Inscrições gratuitas para o Seminário Internacional Futuro da Memória

Estão abertas as inscrições para o Seminário Internacional Futuro da Memória, que será realizado nos dias 17 e 18 de novembro, pelo Museu da Pessoa e o BNDES, com o apoio do Itaú Cultural e parceria Institucional do ICOM (International Council of Museums) e Editora Companhia das Letras. O evento será on-line, com participação gratuita. As inscrições podem ser feitas clicando aqui.

A programação traz o escritor Orhan Pamuk, Prêmio Nobel de Literatura, além de palestras, mesas de debate e oficinas com grandes debatedores nacionais e internacionais.

As novas tecnologias vêm reorganizando as formas de vida em âmbito público e privado, desafiando a todos a pensar novos papéis da memória no futuro. Qual o impacto dos avanços tecnológicos nas técnicas de registro, preservação e compartilhamento de memórias pela sociedade?

O que serão os museus no século XXI? E qual será o papel da cultura, da educação, da economia e das novas tecnologias para moldar as memórias pessoais e coletivas?

Abordando questões relacionadas à memória ontem, hoje e amanhã, o Seminário Internacional Futuro da Memória propõe palestras, mesas de debate e oficinas temáticas, convidando membros de instituições públicas, privadas, organizações do terceiro setor, pesquisadores e público em geral para participarem ativamente da construção do conhecimento nos campos de memória, cultura, tecnologia social e acervos virtuais.

O evento traz ainda os resultados obtidos pelo Museu da Pessoa com a implementação de um vasto programa de inovação, fortalecimento e consolidação do seu acervo, graças à inestimável parceria firmada entre a instituição e o BNDES. 

A programação conta com destaques internacionais, trazendo ao público uma palestra exclusiva com o Prêmio Nobel de Literatura de 2006, o escritor Orhan Pamuk. Seu Museu da Inocência é uma proposta original dentro do campo da conservação e representação histórica, partindo de uma proposta fictícia para registrar usos e costumes da Turquia entre 1970 e 2000. 

As mesas e oficinas trazem temas fundamentais ao debate sobre memória no século XXI como inovação social, desenvolvimento local, cultura e economia criativa, acervos digitais, voluntariado e metodologia de entrevistas. 

Com as mudanças e avanços acontecendo cada vez mais rápido, o evento procura apontar novos caminhos para o resgate das experiências em âmbito público e privado.

Programação

DIA 1 | 17 de novembro de 2021 | quarta-feira |  11h às 19h

11h00 Boas-Vindas 

Museu da Pessoa, BNDES, Itaú Cultural, ICOM

11h15 Abertura

com Karen Worcman, fundadora e curadora do Museu da Pessoa                          

A memória não é estática e imutável: está em constante transformação. Não depende apenas do passado, mas da compreensão do futuro que se constrói. As novas tecnologias impactam diretamente na maneira como são construídas e multiplicadas as nossas memórias.

Futuro da Memória busca discutir as diversas perspectivas sobre o papel da memória na sociedade contemporânea brasileira, e é um marco da parceria entre o Museu da Pessoa e o BNDES, que contribuiu para o tratamento e digitalização de todo o acervo dessa instituição de conservação das histórias de vida de tantos brasileiros. Na abertura, a diretora do Museu da Pessoa, Karen Worcman, dá uma visão geral sobre o seminário.

12h

Palestra Internacional 

com Orhan Pamuk, escritor 

Os museus do século 21. Qual é o lugar dos museus para humanizar a sociedade do futuro?

O vencedor do Prêmio Nobel de Literatura de 2006 fala do papel dos museus na humanização da sociedade do futuro através de sua experiência singular. Complementando seu romance O Museu da Inocência (Cia. das Letras, 2008), o autor fundou em 2012 um museu homônimo em uma casa em Istambul, cujo acervo traz uma série de objetos cotidianos usados com base para a criação das personagens do livro. 

