Instalação Balanço Atibaia, de Paulo Alves e Luís Suzuki

lowres Balan o - design Paulo Alves - foto Victor Affaro  4
Foto: Divulgação

Em continuidade ao ciclo de instalações realizado desde o 2º semestre de 2013, o Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, e o BOOMSPDESIGN apresentam o balanço Atibaia, criado pelos designers Paulo Alves e Luís Suzuki. A peça, feita com madeira de demolição certificada, é um desdobramento do projeto da cadeira Atibaia, ganhadora do 1º lugar na categoria mobiliário do 23º Prêmio Design MCB, feita em parceria pelos designers.

“Essa linha tem a estrutura inspirada no desenho de galhos de árvores, assim como grande parte da minha produção mais recente. Sempre com a questão da sustentabilidade que norteia meu trabalho há 20 anos”, explica Alves. Para ele, o ciclo de instalações interativas no jardim do MCB gera possibilidades muito interessantes. Afinal, propõe, no ambiente do museu, uma modalidade lúdica que o público pode usufruir livremente. “Um móvel só existe quando é usado”, completa.

O balanço Atibaia fica em exposição no jardim do MCB até 1 de fevereiro de 2015.

Sobre o ciclo de instalações de balanços MCB – BOOMSPDESIGN
Desde agosto de 2013, a parceria do MCB com o BOOMSPDESIGN, sob a curadoria de Roberto Cocenza, já trouxe ao jardim da instituição balanços dos designers Tom Price, Sérgio Matos, Zanini de Zanine, Renata Moura, Carol Gay, Coletivo PAX.ARQ e Marcenaria Baraúna.

Já estiveram em cartaz neste ciclo o balanço “Bodocongó”, de Sérgio Matos, “Sobra”, de Zanini de Zanine, e “Trama”, de Renata Moura. Entre abril e junho de 2014, a designer Carol Gay apresentou o balanço “Noar”, feito tiras de borracha reciclada e estrutura em aço suspensa por cordas. Já entre junho e agosto o coletivo PAX.ARQ trouxe o balanço “Cocar”,fabricado em acrílico e costurado por fitas de nylon que possibilitaram sua amarração e sustentação. O balanço “Amor Perfeito”, da Marcenaria Baraúna, abriu para a visitação em 16 de agosto e ficou em exposição durante setembro, outubro e novembro. Com assento em planos inclinados alternados, compondo o sentar como em uma “namoradeira”, a peça, de dois lugares, estruturava-se com travessas cilíndricas em madeira maciça. Depois da instalação de Paulo Alves, entrará em cartaz balanço do Osvaldo Tenório.

Fonte: Museu da Casa Brasileira