Mostra inédita com 200 filmes comemora o bicentenário da Independência

Entre os dias 02 e 30 de junho, a Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo apresenta a mostra “200 anos da Independência em 200 filmes”, que comemora o Bicentenário da Independência do Brasil com uma seleção de cem curtas e cem longas-metragens nacionais.

Os filmes serão apresentados gratuitamente no formato virtual pela plataforma de streaming e vídeo por demanda do Governo do Estado #CulturaEmCasa, e no Petra Belas Artes, região central de São Paulo, a preços populares (de R$ 4 e R$ 2 – meia entrada). A mostra ocupará a sala 4 do Petra Belas Artes com pelo menos quatro sessões diárias compostas por um curta, seguido de um longa-metragem.

“A mostra integra o programa Brasil 200, feita pelo Governo do estado para celebrar o Bicentenário da Independência e estimular a reflexão sobre o que essa data significa para os brasileiros. Estamos viabilizando mais de 100 atividades por meio das instituições e programas de cultura estaduais, além da Agenda Bonifácio, que traz toda a programação relacionada ao assunto. Trata-se de um dos principais marcos da história do país”, diz o Secretário de Cultura e Economia Criativa, Sérgio Sá Leitão.

De acordo com ele, o cinema é uma das expressões culturais mais relevantes e potentes do país e tem uma incrível capacidade de representar a sociedade e encantar. “Nada mais significativo do que apresentar ao público, dentro da comemoração do Bicentenário, uma mostra retrospectiva que refaz a trajetória do nosso cinema, com clássicos de todos os movimentos, estilos e gêneros.”, afirma o Secretário.

“Em 2022 o Brasil celebra seus 200 anos de Independência, data que merece celebração. Como um país independente precisa ter uma Cultura própria, decidimos propor a realização de uma Mostra com 200 filmes feitos no país para mostrar a incrível variedade da produção nacional ao longo de mais de 120 anos”, diz André Sturm, presidente do Belas Artes Grupo.

Segundo ele, “um país não é verdadeiramente independente se não for capaz de se ver nas telas do cinema. Vamos resgatar esta história com uma seleção de grandes momentos. Grandes filmes, diretores, artistas e técnicos que contribuíram para esta história serão lembrados”, completa.

O Brasil é um dos países com filmografia mais antiga e contínua do mundo. A primeira exibição aconteceu em 1896, no Rio de Janeiro. Dois anos depois, Afonso Segreto produziu um documentário curto com cenas da Baía de Guanabara, considerado o marco zero da produção nacional. Desde então, mesmo enfrentando algumas crises graves, a produção foi continuada.

“200 anos da Independência em 200 filmes” conta com obras de diversos períodos e movimentos tais como Cinédia, Vera Cruz, Chanchadas da Atlântida, Cinema Novo pioneiros, Cinema Marginal do Rio, Cinema Marginal de SP, Boca do Lixo, Pornochanchadas, Cinema da Embrafilme, Novo Cinema Paulista, Cinema da Retomada, além da produção atual. A produção brasileira de curta-metragem também é extensa, com destaque para a produção do final dos anos 1980 e início dos 1990.

“Completamos dois anos de #CulturaEmCasa, em 20 de abril, com um número expressivo de mais de 7 milhões de visualizações em 166 países. Estamos trabalhando para que a mostra siga o mesmo destino e transborde as fronteiras de São Paulo e do país, porque é realmente um trabalho completo e muito importante para quem quer conhecer a cultura brasileira”, afirma Danielle Nigromonte, diretora-geral da Amigos da Arte.

Para a programação completa, acesse a plataforma #CulturaEmCasa ou o site do Cine Belas Arte.

Entre os filmes que serão exibidos estão:

A filha do advogado (1926), Jota Soares

Ganga Bruta (1933), Humberto Mauro

Matar ou Correr (1954), Carlos Manga

Rio, 40 Graus (1955), Nelson Pereira dos Santos

O Assalto ao Trem Pagador (1962), Roberto Farias

Vidas Secas (1963), Nelson Pereira dos Santos

Noite Vazia (1964), Walter Hugo Khouri

À Meia-Noite Levarei Sua Alma (1964), José Mojica Marins

A Grande Cidade (1966), Carlos Diegues

A Margem (1967), Ozualdo RIbeiro

Toda Nudez Será Castigada (1973), Arnaldo Jabor

Lilian M: Confissões Amorosas (Relatório Confidencial) (1975), Carlos Reichenbach

Ladrões de Cinema (1977), Fernando Coni Campos

Cabra Marcado Para Morrer (1984), Eduardo Coutinho

As Sete Vampiras (1986), Ivan Cardoso

Anjos do Arrabalde (1987), Carlos Reichenbach

A Dama do Cine Shanghai (1987), Guilherme de Almeida Prado

Anahy de las Misiones (1997), Sérgio Silva

Baile Perfumado (1997), Paulo Caldas/Lírio Ferreira

O Invasor (2001), Beto Brant

Branco Sai, Preto Fica (2014), Adirley Queirós

Que Horas Ela Volta? (2015), Anna Muylaert

Serviço

Mostra: 200 anos da Independência em 200 filmes

Data: 2 a 30 de junho de 2022

Horários: Sessões diárias (em breve a programação completa)

Ingresso: R$ 4 e R$ 2 (meia entrada)

Onde: Cine Petra Belas Artes

Endereço: Rua da Consolação, 2423

Sala 4 (144 lugares)

www.cinebelasartes.com.br

Mostra On-line – 30 filmes

Data:   15 a 29 de junho de 2002

Ingresso: Gratuito

Onde: #CulturaEmCasa

www.culturaemcasa.com.br

Fonte: Secretaria de Cultura e Economia Criativa de SP