Mostra traz bonecos do Japão a RP

 

RIBEIRÃO PRETO VAI CONHECER a tradicional e milenar arte dos bonecos japoneses: 70 exemplares estarão na mostra
 
A Fundação Japão, a Comissão de Cultura e Extensão Universitária e o Museu Histórico da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da Universidade de São Paulo (USP) promovem a exposição Bonecos do Japão: Formas de Oração, Encarnações de Amor, que começa nesta quarta-feira, 31 de outubro, e vai até 30 de novembro, no Espaço Cultural de Extensão Universitária (Eceu).
 
A mostra viajou por diversos países e acaba de ser exibida na Argentina. Depois do Brasil, segue para a Costa Rica, na América Central. Ribeirão Preto já recebeu a coleção o Mundo dos Bonecos Kokeshi, em 2005, também uma parceria da Fundação Japão e Comissão de Cultura e Extensão Universitária da FMRP.
 
Paralelamente à exposição, serão ministradas oficinas de origami (arte japonesa de dobrar papel) e furoshiki (arte tradicional de embrulho japonês usando lenços de tecido) e acontece uma mostra de filmes japoneses (filmes contemporâneos, animês e documentários). Composta por 70 bonecos japoneses mais representativos, a mostra revela a história de exemplares importantes de um país em que estes bonecos fazem parte do dia a dia, desde a antiguidade.
 
Considerados, no Ocidente, basicamente um símbolo de infância e usados para brincar, vestir e raramente apreciados na idade adulta, no Japão, em contraste, são uma amostra do poder do artesanato tradicional, revelando as habilidades de uma gama de artistas que demonstram sua genialidade em verdadeiras obras de arte, evolvendo materiais como papel, madeira, metal, porcelana e tecido.
 
Tradição milenar – Alguns dos bonecos que o público conhecerá fazem parte da história milenar do Japão, assim como as exibidas no Hina Matsuri (Festival das Meninas – acontece em 3 de março, quando as famílias dispõem casais de bonecos em reverência à felicidade de suas jovens filhas) e Gogatsu Ningyo (versão masculina – acontece em 5 de maio, quando são exibidos suntuosos conjuntos de bonecos usando armaduras de guerreiros em analogia à saúde e força de seus filhos).    
 
Bonecos retratando atores no Teatro Nô, como a peça Hanagatami, também serão apresentados, revelando características do teatro dramático que teve origem no período Muromachi (1338-1573), onde os atores vestem máscaras e figurinos elaborados.
Bunraku, o clássico teatro de bonecos criado no século XVI, em Osaka, é uma dos destaques da mostra, apresentando exemplares notórios por serem manipulados por três titereiros, totalmente cobertos de vestimenta negra e ficando às costas do boneco. A mostra é divida em 14 categorias que apresentam um panorama da produção japonesa de bonecos.
 
“No Japão, a tradição é reverenciada e preservada, numa atitude com a qual temos muitos a aprender. Mais ainda, a tradição é a fonte a partir da qual os designers japoneses calcam a sua inovação. As bonecas são um exemplo rico e diverso para entendermos essa dimensão da cultura japonesa”, explica a curadora Adélia Borges, que esteve no Japão para uma pesquisa, através do programa Fellowship, da Fundação Japão, em 1998.
 
“Composta por 70 bonecos japoneses mais representativos, a mostra revela a história de exemplares importantes de um país em que estes bonecos fazem parte do dia a dia, desde a antiguidade”
 
Retrato de uma época – “As bonecas japonesas não são apenas uma importante e verdadeira forma de arte, mas também um grande armazém de informações de costumes e de vida familiar para os estudantes da história e cultura japonesa. Muitos dos exemplares, ilustram eventos históricos, o folclore e práticas não só da nobreza, mas também das pessoas comuns e sua vidas diárias”, afirma Ronald F. Thomas, do Yesteryears Doll Museum, nos Estados Unidos, no prefácio do livro Japonese Antique Dolls, escrito por Jill e David Gribbin, editado pela Weatherhill, em 1984.
 
“As diferenças regionais no infinito destes bonecos, por mais sutis que possam ser, refletem em miniatura os diferentes estilos de vida e crença dos artesãos e sua localidades”, cita Thomas. Considerado a primeiro livro dedicado ao tema editado em inglês, ele é resultado da pesquisa de dois colecionadores e estudiosos de bonecos, que também viveram por muitos anos no Japão. 
 
Período Edo – Para se ter uma ideia da importância histórica das peças no Japão, país conhecido por séculos com Terra dos Bonecos, uma espécie de mapa foi organizado e radiografa os centros de produção dos bonecos no período Edo (1603-1868), conhecido como o princípio da era moderna japonesa.
 
É possível ver que os bonecos de argila eram produzidos por todo o país, tanto em Tohoku (ao norte), em Kyushu (ao sul) e nas cidades de Nagoya, Inuyama e Kanazawa (centro). Na região de Edo (posteriormente chamada de Tóquio), eram encontradas as marionetes e Bonecos do Festival das Meninas. Em Akita e Narugo, bonecos Kokeshi eram o foco principal. Em Nara e Kyoto, as versões clássicas tinham a vez.
 
Cinema – Paralelamente à exposição Boneco do Japão: Formas de Oração, Encarnações de Amor, a Fundação Japão, a Comissão de Cultura e Extensão Universitária e o Museu Histórico de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da Universidade de São Paulo (USP) vão exibir filmes japoneses (filmes contemporâneos, animês e documentários).
 
A mostra vai de 5 a 29 de novembro,na sala Flamboyant do Espaço Cultural de Extensão Universitária (Eceu), sempre às 14h30, com entrada franca. Todas as produções são livres para qualquer idade. O Eceu fica na avenida Nove de Julho, n° 908.
Estão no programa os filmes Hula Girls de Fukushima (2011), Quarteto! (2011), Balada (2009), Bravo! Grande Batalha de Samurais (2002), A Ilha do Cãozinho Rock (2011), Kappa – O Duende do Rio e o Sampei (1992), Viajando com Haru (2009), Éclair – Uma Jornada Errante (2011), Voo Feliz (2008) e Light Up Nippon – Há um Ano do Terremoto Japonês (2011).
 
Serviço:
Exposição Bonecos do Japão: Formas de Oração, Encarnações de Amor
Abertura: 30 de outubro, às 17 horas
Período: Até 30 de novembro
Visitação: de segunda a sexta-feira, das 9 às 16 horas, e sábados, das 10 às 16h horas
Onde: Espaço Cultural de Extensão Universitária (Eceu) da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP
Endereço: avenida Nove de Julho, n°908
Telefones: (16) 3602-0692 ou 3602-0695