Exposição Amaria – design e cooperação está em cartaz na Casa Museu do Objeto Brasileiro

Com a exposição “Amaria – design e cooperação”, a Casa Museu do Objeto Brasileiro, em São Paulo, apresenta, até o dia 24 de maio, o caminhar de quinze anos da equipe Amaria, principalmente, relativo à tradição do fazer manual dos artesãos de Muzambinho: tingimento natural, tecelagem manual, renda frivolité – turca, richelieu, fita viés e aplicação de retalhos, tais como cathedral window, quadros e picotes, além do trabalho manual em bordado, crochê, tricô e abrolho.

Com curadoria de Mayumi Ito, designer de renome internacional e promotora de um diálogo entre artistas e designers do Brasil e do Japão, ela trouxe esse olhar para Muzambinho, município da baixa Mogiana mineira, no Sul do Estado. Reconhecendo o valor do artesanato local, desenvolveu junto com a comunidade um trabalho inovador e de expressão mundial.

O projeto Amaria começou em 2003 com a designer e um grupo de artesãs que participam da cocriação das peças.

Segundo Mayumi, a Amaria não tem uma sede fixa. Cada artesã faz a sua colaboração em casa. “Na verdade a Amaria não é a minha marca. Ela é um grupo de talentos de artesãos de Muzambinho e quando eu falo grupo de talentos, inclui tecelões, tingideiras, bordadeiras, rendeira, todos os trabalhos manuais com técnicas da cidade. A Amaria é para enaltecer o valor da tradição, o valor da mão humana, do trabalho manual, da técnica de ancestralidade”, explica Ito.

Capixaba de nascimento, Ito morou no Japão e chegou ao Sul de Minas Gerais depois de conhecer o trabalho das tecelagens em Muzambinho. “Eu estava em um seminário na semana de moda têxtil no Rio Grande do Sul e a Lúcia Coimbra, da Tecelagem Via Roça, era uma das palestrantes. E eu conheci a Lúcia que me convidou para conhecer Muzambinho e eu acabei ficando.”

 A Amaria utiliza elementos naturais para tingimento das peças e técnicas de artesanato tradicionais. Em 2016, o projeto foi um dos finalistas da 5ª edição da Bienal Ibero-America de Diseño com a peça “Manto de ver Deus”.

Neste ano, foi lançado o livro Amaria – design e cooperação. Sobre a obra, a designer explica que a ideia partiu a autora Alice Penna. “É uma satisfação muito grande pela força e pelo apoio da Alice em relação ao nosso projeto, o nosso trabalho, um reconhecimento. São 15 anos de caminhada, eu acho que saber que tem alguém, várias pessoas que apoiam, que você têm pessoas ao seu lado para continuar a caminhada ajuda a dar continuidade.”


SERVIÇO:

Exposição Amaria – design e cooperação
Até 24 de maio

De segunda a sexta-feira, das 10h às 18h e no dia 11 de maio, sábado, das 10h às 19h.

A Casa Museu do Objeto Brasileiro – Anexo

Av. Pedroso de Morais, 1234, Pinheiros, São Paulo Fonte: Portal da Cidade de Guaxupé e A Casa Museu do Objeto Brasileiro