Memorial da Resistência promove debate sobre Consciência e Resistência negra

4.palestramemorialdaresistencia

 

Evento faz parte da programação do Sábado Resistente e terá mesa redonda com participação do escritor Laurent de Saes, da socióloga Angelita Garcias e do ator Marcos Lemes

 

No dia 19 de novembro, o Memorial da Resistência, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, realizará mais uma edição do Sábado Resistente, projeto realizado em parceria com o Núcleo de Preservação da Memória Política. O evento acontece às 14h00 e terá mesa redonda com participação do escritor Laurent de Saes, do ator Marcos Lemes e da socióloga Angelita Garcias, que irão discutir sobre Consciência e Resistência Negra: escravidão e o movimento negro”.

Neste sábado, o diálogo será a partir de dois aspectos que se complementam: a Sociedade dos Amigos dos Negros, a primeira organização antiescravista francesa, a permanência perversa dos resquícios da escravidão no Brasil, que tem no Genocídio da população negra sua mais cruel e contundente realidade, e sobre a necessidade da história das Áfricas entre nós: desafios e conquistas.

“O tema deste sábado resistente traz como proposta a “missão de escovar a história a contrapelo”, não se propondo a reproduzir a história dos vencedores, mas sim a dos oprimidos explorados pela brutalidade da época colonial, para que a barbárie do racismo e da intolerância seja desmascarada e não se repita. Escovar a história a contrapelo é revolver o que está escondido por séculos de intolerância, preconceito e racismo, é uma prática que favorece o empoderamento dos grupos subalternizados”, afirma a socióloga Angelita Garcias.

Walter Benjamin completa que “A tradição dos oprimidos nos ensina que o ‘estado de exceção’ em que vivemos é na verdade a regra. Precisamos construir um conceito de história que corresponda a essa verdade”. A exploração, o racismo e a opressão das populações afrodescendentes ao longo da história não constituem uma exceção, mas a regra, e isto precisa ser explicitado para que se possa edificar as múltiplas histórias do que correspondam efetivamente a todos os povos e assim estabelecer a justiça, a verdade e as memórias.

 

 

PROGRAMAÇÃO

14h00 – Boas vindas – Kátia Felipini Neves (Memorial da Resistência de São Paulo)

14h10 – Coordenação – Oswaldo Oliveira (Núcleo de Preservação da Memória Política)

14h20 – Mesa Redonda

16h10 – debate

 

MESA REDONDA

Laurent de Saes é graduado em Direito pela Universidade de São Paulo (USP) e mestre e doutor em História Social, também pela USP. Atualmente é tradutor do EDIPRO – Edições Profissionais. Tem experiência na área de História, com ênfase em História Moderna e Contemporânea. Atua principalmente nos seguintes temas: revolução francesa, escravidão, abolicionismo e legislação. É autor do livro “A Sociedade dos Amigos dos Negros: a Revolução Francesa e a Escravidão 1788-1802.”

 

Marcos Lemes é pós-graduado em Teatro e em Jornalismo Cultural. Trabalha como ator e diretor de teatro. É professor universitário nas áreas de arte e cultura. 

 

Angelita Garcia é bacharel em Sociologia e Política e tem atuado em projetos e programas voltados para a área de direitos humanos e enfrentamento às desigualdades, fazendo interface com políticas públicas em prol da equidade de gênero e raça.

 

SERVIÇO

Memorial da Resistência de São Paulo
Endereço: Largo General Osório, 66 – Luz – Auditório Vitae – 5º andar
Aberto de quarta a segunda (fechado às terças)
Entrada Gratuita
 
Fonte: Assessoria de imprensa | SEC
Imagem: Divulgação | Memorial da Resistência