Exposição lembra os cem anos da morte de Augusto dos Anjos

biografia-de-augusto-dos-anjos
Foto: Divulgação / Estudo Prático

Para um poeta com um só livro —“Eu”, de 1912, ampliado oito anos depois no póstumo “Eu e Outras Poesias”—, pode-se dizer que o paraibano Augusto dos Anjos (1884-1914) chega multiplicado ao centenário de sua morte: entre boas edições impressas e caça-níqueis digitais, mais de dez casas mantêm hoje o poeta em seus catálogos.

Mas não é com entusiasmo que o meio editorial lembra hoje um dos maiores e mais inclassificáveis poetas do país, autor de versos célebres como “um urubu pousou em minha sorte” e “escarra nessa boca que te beija!”.

Publicado em 1994 pela Nova Aguilar e reimpresso até 2004, o mais cuidadoso volume em torno da obra do poeta, “Augusto dos Anjos – Obra Completa”, organizado por Alexei Bueno, está disponível só para quem der a sorte de encontrar algum remanescente à venda nas livrarias.

Neste ano, a Nova Aguilar passou da Nova Fronteira para a Global, que planeja recolocar o título no mercado apenas em 2016. A mesma Global tem uma das boas edições à disposição hoje, “Melhores Poemas”, com seleção de José Paulo Paes.

Outras, como a da José Olympio, com estudo crítico de Ferreira Gullar, seguem em catálogo, segundo a editora, embora estejam indisponíveis em praticamente todas as livrarias virtuais.

Nesse cenário, coube à Casa das Rosas, em São Paulo, a maior homenagem à data, com a mostra “Esdrúxulo: 100 Anos da Morte de Augusto dos Anjos”, aberta ao público nesta quarta (12). O título refere-se ao crítico Anatol Rosenfeld, que definiu seu trabalho como “paroxítono, esdrúxulo, dissonante”.

Com 29 poemas, diversos manuscritos e documentos, além de vídeos sobre o poeta, a mostra busca resgatar sua obra centenária a partir de três grandes temas: a morte, as ciências e a transformação permanente da vida.

“A dificuldade de sua poesia está associada aos temas escatológicos, ao vocabulário denso, com termos técnicos e científicos, e à linguagem estranha, incomum na poesia brasileira”, diz o curador, Julio Mendonça.

Um dos documentos, uma declaração de 1977 assinada pelos filhos, encerra uma disputa de décadas entre a Cruz do Espírito Santo (PB) natal de Augusto dos Anjos e a mineira Leopoldina (MG), onde morreu aos 30 anos. O termo determina que fiquem nesta última os restos mortais do poeta.

A casa onde Augusto dos Anjos viveu os últimos cinco meses de vida, em Leopoldina, é hoje um pequeno museu onde ficam seus manuscritos –e um único objeto pessoal, uma colher, que segundo a filha pertenceu a ele.

Sem direito aos restos mortais, a paraibana Cruz do Espírito Santo cuida da parte que lhe cabe. Há pouco, iniciou a poda e revitalização do pé de tamarindo eternizado em versos como “no tempo de meu Pai, sob estes galhos/ como uma vela fúnebre de cera/ chorei bilhões de vezes com a canseira/ de inexorabilíssimos trabalhos”.

anjosRetrato do poeta paraibano Augusto dos Anjos

Fonte: Folha de S. Paulo