Museu Afro Brasil celebra o Dia da Consciência Negra com músicos congoleses e brasileiríssimo samba de roda

0.afrobrasil

 

O Museu Afro Brasil, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, celebra o Dia da Consciência Negra neste domingo, 20 de novembro de 2016a partir das 11h, com entrada gratuita e uma programação cultural com lançamento de livro, música e visita temática, além de outras atividades educativas que acontecem durante todo o mês de novembro.

O Dia Nacional da Consciência Negra foi inserido em 2003 no calendário escolar pela Lei 10.639 (a mesma lei que torna obrigatório o ensino da História e Cultura afro-brasileira) e foi instituído nacionalmente pela lei nº 12.519/2011, em homenagem a Zumbi dos Palmares (data de sua morte em 1695), líder do Quilombo dos Palmares que lutou contra a escravidão.

A programação abre às 11h, com o lançamento docatálogo “Tornar-se Escravo no século XIX – Coleção Ruy Souza e Silva”. A publicação reúne fotografias, documentos e gravuras que abordam a situação do negro durante o século XIX e que fazem parte do acervo de Ruy Souza e Silva. Colaborador de exposições temporárias do Museu Afro Brasil e doador de livros raros para a biblioteca Carolina de Jesus, da instituição, o colecionador possui uma vasta coleção particular e foi curador da mostra “Brasilianas” no Itaú Cultural.

Apresenta-se também o grupo congolês “Os Escolhidos”, formado em 2014, no Brasil, por imigrantes da República Democrática do Congo. O grupo apresenta diferentes gêneros musicais como Rumba Congolesa Acapela, Zouk, World Music e outros variados estilos, cantando em diferentes idiomas como Lingala, Kikongo, Swahili, Inglês, Francês e Português. “Os Escolhidos” é formado por 4 vocalistas: Leonardo Matumona, Hidras Tuala, Bento Daniel e Muanda Tuala e sua versatilidade musical consegue agradar a todos os gostos.

Completando a diversidade musical que a programação traz, apresenta-se ainda um dos grandes nomes do samba de roda, Mestre Limãozinho, um grande divulgador da cultura afro-brasileira. Mestre Limãozinho ganhou o primeiro campeonato de capoeira do Estado de São Paulo em 1972 e desde então ministra aulas de capoeira em suas apresentações. Além dos diversos eventos de capoeira, congressos e workshop que participa, se empenha na divulgação do Samba de Roda e Samba Chula do Recôncavo Baiano, ensinando os fundamentos, ritmo e a história.

Fechando a programação do dia, acontece a Visita Temática “Resistir para viver: história, memória e arte” com foco nos processos de resistências individuais e coletivos que marcaram (e ainda marcam) a construção conflituosa de nossa história e de nossa identidade. O Núcleo de Educação realizará uma vista mediada ao acervo, enfatizando as interlocuções entre as artes visuais e as relações raciais.  Os visitantes serão provocados a pensar sobre a resistência da população negra no campo artístico brasileiro.

 

SERVIÇO:
 
Museu Afro Brasil
Av. Pedro Álvares Cabral, s/n
Parque Ibirapuera – Portão 10 (acesso pelo portão 3)
São Paulo / SP – 04094 050
Fone: 55 11 3320-8900