Por meio deles, faz-se um resgate da História da Turquia entre os anos 1970 e 2000 num recorte intimista, com lastro na vida privada dessas personagens. É uma experiência de registro da memória original, que funde ficção e realidade para reconstituir costumes e suas mudanças durante o fim do século XX na Turquia. 

13h Intervalo

14h Mesa 1 | Memória, Inovação Social e Desenvolvimento Local

Com Andres Falconer, Flavia Constant e Maria Leinad Carbognin

Mediação: Karen Worcman, fundadora e curadora do Museu da Pessoa

As constantes mudanças e desafios incitam governos, empreendedores e organizações a pensar novas formas de interagir com a sociedade. Isso exige inovação social.  A partir de casos práticos, a mesa discute estratégias de inovação e ações com alto impacto em sociedade. Qual é o papel da memória e das histórias como ferramenta para compreensão do desenvolvimento local e territorial?

Sobre os participantes:

Andres Falconer: Consultor do Banco Mundial e dos Fundos de Investimento para o Clima em Washington (EUA), atuando nas áreas de engajamento de stakeholders, parcerias, transparência e governança pública. É mestre e graduado em Administração pela FEA-USP e fellow do Johns Hopkins Center for Civil Society Studies.  

Flavia Constant: Gerente executiva de Investimento Social, Cultura, Pesquisa e Conhecimento da Vale S.A, que atua diretamente com iniciativas como Fundação Vale e o Instituto Cultural Vale. Atua há mais de 25 anos desenvolvendo projetos de educação, geração de renda, meio ambiente, conhecimento, patrimônio e cultura.

Maria Leinad Vasconcelos Carbognin: Diretora-executiva da Fundação Brasil Cidadão, desde 2000 desenvolve em Icapuí (CE) uma experiência de desenvolvimento sustentável com base no Programa Teia da Sustentabilidade. Os projetos partem de uma visão sistêmica do território, com atividades econômicas de baixo impacto ambiental, educação e gestão ambiental.

15h45 Mesa 2 |  Cultura, Memória e Economia Criativa

Com Jader Rosa, Janaína Oliveira, Luciane Gorgulho e Lucimara Letelier

Mediação: Marcos Terra, diretor-executivo do Museu da Pessoa

Memória e criatividade são fomento para a economia criativa. O interesse atual por essa área norteia perspectivas para a museologia, onde Memória, História e Design coexistem. A mesa debate iniciativas que mesclam memória, História e economia criativa.

Sobre os participantes:

Jader Rosa: Designer e mestre em multimeios pela Unicamp. Atualmente atua como gerente do Observatório Itaú Cultura com o propósito de pesquisar e fomentar a economia criativa e contribuir para a formulação de políticas culturais do país.

Luciane Gorgulho: Economista e mestre em Economia Industrial pela UFRJ e MBA Executivo pela COPPEAD, entrou por concurso no BNDES (1992), onde hoje é Chefe do Depto. de Desenvolvimento Urbano, Patrimônio e Turismo. Cedida à FINEP entre 1999 e 2003, estruturou o Projeto Inovar, para a capitalização de empresas inovadoras.

Lucimara Letelier: Atua com museus, cultura e organizações sociais há mais de 20 anos como gestora, consultora, professora, articuladora de redes e curadora de seminários. Trabalhou com diversas instituições, como Museu do Amanhã, Museu da Língua Portuguesa, Museu da Imigração, Museu de Arte do Rio e Guggenheim Museum, entre outros.

Janaína Oliveira: Pesquisadora e curadora, é doutora em História, professora no IFRJ, e Fulbright Scholar no Centro de Estudos Africanos na Universidade de Howard (Washington DC, EUA).  Curadora do Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul (RJ). É idealizadora e coordenadora do Fórum Itinerante de Cinema Negro (www.ficine.org).

17h30 Painel Memórias Digitais

Com Andrew Hoskins, Eddy Malenfant, Kristina Cimova e Pierrot Ross-Tremblay

Mediação: Lucas Lara, diretor de museologia do Museu da Pessoa

A mesa aborda as consequências da revolução digital sobre conceitos como conexão, indivíduo, autoria e verdade. Com a mercantilização das pessoas pelas redes sociais, a memória se torna apenas mediação entre o indivíduo e o mundo. A pessoa deixa de ser sujeito para se tornar espectador de si mesmo. Há memória sem significação? Quais as novas formas de criar sentido para a memória?

