforma Google Arts and Culture. 

Esta iniciativa registra e celebra as vidas impactadas pela epidemia e as resistências de pessoas e de grupos organizados frente ao seu avanço, assim como os desafios para o seu enfrentamento no presente.

A exposição é composta por quatro fragmentos que serão lançados em momentos distintos, perpassando os seguintes temas: as imagens da Aids na mídia, a luta da sociedade organizada e dos coletivos de solidariedade, as respostas públicas e os aprendizados no enfrentamento à epidemia e as produções estéticas do HIV/Aids.

Livro Páginas de Transgressão
A obra Páginas de Transgressão relata a história da imprensa quanto à cobertura de sexualidades dissidentes no Brasil e ressalta a importância da imprensa LGBTQIA+. “O livro foi organizado pelos professores Paulo Souto Maior e Fábio Ronaldo da Silva e compila importantes trabalhos de pesquisadores LGBTQIA+ de diversas regiões do Brasil, trazendo um panorama amplo sobre diferentes épocas da produção midiática brasileira”, diz Franco Reinaudo, diretor do Museu da Diversidade Sexual.

A diretora geral da Amigxs da Arte, Danielle Nigromonte complementa: “Temos o prazer em apresentar estas Páginas de Transgressão, uma obra que demonstra a relevância da imprensa LGBTQIA+ na disputa por uma sociedade mais justa e igualitária, em que preze o respeito e a garantia dos direitos dessa comunidade e, por isso, o nosso orgulho em realizar esta iniciativa”.

Fonte: Dica de Teatro