Memorial da Democracia terá capital privado e espaço reservado a Lula

 

THIAGO TUFANO
Direto de São Paulo
 
Lula e Paulo Vannuchi palestram sobre o memorial a conselheiros e convidados
Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula/ Divulgação

 
Apresentado em São Paulo, o projeto do Memorial da Democracia, de responsabilidade do Instituto Lula, deve ter participação de capital privado, além de um espaço reservado ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. De acordo com o presidente da entidade, Paulo Okamotto, a captação de recursos ainda será debatida, e, até o momento, o orçamento da construção não foi finalizado.
 
“Hoje foi apresentada a proposta do ponto de vista histórico e arquitetônico. Ainda nem sabemos quanto vai custar, e depois veremos a questão do financiamento”, disse ele. Segundo Okamotto, uma das ideias é buscar recursos privados, mas não se descarta a chance de captação junto à Lei Rouanet. “Pode pintar a possibilidade de usar a legislação pertinente, mas ainda iremos discutir.”
 
Sobre o uso de lei de incentivo, a ministra da Cultura, Ana de Hollanda, afirmou que o projeto, se for submetido, será analisado. “Nada impede o projeto de ter o apoio da Lei Rouanet, ele será analisado como qualquer outro que é apresentado.” A ministra também esteve presente na apresentação do projeto. Segundo ela, o Instituto Brasileiro de Museus está trabalhando diretamente em relação a assessoria técnica do memorial.
 
Ana comentou ainda sobre a importância do projeto. “Não construímos uma democracia de uma hora pra outra. As novas gerações crescem já sabendo que existe uma democracia e que é normal, mas não sabe que foi fruto de muitas lutas”, afirmou ela. “São períodos curtos que tivemos de democracia plena mesmo, mas a democracia está sempre ameaçada. Então é importante que as pessoas saibam que tem que ser muito bem cuidado e muito bem preservado.”
Conteúdo partidário
 
Aprovado em duas ruidosas votações na Câmara Municipal de São Paulo, com 37 votos a favor, oito contra e uma abstenção, o Memorial da Democracia será construído no espaço conhecido como Cracolândia – são 4,3 mil m², no bairro da Luz, no centro de São Paulo, avaliados em R$ 20 milhões. Pelo texto, a área ficará sob responsabilidade do instituto por 99 anos. Em contrapartida, o museu deve ser aberto à sociedade e permitir acesso gratuito de alunos da rede pública.
 
O projeto foi questionado pelos vereadores do PSDB e membros da sociedade civil, que argumentam que o Instituto Lula é uma entidade privada e ligada a um político, a quem não caberia contar a história da democracia. “Não é um memorial da democracia partidário. A história da anistia envolveu muitos partidos, assim como a luta pelo voto direto”, afirmou Okamotto, acrescentando que há uma confusão entre o memorial e o Instituto Lula.
 
“Há uma proposta nítida de que haverá o espaço do acervo Lula dentro do memorial, mas ainda será discutido.” Embora possa não haver um espaço reservado, “certamente” haverá algum espaço para o ex-presidente, diz Okamotto. “O Lula não foi uma pessoa só de oito anos de governo. Certamente ele estará na dimensão de presidente.”
 
Fonte: Terra