Sobre os participantes:

Andrew Hoskins: Professor na Universidade de Glasgow (UK). Co-editor-chefe fundador do Journal of Memory, Mind & Media. Editor-chefe fundador do Journal of Memory Studies e co-editor-chefe fundador do Journal of Digital War. Seu último livro é Radical War: Data, Attention and Control in the 21st Century (Hurst 2022, com Matthew Ford).

Eddy Malenfant: Cineasta, trabalhou na Radio Canada e Télé-Québec antes de ser fundador da Production Manitu Inc. (1987), com Zacharie Bellefleur, Céline Vollant e Evelyne St-Onge. Dirigiu mais de 50 filmes sobre a cultura Innu, entre eles Innu Aitun, série de 13 documentários sobre o conhecimento tradicional dessa etnia.

Kristina Cimova: Pesquisadora da Universidade de Glasgow (UK). Sua pesquisa se concentra em assuntos atuais e cultura na Europa Central e seu PhD examinou a corrupção na saúde na Eslováquia. Atualmente, trabalha com Andrew Hoskins em um projeto sobre esquecimento digital e no próximo livro: Is Memory Finished?

Pierrot Ross-Tremblay: Professor do Instituto de Pesquisa e Estudos Indígenas da Universidade de Ottawa, detém a Cátedra de Pesquisa do Canadá em Tradições Intelectuais Indígenas e Autodeterminação. A sua investigação centra-se na memória e no esquecimento, nas tradições orais e jurídicas e nas práticas de soberania e autodeterminação. 

DIA 2 | 18/nov | quinta-feira | das 9h30 às 15h30

Oficina 1 – Voluntariado: das 9h30 às 11h

Marcela Lanza Tripoli
Coordenação de Multiplicação

O voluntariado traz benefícios para ambos lados. A presença de voluntários traz energia renovada para as organizações, com experiências criativas que ajudam a achar novas formas de solucionar problemas. E o voluntário contribui para uma missão em que acredita, além de conhecer pessoas, aprender e expandir horizontes. A oficina abordará como criar um programa de voluntariado.

Para quem? Profissionais de ongs, osc, oscips, centros culturais diversos e museus; gestores e líderes de programas de voluntariado ou pessoas interessadas no assunto.

Inscrições para Oficina 1

Oficina 2 – Metodologia de Entrevistas: das 11h às 12h30

Lucas Lara
Diretor de Museologia do Museu da Pessoa

A Tecnologia Social da Memória, metodologia criada pelo Museu da Pessoa, é voltada para registro, preservação e disseminação de histórias de vida. A oficina enfoca técnicas usadas pela equipe do Museu na realização desses registros. Entre eles, como mapear possíveis entrevistados, montar um roteiro de entrevistas focado em experiências pessoais e se preparar para a condução de uma entrevista.

Para quem? Pessoas, coletivos e organizações que queiram desenvolver ações a partir do registro e uso de histórias de vida.

Inscrições para Oficina 2

Oficina 3 – Acervos Digitais: das 14h às 15h30

Felipe Rocha
Coordenação de Acervo

Desde 1991, o Museu da Pessoa registra e preserva a história de milhares de brasileiros. Com a transição do registro em mídias analógicas (fitas VHS, MiniDV, DVCAM, Hi8, etc) para formato digital, a gestão e o armazenamento desse material mudaram. A oficina traz referências de processos de digitalização de acervos, propondo programas de preservação digital para o contexto de cada instituição.

Para quem? Estudantes, pesquisadores e profissionais com interesse em preservação de acervos audiovisuais e digitais.  

Inscrições para Oficina 3

Mais informações, acesse: https://museudapessoa.org/seminariobndes/

Fonte: Museu da Pessoa