MCB e Casa Zalszupin se unem para celebrar o centenário de nascimento do designer Jorge Zalszupin

A partir de 1º de julho, o Museu da Casa Brasileira – instituição gerida pela Fundação Padre Anchieta – e a Casa Zalszupin – administrada pela ETEL e pela galeria Almeida e Dale – se unem para homenagear o centenário de nascimento do designer Jorge Zalszupin, um dos mais bem-sucedidos representantes da geração de arquitetos que atuou, entre os anos 1950 e 1980, de forma singular nos campos do design e da arquitetura brasileira.

As exposições “Orgânico Sintético: Zalszupin 100 anos” acontecem, simultaneamente, no Museu da Casa Brasileira, com curadoria do diretor técnico do MCB Giancarlo Latorraca, e na Casa Zalszupin, com curadoria da CEO da ETEL, Lissa Carmona, e do professor Guilherme Wisnik, com patrocínio do Shopping Iguatemi e apoio da HautLab.

O festival conta com itens inéditos do acervo de Zalszupin, aberto pela primeira vez pela ETEL, com apoio da museóloga Nathalia Reys, em parceria com a família do designer, que realizou profunda pesquisa sobre a obra de Jorge. A busca revelou trabalhos nunca antes divulgados, que demonstram sua importância e legado para arquitetura paulista que vai além do design, assim como itens pessoais, a exemplo de um livro de piadas ilustrado.

“O mobiliário exposto revela o rigor e a síntese características do comprometimento com a produção seriada e com a objetividade industrial, sem abrir mão, sobretudo em seu período inicial, da tradição artesanal do trato à madeira. Essa exposição marca o racionalismo intrínseco da escala das obras apresentadas, expressando a face mais pública de sua produção”, comenta Giancarlo Latorraca.

A Casa Zalszupin, residência projetada pelo próprio Jorge, onde trabalhou e viveu por mais de 60 anos, apresentará um novo olhar sobre sua arquitetura residencial, marcada por uma organicidade expressionista, com volumes curvos e paredes grossas e brancas, com fotos de Nelson Kon e croquis inéditos. “Distinguindo-se da pedagogia estrutural do concreto armado, que caracteriza a chamada ‘Escola Paulista’ de arquitetura no mesmo período, a produção de Zalszupin vai buscar referências no empirismo das construções escandinavas e mediterrâneas, definindo um caminho poético singular em sua produção residencial”, comenta Guilherme Wisnik.

A produção orgânica e artesanal se diferencia do seu trabalho no desenho de mobiliário, caracterizado pelo racionalismo sintético e industrial – que também é apresentado no festival por meio de peças importantes e croquis. “A exposição também articula essa produção aos trabalhos escultóricos de artistas brasileiros que navegam universos semelhantes”, diz Lissa Carmona.

Para José Roberto Maluf, presidente da Fundação Padre Anchieta, essa parceria é fundamental para apresentar ao público o trabalho de um consagrado designer. “O Museu da Casa Brasileira tem como uma de suas missões contribuir na composição histórica do design no Brasil e seguiremos com esse compromisso, ampliando o debate e aumentando a difusão”, finaliza.

SERVIÇO:
Exposição ‘Orgânico Sintético: Zalszupin 100 anos’
De 01 de julho a 04 de setembro de 2022
Patrocinadores: ETEL, galeria Almeida e Dale, Iguatemi e Haunt
Realização: Casa Zalszupin, Fundação Padre Anchieta e Museu da Casa Brasileira.

VISITAÇÃO
Museu da Casa Brasileira
De terça a domingo, das 10h às 18h, com exceção da sexta-feira, que tem horário estendido até 22h
Av. Brig. Faria Lima, 2.705 – Jardim Paulistano, SP
Próximo à estação Faria Lima da Linha Amarela do Metrô.
Ingressos: R$ 20,00 e R$ 10,00 (meia-entrada)
Sexta-feira, entrada gratuita
Acessibilidade no local | Bicicletário com 40 vagas

CASA ZALSZUPIN
De segunda a sexta, das 10h00 às 18h, e aos sábados das 10h às 14h
Ingressos: Gratuito mediante agendamento prévio no site https://www.casazalszupin.com/pt/
Sem estacionamento
e-mail: eventos@casazalszupin.com
Jardim Europa – SP

Fonte: Museu da Casa Brasileira