IEA-USP debate conservação e preservação no Brasil

A Sala Alfredo Bosi, no Instituto de Estudos Avançados da USP (IEA-USP) recebe, dia 21 de março, das 10h às 12h, a quinta-mesa redonda do ciclo “Em debate: A conservação e a Restauração no Brasil”. As inscrições são gratuitas e estão abertas até 18 de março, pelo e-mail mesas.conservacaoerestauro@gmail.com

Além do IEA-USP, fazem parte da organização do evento o Fórum Permanente, o Departamento de Museologia, Conservação e Restauro da Universidade Federal de Pelotas e a Biblioteca Brasiliana Mindlin.

Temos vivenciado, nos últimos anos, um aumento significativo de tragédias envolvendo o patrimônio artístico, histórico e cultural. O primeiro, de 1978, do MAM do Rio de Janeiro, reduziu a cinzas cerca de 90% da coleção. Dentre as obras queimadas encontravam-se oitenta telas do uruguaio Torres Garcia, além de obras de Matisse, Dali, Portinari, Picasso, etc.

Quase duas décadas após, em 1995, o Museu Nacional teve problemas com as fortes chuvas que, dentre outros objetos, molhou significativamente três múmias egípcias. De lá para cá ficou impossível quantificar esses eventos: Teatro da Cultura Artística, Memorial da América Latina, Museu da Língua Portuguesa, Centro Cultural São Paulo, Instituto Butantã, Bienal de São Paulo, Museu de Ciências Naturais da PUC de Minas Gerais, Centro Cultural Liceu de Artes e Ofícios, Cinemateca Brasileira e Museu Nacional, dentre outros. Contingenciamento de verbas, falta de manutenção adequada, inexistência de plano de emergência, equipes dessincronizadas e despreparadas para atuar com o patrimônio em situação de risco, abandono de prédios tombados pela esfera pública, monumentos naturais – cavernas e grutas – em processo de erosão. etc.

Será que aprendemos quase nada desde 1978? Até onde existe uma falta de priorização da cultura no país?

O que aconteceu no Museu Nacional merece uma reflexão profunda sobre a situação das nossas instituições na ultima década. Afinal a gestão museológica está em risco ou suas escolhas e prioridades estão ocasionando o risco? Existe uma ideologia por trás desta desconstrução ou é meramente uma falta de conscientização e respeito à cultura?

Mesas-Redondas em Conservação e Restauração

O objetivo principal deste conjunto de debates é reunir especialistas de diversas áreas da conservação e restauração de bens culturais, tais como museólogos, conservadores, restauradores, curadores e cientistas da conservação, para discutir tópicos de relevância com transmissão online e participação em tempo real dos espectadores, permitindo acesso e participação o mais abrangente e democrático possível.

As atuações na área da conservação-restauração são de caráter inter e transdisciplinar, sendo que um dos maiores desafios a ser superado é a dificuldade de comunicação e troca de conhecimento e experiência entre diferentes profissionais e grupos que nelas atuam. Esse desafio se concentra, em parte, no fato de existirem poucos canais de comunicação com abrangência territorial que seja condizente com o tamanho de nosso país, o que torna a formação e atualização de conhecimento pouco acessíveis a diversos profissionais.

Dessa maneira, numa contemporaneidade em que as informações são transmitidas a elevadas velocidades, iniciativas oferecendo melhor acessibilidade ao conhecimento e compartilhamento de experiências são necessárias e urgentes. Com isso em vista, portanto, que este projeto reúne um conjunto de debates na forma de mesas-redondas permitindo que internautas de todo o país os acompanhe em tempo real e, principalmente, enviem perguntas, sugestões e comentários também ao vivo.

Público alvo

Conservadores, restauradores, curadores, museólogos, químicos, físicos, biólogos, engenheiros, cientistas da conservação, produtores e gestores culturais, alunos de graduação e pós, funcionários de equipes culturais, entre outros.

Organizadores: Carlos Zeron, Isis Baldini, Martin Grossmann, Teresa C. T. de Paula, Thiago S. Puglieri.

Expositores

José Luiz Pedersoli Junior (ICCROM) – via Skype
Gina Gomes Machado (Linha D’Água)
Eduardo Nocetti Holms (Coronel da reserva)
Renata Vieira da Motta (ICOM Brasil)

Mediação

Isis Baldini (Grupo de Pesquisa Fórum Permanente: Sistema Cultural entre o Público e o Privado)

Relatoria Crítica por Caetana Brito

Inscrições

A inscrição só é necessária para participação presencial. A seleção será por ordem de inscrição, sendo condicionada à capacidade do auditório.

As inscrições ocorrerão até 18 de março de 2019através do e-mail mesas.conservacaoerestauro@gmail.com

Os resultados serão enviados por e-mail a partir do dia 19 de março de 2019.

Evento público e gratuito
Capacidade da sala: 60 lugares

Organização

Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin
Departamento de Museologia, Conservação e Restauro da Universidade Federal de Pelotas(DMCOR-UFPEL)
Grupo de Pesquisa Fórum Permanente: Sistema Cultural entre o Público e o Privado

IEA – USP

Evento com transmissão em: http://www.iea.usp.br/aovivo

Fonte: IEA – USP