Exposição fotográfica que retrata atividades físicas inclusivas em escolas brasileiras chega ao Museu do Futebol

3.museudofutebolinclusao site
 
 A mostra que esteve em cartaz na Paralimpíada Rio 2016 revela cenas do projeto “Portas Abertas para a Inclusão” do Instituto Rodrigo Mendes
 
 
O Museu do Futebol, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, recebe 40 imagens da fotógrafa Pat Albuquerque que retratam o projeto “Portas Abertas para a Inclusão” do Instituto Rodrigo Mendes (rm.org.br), capturadas em escolas públicas de 12 capitais brasileiras.
 
Realizado desde 2013 em parceria com o UNICEF e a Fundação FC Barcelona, o projeto tem o objetivo de promover a inclusão de crianças e jovens com deficiência por meio da educação física para que todos joguem juntos, independentemente de suas condições. O “Portas Abertas para a Inclusão” já impactou 260 escolas públicas, 780 educadores e cerca de 60 mil alunos.
 
Os registros fotográficos que estarão no Museu do Futebol, já estiveram em cartaz na casa paralímpica “British House Rio”, de 13 a 18 de setembro, e mostram as atividades físicas que promoveram a inclusão de crianças e adolescentes com deficiência nas aulas regulares em escolas públicas de todas as regiões do Brasil.
 
“A educação física, quando ressignificada a partir de uma visão inclusiva, desempenha um papel poderoso nas transformações necessárias para que as escolas acolham e valorizem as diferenças humanas.”, afirma Rodrigo Hübner Mendes, superintendente do Instituto Rodrigo Mendes.
 
Além das fotografias, a exposição contará com um áudio-guia especial para visitação, material com os recursos em Libras e audiodescrição, e exibição de 12 vídeos que mostram, na prática, como foram realizadas as atividades em cada escola, contando com depoimentos de educadores, pais e alunos envolvidos no projeto.
 
“Sediar a mostra fotográfica vai ao encontro dos projetos de acessibilidade que vimos conduzindo. Entre 2010 e 2015, o Museu do Futebol realizou o projeto ‘Deficiente Residente’ que contou com pessoas com diversos tipos de deficiência atuando junto aos educadores e orientadores de acesso do museu. Colhemos frutos bastante positivos desse projeto e iniciamos, em 2016, o ‘Museu Amigo do Idoso’. Projetos de acessibilidade estão em nossa pauta e não podia ser diferente, pois o museu foi concebido para ser acessível a todos” afirma Daniela Alfonsi, Diretora de Conteúdo do Museu do Futebol.
 
 
Acessibilidade no Museu do Futebol
O Museu do Futebol, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, foi planejado para ser acessível desde a sua concepção. Todas as salas e seu conteúdo foram pensados para atender diferentes perfis de públicos: brasileiros e estrangeiros; de diversas classes sociais; pessoas com deficiência física, intelectual e mobilidade reduzida; crianças, jovens, adultos e idosos.
 
Na sua estrutura física, o museu conta com elevadores para cadeirantes e pessoas com dificuldade de locomoção; piso podotátil para deficientes visuais e pessoas com baixa visão em todo o percurso da exposição de longa duração, além de banheiros para cadeirantes em todos os andares.
 
As pessoas com deficiência visual ou com baixa visão podem realizar uma visita autônoma pela exposição com o uso de um áudio-guia exclusivo e contar com legendas em Braile em todas as salas e maquetes táteis sobre o conteúdo expositivo.
 
O Museu do Futebol reúne uma série de recursos acessíveis para facilitar e potencializar o acesso ao museu. E seus educadores se valem de diversos recursos pedagógicos para o atendimento a diferentes perfis de público, tornando a experiência de estar no museu ainda mais rica.
 
De 2010 a 2015, o museu realizou o projeto “Deficiente Residente”, que recebeu nove pessoas com diferentes deficiências trabalhando com a equipe do Núcleo Educativo do Museu do Futebol, trazendo adaptações cenográficas, criação e desenvolvimento de jogos, atividades e a melhoria no atendimento, a partir da quebra de barreiras atitudinais em relação às pessoas com deficiência. O projeto foi premiado, em 2013, com o Prêmio Darcy Ribeiro do IBRAM, e, em 2014, com o 3º lugar no Prêmio IberMuseus.
 
Em 2016, quando o projeto “Deficiente Residente” vira documentário, disponível na íntegra no canal no youtube, o museu inicia seu novo projeto de acessibilidade, o “Museu Amigo do Idoso”. Com as mesmas premissas do “Deficiente Residente”, o “Museu Amigo do Idoso” visa à melhoria do atendimento à pessoa acima dos 60 anos, a partir de necessidades indicadas pelos próprios idosos, em convívio com a equipe do educativo do museu.
 
A atenção do Museu do Futebol aos idosos vai ao encontro dos últimos dados populacionais, que mostram a tendência de ampliação do número de pessoas com mais de 60 anos no país. Os dados revelam que envelhecer não é mais visto como uma fase de inatividade, pelo contrário, é preciso ampliar a oferta de atividades para a população da terceira idade. Assim, ao longo de 2016, serão dois idosos residentes no Museu do Futebol: o primeiro de abril a julho, e o outro de setembro a novembro.  Os residentes são remunerados e trabalharão às terças e quintas-feiras, das 10h às 16h, junto da equipe do Núcleo Educativo.
 
 
Serviço:
Exposição fotográfica “Portas Abertas para a Inclusão”
Duração: 5 de outubro a 11 de dezembro
Onde: Museu do Futebol – Estádio do Pacaembu – Praça Charles Miller, s/n – Pacaembu, São Paulo – SP.
 
 
MUSEU DO FUTEBOL
Endereço: Praça Charles Miller, S/N São Paulo, SP
Funcionamento: terça a sexta-feira, das 9h às 17h (Bilheteria até as 16h).
Sábados, domingos e feriados das 10h às 18h (bilheteria até as 17h)
Ingressos: R$ 9,00 | Meia-entrada: R$ 4,50 | Entrada gratuita aos sábados.
*Estacionamento na Praça Charles Miller, sendo necessário o uso de Zona Azul. Cada folha vale por três horas e pode ser adquirida a preço oficial na bilheteria do Museu ou por aplicativos do Zona Azul Digital disponíveis para Smartphones.
* Consulte o site do museu para horários de funcionamento diferenciados em dias de jogos no Estádio do Pacaembu: museudofutebol.org.br
 
 
Fonte: Museu do Futebol
Imagem: divulgação