MCB: Últimos dias da mostra “Design aerodinâmico – Metáfora do futuro”

A exposição ‘Design aerodinâmico – Metáfora do futuro’, que já recebeu mais de 22 mil visitantes, fica em cartaz no Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, até 03 de junho, com mais de 250 objetos significativos do estilo streamline. As peças pertencem às coleções de Giacomo Favretto, Renato Oliva, Gilberto Moscoviche e da família Bosworth, e foram selecionadas pelas curadoras Adélia Borges e Patrícia Fonseca.

Entre os mais de 50 designers com obras na exposição estão Raymond Loewy, Norman Bel Geddes, Walter DorwinTeague, Henry Dreyfuss, IsamuNoguchi, GioPonti, BuckminsterFuller e John Vassos. Em meio às empresas representadas temos Black & Decker, Eastman Kodak, Electrolux, Gaggia, General Electric, Gillette, Osterizer, Philips, Polaroid, RCA Victor, Sears, Steam-O-Matic e Westinghouse. Dentre os objetos selecionados, alguns fazem parte também dos acervos de importantes museus tais como o Cooper Hewitt Design Museum (Nova York), Centre George Pompidou (Paris), Montréal Museumof Fine Arts e Victoria & Albert Museum (Londres).

“Trata-se de uma rara oportunidade para o público brasileiro conhecer ao vivo peças que estão nos compêndios de história do design”, comenta Adélia Borges, uma das curadoras. “O streamline se firmou como um dos estilos mais populares do século 20 e também marca a implantação da profissão do designer industrial nos Estados Unidos”, complementa a também curadora da exposição, Patrícia Fonseca. A exposição tem o patrocínio da Tok&Stok, maior rede de lojas de móveis e acessórios do país, que apoia e valoriza a influência do design na decoração moderna.

Até o final de maio, estão previstas uma série de palestras com a curadora Patrícia Fonseca e o colecionador Giacomo Favretto. Dia 16, serão comentados os trabalhos dos quatro profissionais que podem ser considerados os primeiros designers profissionais e se tornaram expoentes do estilo: Raymond Loewy, Henry Dreyfuss, Walter Dorwin Teague e Norman Bel Geddes; dia 23, o debate será em torno das feiras de Chicago e de Nova York – onde foi instalada a Futurama, imensa maquete de uma cidade do futuro; e no dia 29, o assunto central trará a influência do streamline no design gráfico.

Contexto histórico
O Streamline surgiu nos Estados Unidos como uma resposta à crise econômica de 1929. Em 1933, em função da regulamentação dos preços dos bens de consumo, os industriais incorporaram designers nas linhas de produção das fábricas e isso fez com que os produtos tivessem um novo diferencial no mercado de consumo.  Pesquisas feitas desde o final do século 19, abrangendo a aplicação de princípios aerodinâmicos em veículos como os trens e aeronaves, passaram a se estender praticamente a todos os segmentos de produtos. Independente do uso a que se destinavam, os objetos ganharam formas arredondadas que remetem a velocidade e modernidade, representando a promessa de um mundo melhor, um futuro promissor em contraposição à devastadora crise, da qual o país começava a se recuperar.

Sobre o MCB
O Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, dedica-se à preservação e difusão da cultura material da casa brasileira, sendo o único museu do país especializado em arquitetura e design. A programação do MCB contempla exposições temporárias e de longa duração, com uma agenda que possui também atividades do serviço educativo, debates, palestras e publicações contextualizando a vocação do museu para a formação de um pensamento crítico em temas como arquitetura, urbanismo, habitação, economia criativa, mobilidade urbana e sustentabilidade. Dentre suas inúmeras iniciativas, destacam-se o Prêmio Design MCB, principal premiação do segmento no país, realizado desde 1986; e o projeto Casas do Brasil, de resgate e preservação da memória sobre a rica diversidade do morar no país.

Sobre Patrícia Helena Soares Fonseca, curadora da exposição Design Aerodinâmico (com Adélia Borges)
Doutora em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Mackenzie, São Paulo (2014). Mestre em Textiles Design for Fashion – Central Saint Martin School of Art and Design, Londres (1990). Professora da Faculdade de Artes Plásticas da Fundação Armando Álvares Penteado onde leciona História do Design há 21 anos. Ministra aulas também no Centro Universitário Belas Artes de São Paulo.

Sobre Giacomo Favretto, fotógrafo e colecionador
Nascido em Milão, Itália, onde cursou Desenho Industrial e Engenharia. Tem 64 anos, vive há mais de 40 no Brasil, como fotógrafo profissional, dedicado ao mercado publicitário, tendo conquistado vários prêmios como Leão de Ouro em Cannes, entre outros. Atende às grandes agências de propaganda no Brasil e no México. Publicou o livro “Ícones que Marcam”. É um dos mais importantes colecionadores de objetos do estilo streamline, mantendo em seu acervo pessoal cerca de 600 peças históricas.

VISITAÇÃO
De terça a domingo, das 10h00 às 18h00
Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada) | Crianças até 10 anos e maiores de 60 anos são isentos | Pessoas com deficiência e seu acompanhante pagam meia-entrada
Gratuito aos finais de semana e feriados
Acessibilidade no local
Bicicletário com 40 vagas | Estacionamento pago no local

Visitas orientadas: (11) 3026.3913 | agendamento@mcb.org.br | www.mcb.org.br

Fonte: Museu da Casa Brasileira